‘Fo­co na ren­ta­bi­li­da­de, não só na pro­du­ti­vi­da­de’

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Mu­ri­lo Gat­ti

mgat­ti@odi­a­rio.com

Com um re­sul­ta­do lí­qui­do de R$ 28,72 mi­lhões no ano fis­cal de 2013, cor­res­pon­den­te à sa­fra agrí­co­la 2012/13, a Bra­si­lA­gro tem de­mons­tra­do que o agro­ne­gó­cio e o mer­ca­do de ca­pi­tais po­dem ca­mi­nhar jun­tos no País. Pri­mei­ra empresa de pro­du­ção agrí­co­la

O DIÁ­RIO - Exis­te al­gu­ma pers­pec­ti­va da Bra­si­lA­gro fa­zer in­ves­ti­men­tos em ter­ras no Pa­ra­ná? JU­LIO TO­LE­DO PI­ZA - É pou­co pro­vá­vel por­que quan­do pen­so no Pa­ra­ná ve­jo que é o Es­ta­do com o mai­or de­sen­vol­vi­men­to agrí­co­la no País. Se pen­sa­mos no tri­ân­gu­lo do de­sen­vol­vi­men­to, da opor­tu­ni­da­de e da pe­que­na pro­pri­e­da­de, o Pa­ra­ná é al­ta­men­te de­sen­vol­vi­do. Os pa­ra­na­en­ses são mui­to bons e de­sen­vol­ve­ram o Es­ta­do. A gen­te po­de­ria ter si­do o que a Com­pa­nhia Me­lho­ra­men­tos Nor­te do Pa­ra­ná foi. Quem sa­be um dia va­mos ter o mes­mo su­ces­so nos lo­cais on­de in­ves­ti­mos. Os in­ves­ti­men­tos fei­tos em Es­ta­dos co­mo Goiás e Ma­ra­nhão con­tri­bu­em para o de­sen­vol­vi­men­to lo­cal? No su­do­es­te de Goiás, en­con­tra­mos uma re­gião ra­zo­a­vel­men­te de­sen­vol­vi­da. Mas, do pon­to de vis­ta de fa­zer a di­fe­ren­ça, acon­te­ceu mui­to em fa­zen­das da Bahia, do Ma­ra­nhão e do Pi­auí, on­de te­mos co­la­bo­ra­do para mu­dar a di­nâ­mi­ca lo­cal. Um pe­que­no mu­ni­cí­pio que pas­sa a ter uma fa­zen­da de 15 mil a 20 mil hec­ta­res pro­du­zin­do, on­de não pro­du­zia na­da an­tes, pro­vo­ca mui­tas mu­dan­ças. Já cons­truí­mos es­co­las, es­tra­das, pon­tes. É um de­sen­vol­vi­men­to bas­tan­te im­por­tan­te em to­dos os as­pec­tos. O fo­co da empresa é a com­pra e a ven­da de ter­ras. Nor­mal­men­te vo­cês en­tre­gam uma pro­pri­e­da­de to­tal­men­te es­tru­tu­ra­da? Quem com­pra ad­qui­re uma fa­zen­da pron­ta e pro­du­ti­va? Nor­mal­men­te, quan­do che­ga­mos a uma fa­zen­da, en­con­tra­mos pou­ca in­fra­es­tru­tu­ra e preparamos tu­do. Cor­ri­gi­mos o so­lo com cal­cá­rio, fa­ze­mos es­tra­das, car­re­a­do­res, cons­truí­mos um es­cri­tó­rio, co­lo­ca­mos in­ter­net, ins­ta­la­ção elé­tri­ca, si­los e ba­lan­ças. É um tra­ba­lho para sair do na­da e tor­nar uma fa­zen­da bas­tan­te pro­du­ti­va. Con­si­de­ra­mos uma fa­zen­da pron­ta, quan­do ve­mos pou­ca ca­pa­ci­da­de no­va e, nes­se mo­men­to, faz sen­ti­do in­ves­tir e en­xer­gar ou­tros ne­gó­ci­os. Vo­cês têm mui­tas áre­as em fa­se de trans­for­ma­ção? Te­mos 40 mil hec­ta­res para de­sen­vol­ver. Sem con­tar o que te­mos em pro­ces­so de pro­du­ção. Te­mos áre­as so­ja no se­gun­do ano pro­du­zin­do 45 sa­cas e até 55 sa­cas por hec­ta­re. É um pro­ces­so de cons­tru­ção de