Mo­to­ris­tas so­mam pre­juí­zos e de­cep­ções

Quem te­ve o car­ro fur­ta­do co­nhe­ce bem as pri­mei­ras reações: achar que pa­rou em ou­tro lu­gar, não sa­ber para quem li­gar pri­mei­ro; pi­or ain­da para quem qua­se per­deu a vi­da no rou­bo

O Diario do Norte do Parana - - ZOOM - Ro­ber­to Sil­va

rsil­va@odi­a­rio.com A pri­mei­ra re­a­ção de quem te­ve o veí­cu­lo fur­ta­do é ima­gi­nar que ele po­de ter es­ta­ci­o­na­do em ou­tro lo­cal. Con­fir­ma­do o fur­to, sur­ge dú­vi­da para quem li­gar pri­mei­ro; se para a fa­mí­lia ou a po­lí­cia. En­quan­to aguar­da a che­ga­da de aju­da, a sen­sa­ção de im­po­tên­cia aflo­ra. “A gen­te fi­ca per­di­do, sem re­a­ção. Vo­cê re­cu­sa acre­di­tar que aqui­lo está acon­te­cen­do. Mes­mo que vo­cê te­nha se­gu­ro, por al­gum tem­po,o car­ro vai fa­zer fal­ta e tra­zer pro­ble­mas, co­mo se des­lo­car para o tra­ba­lho, bus­car fi­lho na es­co­la, fa­zer com­pras, en­tre ou­tras ati­vi­da­des cor­ri­quei­ras do dia a dia”, afir­ma a ge­ren­te co­mer­ci­al Mar­ce­le Cris­ti­na Tei­xei­ra, 27 anos, que te­ve seu Fi­at Si­e­na, ano 2001, fur­ta­do, dia 3 des­te mês, em Ma­rin­gá.

Mar­ce­le con­ta que es­ta­ci­o­nou seu veí­cu­lo na Rua Pi­ra­ti­nin­ga por vol­ta das 15h30 e se des­lo­cou até uma empresa nas ime­di­a­ções. Ao re­tor­nar, du­as ho­ras de­pois, não en­con­trou o car­ro. “A pri­mei­ra sen­sa­ção foi de ter er­ra­do o lo­cal, mas após olhar aten­ta­men­te em to­das as di­re­ções ti­ve a cer­te­za de que era ali que ha­via es­ta­ci­o­na­do”, lem­bra ela. De­pois de li­gar para o ma­ri­do e con­tar o ocor­ri­do, Mar­ce­le aci­o­nou a Po­lí­cia Mi­li­tar e re­gis­trou o fur­to. No dia se­guin­te, já com a có­pia do bo- le­tim de ocor­rên­cia em mãos, ela pro­cu­rou o cor­re­tor de se­gu­ros e in­gres­sou com pe­di­do de res­sar­ci­men­to. O pro­ble­ma é que a se­gu­ra­do­ra es­ta­be­le­ce um pra­zo para a re­cu­pe­ra­ção. “Tu­do bem que o meu car­ro era an­ti­go e va­lia cer­ca de R$ 14 mil, mas foi com­pra­do com mui­to sa­cri­fí­cio, de uma for­ma ho­nes­ta. Es­sa si­tu­a­ção aca­bou so­bre­car­re­gan­do o meu ma­ri­do, que ago­ra pre­ci­sa me le­var para o tra­ba­lho, pe­gar o fi­lho na es­co­la e fa­zer ou­tras ta­re­fas que an­tes di­vi­día­mos.”

