Co­mo es­co­lher o alar­me

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Ta­li­ta Ama­ral e AE ta­li­ta@odi­a­rio.com

Atu­al­men­te, qual­quer item que ga­ran­ta a se­gu­ran­ça no veí­cu­lo se tor­nou in­dis­pen­sá­vel. O alar­me, por exem­plo, evo­luiu mui­to e pas­sou a ter mui­to mais atri­bui­ções que a sim­ples ta­re­fa de aci­o­nar uma si­re­ne em ca­so de vi­o­la­ção do car­ro. “Os sis­te­mas ser­vem des­de pa­ra in­for­mar se há al­gu­ma por­ta aber­ta até pa­ra blo­que­ar a ig­ni­ção do mo­tor”, diz o co­or­de­na­dor do co­mi­tê de ele­tro­e­le­trô­ni­ca da As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de En­ge­nha­ria Au­to­mo­ti­va (AEA), Ri­car­do Ta­kahi­ra. Ba­si­ca­men­te, há dois ti­pos de alar­me. O vo­lu­mé­tri­co, que mo­ni­to­ra a ca­bi­ne por meio de sen­so­res de mo­vi­men­to, e o pe­ri­mé­tri­co, que cui­da do ex­te­ri­or do veí­cu­lo a par­tir de in­ter­rup­to­res me­câ­ni­cos, ou se­ja, dis­pa­ra no ca­so de aber­tu­ra de por­tas, in­clu­si­ve capô e ba­ga­gei­ro. É o ti­po pre­do­mi­nan­te dos sis­te­mas ori­gi­nais de fá­bri­ca. Po­dem ser aci­o­na­dos por con­tro­le à par­te ou por dis­po­si­ti­vo ins­ta­la­do na cha­ve.

A ins­ta­la­ção de am­bos é fei­ta da mes­ma for­ma. “Eles apro­vei­tam si­nais elé­tri­cos do veí­cu­lo, co­mo, por exem­plo, ba­te­ria, cha­ve de ig­ni­ção, lâm­pa­das de se­tas, in­ter­rup­to­res de por­tas, capô e por­ta-ma­las”, ex­pli­ca o ge­ren­te de pós­ven­das da Pó­si­tron, fa­bri­can­te de alar­mes, Da­vid Gi­rel­li. Co­mo en­vol­ve a par­te elé­tri­ca, to­do cui­da­do é pou­co. Gi­rel­li diz que ins­ta­la­ções mal­fei­tas po­dem de­sen­ca­de­ar uma sé­rie de pro­ble­mas. “Os mais co­muns são a quei­ma do mó­du­lo do alar­me ou ava­ri­as no sis­te­ma elé­tri­co que oca­si­o­nam acen­di­men­to das lu­zes de air­bag e in­je­ção ele­trô­ni­ca, en­tre ou­tros itens”, ex­pli­ca.

A ma­nu­ten­ção pre­ven­ti­va do alar­me é bem sim­ples. “Re­co­men­da­mos uma re­vi­são no con­tro­le do alar­me a ca­da seis me­ses, po­rém é mui­to di­fí­cil es­se aces­só­rio pre­ci­sar de ma­nu­ten­ção”, afir­ma a pro­pri­e­tá­ria de uma em­pre- sa de som e alar­mes au­to­mo­ti­vos em Ma­rin­gá, Mi­ri­am Isaías Sil­va. Nes­ta lo­ja, se­gun­do a pro­pri­e­tá­ria, o pre­ço dos alar­mes (já com a ins­ta­la­ção) va­ri­am en­tre R$ 178 e R$ 420.

De acor­do com Mi­ri­am Sil­va, a mai­o­ria das pes­so­as de­ter­mi­na a com­pra do alar­me pe­lo pre­ço e re­cur­sos. “To­dos os alar­mes são uni­ver­sais, o di­fe­ren­ci­al en­tre eles é o de­sign de cha­vei­ro, pre­ço e a ga­ran­tia. Se o cli­en­te pos­sui um car­ro po­pu­lar, nor­mal­men­te op­ta pe­lo va­lor mais em con­ta”.

Pa­ra os que pre­fe­rem con­ci­li­ar a se­gu­ran­ça e o con­for­to po­de in­te­res­sar sis­te­mas que ain­da agre­gam a função lo­ca­li­za­dor - útil, por exem­plo, pa­ra en­con­trar o veí­cu­lo den­tro de es­ta­ci­o­na­men­to, já que as se­tas pis­ca­rão ao pres­si­o­nar o bo­tão do cha­vei­ro; e a função pâ­ni­co, por meio da qual o mo­to­ris­ta po­de fa­zer dis­pa­rar o alar­me quan­do es­ti­ver em al­gu­ma si­tu­a­ção de ris­co. A Toyo­ta anun­ci­ou o lan­ça­men­to da li­nha 2014 do Eti­os que che­ga às con­ces­si­o­ná­ri­as com bo­as no­vi­da­des. A mais no­tá­vel é a me­lho­ria no aca­ba­men­to in­ter­no e o no­vo pai­nel que per­mi­te me­lhor vi­su­a­li­za­ção das in­for­ma­ções por par­te do mo­to­ris­ta. Ele con­ta com ve­lo­cí­me­tro e tacô­me­tro com gra­fia Black & Blue. Além dis­so, a ver­são hat­ch XS, in­ter­me­diá­ria, pas­sa a ter mo­tor 1.5 li­tro (96,5 cv) em vez de 1.3 (90 cv). Nas ver­sões do se­dã, que já eram to­das 1.5, não hou­ve al­te­ra­ção me­câ­ni­ca. Em am­bas as car­ro­ce­ri­as, a trans­mis­são é ma­nu­al de 5 mar­chas. O vi­su­al é o mes­mo, ex­ce­to pe­los re­tro­vi­so­res ex­ter­nos re­de­se­nha­dos. Al­gu­mas ver­sões ga­nha­ram equi­pa­men­tos de sé­rie, co­mo a X com ar­con­di­ci­o­na­do, que pas­sa a ser equi­pa­da com vi­dros e tra­vas elé­tri­cas. O pre­ço de par­ti­da da con­fi­gu­ra­ção hat­ch é de R$ 29.990 e do se­dã, R$ 36.590.

Di­vul­ga­ção

IN­VES­TI­MEN­TO Mui­tos só se dão con­ta da im­por­tân­cia des­te re­cur­so, quan­do são “sur­pre­en­di­dos”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.