fer­ti­li­da­de. São áre­as di­fe­ren­tes das do Nor­te do Pa­ra­ná, que é cul­ti­va­do há 50, 60 anos e o plan­tio se en­con­tra to­tal­men­te es­ta­bi­li­za­do. No Pi­auí, na Bahia e no Ma­ra­nhão, por exem­plo, há mui­to a de­sen­vol­ver e em de­sen­vol­vi­men­to. Nos pro­ces­sos de trans­for­ma­ção das fa­zen­das vo­cês uti­li­zam as me­lho­res tec­no­lo­gi­as e pro­fis­si­o­nais para bus­car a mai­or pro­du­ti­vi­da­de? Te­mos téc­ni­cos agrí­co­las, engenheiros agrô­no­mos e to­da uma es­tru­tu­ra ar­ma­da para isso. Ago­ra, me­lhor tec­no­lo­gia? Di­ria que, não ne­ces­sa­ri­a­men­te, a me­lhor tec­no­lo­gia per­mi­te fa­zer o me­lhor ne­gó­cio pos­sí­vel. Para ter­mos um bom re­tor­no no ca­pi­tal, para ter­mos mar­gem, não usa­mos, ne­ces­sa­ri­a­men­te, a me­lhor tec­no­lo­gia, mas a mais efi­ci­en­te pos­sí­vel. Usa­mos téc­ni­cas su­per avan­ça­das e tam­bém as não mais avan­ça­das. O sis­te­ma de ges­tão é ex­tre­ma­men­te avan­ça­do e so­fis­ti­ca­do. Mas, se es­ta­mos usan­do a agri­cul­tu­ra de pre­ci­são em tu­do, tal­vez não. O mais in­te­li­gen­te é ter o re­tor­no. O agri­cul­tor tem que ser cui­da­do­so para evi­tar uma dis­cus­são que con­si­de­re sim­ples­men­te pro­du­ti­vi­da­de e não a ren­ta­bi­li­da­de. O fo­co cor­re­to não é a pro­du­ti­vi­da­de? Sou pes­soa fí­si­ca, mi­nha fa­mí­lia tem pro­pri­e­da­de ru­ral e fi­co con­for­tá­vel em fa­lar. O pro­du­tor de­ve­ria se pre­o­cu­par mais com ren­ta­bi­li­da­de e me­nos só com pro­du­ti­vi­da­de. Tem que co­me­çar a pen­sar um pou­co mais além dis­so, pois só a pro­du­ti­vi­da­de po­de le­var a to­mar de­ci­sões não óti­mas. Uma coi­sa im­por­tan- te a se pen­sar co­mo pro­du­tor e a Bra­si­lA­gro pre­ci­sa ter um cui­da­do mai­or que a mé­dia é o ris­co de pro­du­zir e não ga­nhar. Não sei se não de­ve­ria mu­dar a ma­nei­ra de pen­sar. É pre­ci­so con­si­de­rar a mar­gem e a pro­du­ti­vi­da­de ade­qua­das, não só sa­cas por hec­ta­res.O agri­cul­tor tem que evo­luir para a pro­du­ti­vi­da­de do ca­pi­tal. As fa­zen­das da Bra­si­lA­gro tra­ba­lham com a di­ver­si­fi­ca­ção ou são ne­gó­ci­os ba­se­a­dos em mo­no­cul­tu­ra? As fa­zen­das não são di­ver­si­fi­ca­das, mas nos­so ne­gó­cio é. Para o aci­o­nis­ta, te­mos vá­ri­as fa­zen­das e vá­ri­as ati­vi­da­des. O ne- gó­cio é di­ver­si­fi­ca­do, as fa­zen­das não ne­ces­sa­ri­a­men­te. Te­mos áre­as com so­ja, mi­lho, al­go­dão, eu­ca­lip­to. Para o aci­o­nis­ta, sim, há di­ver­si­fi­ca­ção. A nos­sa ló­gi­ca na com­pa­nhia é pen­sar que o in­ves­ti­dor tem que es­tar sem­pre me­lhor por com­prar ação na bol­sa do que com­prar a fa­zen­da ele mes­mo. Tem que ga­nhar mais sen­do nos­so aci­o­nis­ta do que sen­do fa­zen­dei­ro. Con­se­gui­mos fa­zer uma di­ver­si­fi­ca­ção mais efi­ci­en­te, de acor­do com o que é me­lhor para