Vi­da em ris­co

João Le­an­dro é ou­tra ví­ti­ma dos cri­mi­no­sos, mas, no ca­so de­le, a ação foi vi­o­len­ta -- te­ve que en­tre­gar as cha­ves com uma ar­ma apon­ta­da para o ros­to. O car­ro, um Hon­da Ci­vic 2009, pra­ta, foi le­va­do no dia 4 de agos­to. O cri­me acon­te­ceu por vol­ta das 23h30 na Rua Bo­ta­fo­go, no Jar­dim Ta­ba­e­tê. “Não con­se­gui ver os la­drões. Eles che­ga­ram ar­ma­dos e le­va­ram meu car­ro. Não ti­nha se­gu­ro. Ain­da te­nho es­pe­ran­ça de que se­ja re­cu­pe­ra­do.”. O ca­so está re­gis­tra­do na de­le­ga­cia e se­gue sob in­ves­ti­ga­ção.

So­nho des­truí­do

Quan­do viu uma mo­to­ci­cle­ta Fal­con pe­la pri­mei­ra vez, ain­da na ado­les­cên­cia, Mi­ke Hen­ri­que Ca­ta­ros­si, 25 anos, não te­ve dú­vi­das de que um dia te­ria uma mo­to co­mo aque­la. “Achei lin­da. Ela era mes­mo mui­to bo­ni­ta, im­po­nen­te. Na­que­le mes­mo dia de­ci­di que iria tra­ba­lhar e eco­no­mi­zar o má­xi­mo que pu­des­se para ter uma igual. De­pois de anos de mui­to tra­ba­lho e es­for­ço, fi­nal­men­te con­se­gui re­a­li­zar o meu so­nho”, lem­bra o ra­paz. Mas o so­nho du­rou pou­co. No dia 2 de setembro, mi­nu­tos após re­ti­rar a mo­to de uma ofi­ci­na, Mi­ke pa­rou em um se­má­fo­ro e foi ren­di­do por um ho­mem ar­ma­do, que le­vou a mo­to em­bo­ra.”Fi­quei com­ple­ta­men­te per­di­do. Não sa­bia se li­ga­va para mi­nha es­po­sa ou para a po­lí­cia. Es­sa mo­to era o so­nho da mi­nha vi­da e, de re­pen­te, tu­do se des­fez. Até hoje não ti­ve no­tí­cia de seu pa­ra­dei­ro, mas ain­da te­nho es­pe­ran­ça de que a po­lí­cia vai re­cu­pe­rá-la”, diz ele, acres­cen­tan­do que a mo­to, ava­li­a­da em tor­no de R$ 9,5 mil, era usa­da para tra­ba­lhar. “Hoje, uso um car­ro em­pres­ta­do de um ami­go”, con­clui.

Alí­vio

Em si­tu­a­ção um pou­co mais cô­mo­da está o mi­cro­em­pre­sá­rio Eder Men­des Ro­dri­gues, 31 anos, que te­ve seu Volkswa­gen Fox, ano 2006, fur­ta­do dia 5 de agos­to na Ave­ni­da Bra­sil, Cen­tro de Ma­rin­gá. Ape­sar de não ter se­gu­ro, ele con­se­guiu ter o veí­cu­lo re­cu­pe­ra­do, dias de­pois, pe­la Po­lí­cia Mi­li­tar. A his­tó­ria de Ro­dri­gues se as­se­me­lha a vá­ri­os ca­sos re­gis­tra­dos na 9ª Sub­di­vi­são Po- li­ci­al: com­prou o car­ro para tra­ba­lhar. “Es­ta­ci­o­nei per­to da pra­ça Rocha Pom­bo e saí com a mi­nha fa­mí­lia para fa­zer com­pras. No fi­nal da tar­de, re­tor­na­mos ao veí­cu­lo e guar­da­mos as com­pras e de­ci­di­mos dar mais uma vol­ta no co­mér­cio. Quan­do vol­ta­mos, por vol­ta de mei­a­noi­te, não en­con­tra­mos o car­ro no lo­cal e o de­ses­pe­ro ba­teu”, lem­bra ele.

