Deus está ir­ri­ta­do

O Diario do Norte do Parana - - OPINIÃO -

“Fa­zei mor­rer em vós o que per­ten­ce à ter­ra: imo­ra­li­da­de, im­pu­re­za, pai­xão, maus de­se­jos e co­bi­ça, que é ido­la­tria. Tais coi­sas pro­vo­cam a ira de Deus... Ago­ra, po­rém, aban­do­nai tu­do isso: ira, ir­ri­ta­ção, maldade, blas­fê­mia, pa­la­vra in­de­cen­tes, que sa­em dos vos­sos lá­bi­os. Não min­tais uns aos ou­tros (Cl 3,1-11).

Deus está des­con­ten­te por­que vi­ve­mos so­men­te para a ter­ra, para as coi­sas ocu­pam o lu­gar pri­vi­le­gi­a­do dos nos­sos corações, e Deus fi­ca à mar­gem de tu­do. É mais im­por­tan­te o tra­ba­lho, as ide­o­lo­gi­as, as dou­tri­nas fun­da­men­ta­lis­tas, as in­ter­pre­ta­ções pes­so­ais da vi­da pre­sen­te e futura, os maus de­se­jos que é ido­la­tria. O re­la­ti­vis­mo hu­ma­no e es­pi­ri­tu­al le­vam o ho­mem e a mu­lher se tor­na­rem se­mi-deu­ses.

O pa­pa Fran­cis­co dis­se que “na cul­tu­ra do pro­vi­só­rio, do re­la­ti­vo, mui­tos pre­gam que o im­por­tan­te é ‘cur­tir’ o mo­men­to, que não va­le a pe­na com­pro­me­ter-se por to­da a vi­da, fa­zer es­co­lhas de­fi­ni­ti­vas ‘para sem­pre’, uma vez que não se sa­be o que re­ser­va o ama­nhã”. Fa­lan­do aos jo­vens ele faz um pe­di­do: “Eu pe­ço a vo­cês que se­jam re­vo­lu­ci­o­ná­ri­os, que vão con­tra a cor­ren­te; sim, nis­to pe­ço que se re­be­lem; que se re­be­lem con­tra es­sa cul­tu­ra do pro­vi­só­rio que, no fun­do, crê que vo­cês não são ca­pa­zes de as­su­mir res­pon­sa­bi­li­da­des, que não são ca­pa­zes de amar a ver­da­de. Eu te­nho con­fi­an­ça em vo­cês, jo­vens, e re­zo por vo­cês. Te­nham a co­ra­gem de ‘ir con­tra a cor­ren­te’. Te­nham a co­ra­gem de ser fe­li­zes!”

Deus está ira­do por­que a cul­tu­ra do in­di­vi­du­a­lis­mo, o eu de­ci­do, do fa­ço o que que­ro, está ca­da vez mais en­rai­za­do no co­ra­ção do jo­vem e do adul­to. Nin­guém tem o di­rei­to de des­truir o que mais pu­ro e le­gí­ti­mo car­re­ga­mos na vi­da. O dom, o pre­sen­te de Deus, a ca­pa­ci­da­de de crer, a fé, nin­guém po­de des­truir. Ao mes­mo tem­po é um pre­sen­te de Deus a ser par­ti­lha­do, na ex­pe­ri­ên­cia de ser dis­cí­pu­lo do Se­nhor Je­sus. O Pa­pa afir­ma: “a fé é uma cha­ma que se faz tan­to mais vi­va quan­to mais é par­ti­lha­da, trans­mi­ti­da, para que to­dos pos­sam co­nhe­cer, amar e pro­fes­sar que Je­sus Cris­to é o Se­nhor da vi­da e da his­tó­ria”. Ne­nhum ser hu­ma­no po­de ocu­par o lu­gar de Deus.

Di­an­te do des­lei­xo cul­tu­ral, po­lí­ti­co e re­li­gi­o­so, do li­be­ra­lis­mo mo­ral, do li­vre ar­bí­trio sem me­dir as con­sequên­ci­as, é pre­ci­so re­a­gir de ma­nei­ra for­te, vi­bran­te. É pre­ci­so gri­tar, sair do co­mo­dis­mo in­gê­nuo, ir para as ru­as e ma­ni­fes­tar pu­bli­ca­men­te a in­sa­tis­fa­ção. Isso é vi­ver a ci­da­da­nia de for­ma res­pon­sá­vel. Não me as­sus­ta o gri­to dos in­con­for­ma­dos, e sim o si­lên­cio dos aco­mo­da­dos. O mun­do gri­ta pe­lo pro­ta­go­nis­mo da mu­dan­ça, sem vi­o­lên­cia. Se faz ne­ces­sá­rio a su­pe­ra­ção da apa­tia, da inér­cia, de for­ma or­de­na­da e pa­cí­fi­ca. É pre­ci­so sair às ru­as e gri­tar con­tra a hi­po­cri­sia po­lí­ti­ca, pe­los di­rei­tos de to­dos os ci­da­dãos e ci­da­dãs, mas não po­de­mos es­que­cer que o gri­to de­ve ser con­tra a imo­ra­li­da­de, a ido­la­tria dos de­se­jos e sen­ti­men­tos.

Deus está des­con­ten­te por­que nos amou in­fi­ni­ta­men­te, e de­pois de mais de dois mil anos, a hu­ma­ni­da­de con­ti­nua afas­ta­da do co­ra­ção do Pai Deus. Te­mos um lon­go ca­mi­nho a per­cor­rer, a ho­ra é nos­sa, va­mos jun­tos acal­mar a ira do Cri­a­dor. Ele não é vin­ga­ti­vo, mas vai co­brar de to­dos nós a res­pos­ta con­cre­ta de nos amar e ser ama­do. Deus está ira­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.