a re­gião. Vo­cês in­ves­tem na pe­cuá­ria? Te­mos uma fa­zen­da de pas­ta­gem, que preparamos, in­ves­ti­mos, que ti­nha um pou­co de cer­ra­do e pas­ta­gem de­gra­da­da na Bahia. Re­for­ma­mos a pas­ta­gem, au­men­ta­mos a área e ar­ren­da­mos. Ago­ra, es­ta­mos pe­gan­do aos poucos e trans­for­man­do a fa­zen­da em agri­cul­tu­ra. Por que não in­ves­tir na pe­cuá­ria? Não que não pos­sa­mos en­trar na pe­cuá­ria, mas o nos­so ne­gó­cio é a com­pra e ven­da de ter­ra. A pe­cuá­ria tem ou­tros con­tro­les e demandas que não sei até que pon­to se­ria in­te­res­san­te. Além dis­so, te­mos uma ofer­ta de gen­te in­te­res­sa­da em ar­ren­dar, en­tão, con­si­go ter pas­ta­gem e pre­pa­rar a ter­ra para agri­cul­tu­ra. Te­mos ren­ta­bi­li­da­de com ar­ren­da­men­to, o que nos deixa sa­tis­fei­tos. Vo­cês tra­ba­lham com áre­as ir­ri­ga­das ou atu­am su­jei­tos ao cli­ma co­mo a mai­o­ria dos agri­cul­to­res? Não te­mos áre­as ir­ri­ga­das. Se ob­ser­var o nos­so pró­prio re­sul­ta­do, vai ve­ri­fi­car que ti­ve­mos uma per­da de pro­du­ti­vi­da­de na Bahia, on­de ti­ve­mos se­ca. Te­mos que con­tor­nar com a di­ver­si­fi­ca­ção, que re­duz o ris­co. Mas es­se ris­co não se evi­ta, es­ta­mos su­jei­tos co­mo qual­quer agri­cul­tor. Dentro da com­pra e ven­da de fa­zen­das com a trans­for­ma­ção das áre­as de­gra­da­das em pro­du­ti­vas a Bra­si­lA­gro tem ob­ti­do bons re­sul­ta­dos? O nú­me­ro que me in­te­res­sa no fi­nal do dia é a ta­xa in­ter­na de re­tor­no. Co­lo­ca­mos no flu­xo tu­do o que foi gas­to, des­de a com­pra, o ad­vo­ga­do que fez o con­tra­to, os in­ves­ti­men­tos, o que foi pro­du­zi­do e por quan­to ven­di. A ta­xa in­ter­na de re­tor­no é ob­ti­da a par­tir de tu­do dis­so. Dentro de pro­je­tos que ven­de­mos es­te ano, por exem­plo, ti­ve­mos uma mé­dia de 23% a 24% de re­tor­no. Mas em quan­to tem­po? Te­mos pro­du­to de três anos, de se­te anos, o que para a gen­te é uma ta­xa de re­tor­no su­pe­rin­te­res­san­te. Quan­do pen­sa­mos em lu­cro, te­mos que ver o ca­pi­tal pos­to para ro­dar, não só o re­sul­ta­do, mas o ca­pi­tal. Um mi­lhão de re­ais é mui­to ou pou­co? De­pen­de. Se vo­cê in­ves­tir R$ 5 mi­lhões e ga­nhar R$ 1 mi­lhão, é bom. Mes­mo com lu­cro nos úl­ti­mos do­ze me­ses, as ações da Bra­si­lA­gro acu­mu­lam bai­xa de 3% es­te ano. É re­fle­xo do mau de­sem­pe­nho da bol­sa? O agro­ne­gó­cio é mal re­pre­sen­ta­do na Bol­sa. Exis­tem pou­cas no mer­ca­do de ca­pi­tais que vi­vem mo­men­to de mau hu­mor. O que fa­lou faz par­te. Te­mos uma com­pa­nhia jo­vem, pe­que­na para o mer­ca­do de ca­pi­tais, em­bo­ra gran­de para o agro­ne­gó­cio. Es­ta­mos cres­cen­do. Com o tem­po, o pre­ço da ação vai re­fle­tir me­lhor o va­lor das pro­pri­e­da­des.

Fo­tos/Di­vul­ga­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.