Ro­dri­gues ex­pli­ca que sem­pre fez se­gu­ro, mas nes­te ano, de­vi­do a que­da no pre­ço dos car­ros usa­dos, de­ci­diu não re­no­var o se­gu­ro. Por sor­te, o car­ro foi en­con­tra­do aban­do­na­do, dois dias de­pois, no No­vo Cen­tro. Des­de en­tão, o em­pre­sá­rio en­fren­ta uma sa­ga para li­be­rar o veí­cu­lo do pá­tio da de­le­ga­cia. Mas Ro­dri­gues já to­mou uma de­ci­são: as­sim que pe­gar o car­ro de vol­ta vai tro­cá­lo por um mais no­vo e, ló­gi­co, fa­zer se­gu­ro to­tal. Não te­mos da­dos es­pe­ci­fi­co de Ma­rin­gá, mas do to­tal da fro­ta cir­cu­lan­te na re­gião no­ro­es­te, apro­xi­ma­da­men­te 25% está se­gu­ra­da. Quan­do fa­la­mos da fro­ta se­gu­rá­vel, que é aque­la que aten­de os re­qui­si­tos bá­si­cos para acei­ta­ção das se­gu­ra­do­ras, es­te ín­di­ce se apro­xi­ma de 30%. Isso é re­la­ti­vo,na con­tra­ta­ção po­de até achar, mas na oca­sião do si­nis­tro é o in­ver­so. Não de­ve­ria va­lo­ri­zar o se­gu­ro ape­nas quan­do ocor­re o si­nis­tro, mas sim pe­la sen­sa­ção de se­gu­ran­ça que se tem quan­do se está pro­te­gi­do por uma apó­li­ce de se­gu­ro. Atu­al­men­te, o pre­ço do se­gu­ro é in­flu­en­ci­a­do por di­ver­sos fa­to­res: ín­di­ce de co­li­são, frau­des,en­tre ou­tros. Não obs­tan­te es­ses fa­to­res, a pre­ci­fi­ca­ção le­va em con­si­de­ra­ção prin­ci­pal­men­te o per­fil do con­du­tor do veí­cu­lo, sua ida­de, se­xo, es­ta­do ci­vil, mo­de­lo do veí­cu­lo, re­gião de cir­cu­la­ção, uti­li­za­ção e a gu­ar­da do mes­mo. Ob­vi­a­men­te que a per­cep­ção de pre­ço de se­gu­ro de um jo­vem sol­tei­ro é di­fe­ren­te de uma pes­soa mai­or de 30 anos, ca­sa­da, para o mes­mo mo­de­lo de veí­cu­lo e re­gião. Pro­cu­rar um cor­re­tor de se­gu­ros de sua con­fi­an­ça, pois es­te pro­fis­si­o­nal vai pes­qui­sar no mer­ca­do uma se­gu­ra­do­ra com o me­lhor cus­to­be­ne­fí­cio para ca­da mo­de­lo de veí­cu­lo e per­fil de con­du­tor, con­for­me sua ne­ces­si­da­de. Es­te vai ori­en­tá-lo na con­tra­ta­ção e dar to­do su­por­te em um even­tu­al si­nis­tro, além de, prin­ci­pal­men­te, ob­ser­var e es­cla­re­cer as con­di­ções con­tra­tu­ais. Ou­tro pon­to é a aten­ção no pre­en­chi­men­to do ques­ti­o­ná­rio de ava­li­a­ção do ris­co, O per­fil, de­ve pres­tar de for­ma trans­pa­ren­te to­das as in­for­ma­ções so­li­ci­ta­das pe­las se­gu­ra­do­ras re­la­ci­o­na­das aos con­du­to­res e à uti­li­za­ção do veí­cu­lo. Im­por­tan­te lem­brar que o Ins­ti­tu­to do Se­gu­ro é um im­por­tan­te ins­tru­men­to de pro­te­ção.

Ra­fa­el Sil­va

João Le­an­dro foi ren­di­do por ban­di­dos ar­ma­dos e te­ve o Hon­da Ci­vic rou­ba­do; veí­cu­lo não ti­nha se­gu­ro

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.