Im­pru­dên­cia é prin­ci­pal cau­sa de afo­ga­men­tos

Se­gun­do o Cor­po de Bom­bei­ros em Ma­rin­gá, em 80% das mor­tes por afo­ga­men­to em ri­os, re­pre­sas ou pis­ci­nas na re­gião há des­res­pei­to aos li­mi­tes

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Eder­son Hi­sing

O in­ver­no só ter­mi­na no pró­xi­mo dia 21, mas o ca­lor está in­ten­so. Com isso, o mo­vi­men­to em ri­os, re­pre­sas e pis­ci­nas co­me­ça a au­men­tar o mo­vi­men­to. A in­ten­ção é se di­ver­tir, com sol, be­bi­das, ami­gos ou pes­ca­ria, mas fi­ca o aler­ta que as ocor­rên­ci­as de afo­ga­men­tos e ou­tros aci­den­tes aquá­ti­cos têm au­men­ta­do.

De acor­do com da­dos do 5º Gru­pa­men­to do Cor­po de Bom­bei­ros, res­pon­sá­vel por Ma­rin­gá e re­gião, 80% dos afo­ga­men­tos de­cor­rem da im­pru­dên­cia. “To­do aci­den­te des­se ti­po, ge­ral­men­te é pre­ce­di­do de dois ou três atos im­pru­den­tes por par­te das pes­so­as, co­mo a in­ges­tão de be­bi­das al­coó­li­cas, o não uso de colete sal­va-vi­das, en­tra­das em lo­cais ina­pro­pri­a­dos”, diz ofi­ci­al de co­mu­ni­ca­ção do 5º Gru­pa­men­to, te­nen­te Ni­val­do do Rê­go.

No úl­ti­mo fim de se­ma­na, du­as pes­so­as mor­re­ram afo­ga­das na re­gião. Na ma­nhã do do­min­go, foi en­con­tra­do, em uma fa­zen­da na zo­na ru­ral de Itam­bé (a 41 km de Ma­rin­gá), o cor­po de Antônio Mar­cos Mo­li­na­ri Dias, 24 anos. Se­gun­do os bom­bei­ros, ele te­ve pro­ble­mas com uma re­de de pes­ca. Na ter­ça-fei­ra, os bom­bei­ros en­con­tra­ram o cor­po Alex Pes­ta­na, 34, em En­ge­nhei­ro Bel­trão (a 59 km de Ma­rin­gá). O fa­to ocor­reu no Rio da Vár­zea, na ma­dru­ga­da de sá­ba­do, tam­bém du­ran­te uma pes­ca­ria.

Da­dos do 5º Gru­pa­men­to dos Bom­bei­ros mos­tram que de ja­nei­ro a setembro de 2012, fo­ram re­gis­tra­das cin­co mor­tes por afo­ga­men­to, con­tra qu­a­tro no mes­mo pe­río­do de 2013. No ano pas­sa­do in­tei­ro fo­ram oi­to ca­sos. Mas, se­gun­do o ofi­ci­al de co­mu­ni­ca­ção, os nú­me­ros de­vem au­men­tar por­que o pe­río­do de mai­or in­ci­dên­cia de ca­sos é o ve­rão.

Na opi­nião do te­nen­te, mui­tas si­tu­a­ções po­de­ri­am ser evi­ta­das se as pes­so­as pen­sas­sem que os aci­den­tes nun­ca vão acon­te­cer com eles. “O ci­da­dão aca­ba acre­di­tan­do que po­de ven­cer qual­quer ti­po de obs­tá­cu­lo e na água não é bem as­sim”, ex­pli­ca. “É ne­ces­sá­rio es­tar preparado e se­guir al­gu­mas re­gras de cui­da­dos pes­so­ais, si­na­li­za­ção de em­bar­ca­ções e lo­cais ade­qua­dos”, ori­en­ta Rê­go, que con­si­de­ra os ri­os Ivaí e Pi­ra­pó os mais pe­ri­go­sos.

Por­to Ri­co

Um lo­cal bas­tan­te fre­quen­ta­do por mo­ra­do­res de Ma­rin­gá e re­gião nos fins de se­ma­na é o mu­ni­cí­pio de Por­to Ri­co (a 172 km Se a pes­soa ain­da es­ti­ver dentro da água to­me bas­tan­te cui­da­do para aju­dá-la a sair. Pri­mei­ro, li­gue para o Cor­po de Bom­bei­ros, de­pois pe­ça aju­da a al­guém que es­te­ja no lo­cal, se for pos­sí­vel. É re­co­men­dá­vel que quem es­ti­ver aju­dan­do não en­tre na água se for dar o bra­ço co­mo apoio, pois no de­ses­pe­ro os dois po­dem aca­bar se afo­gan­do. Pe­gue um pe­da­ço de ga­lho, uma cor­da ou ou­tro ob­je­to para aju­dar e que pos­sa ga­ran­tir a sua se­gu­ran­ça. de Ma­rin­gá), às mar­gens do Rio Pa­ra­ná. De acor­do com o te­nen­te, é uma re­gião po­bre, mas on­de fo­ram cons­truí­dos gran­des em­pre­en­di­men­tos imo­bi­liá­ri­os. “Lá tem mo­vi­men­to du­ran­te to­do o ano e re­gis­tra­mos di­ver­sas si­tu­a­ções de afo­ga­men­tos e aci­den­tes com bar­cos”, afir­ma.

Do fi­nal do ano até o car­na­val é re­a­li­za­da “Ope­ra­ção Ve­rão Cos­ta No­ro­es­te”, nos mol­des da que acon­te­ce no li­to­ral do Es­ta­do. “Du­ran­te o ano, nos­sa equi­pe de Pa­ra­na­vaí dá to­da a as­sis- dan­do um ta­pa no om­bro e ven­do se a ví­ti­ma res­pon­de. Ca­so ela não res­pon­da, co­me­ce ime­di­a­ta­men­te a mas­sa­gem car­día­ca, com­pri­min­do o tó­rax e fa­zen­do res­pi­ra­ção bo­ca a bo­ca. Fa­ça uma sequên­cia de 30 com­pres­sões e du­as ven­ti­la­ções pe­la bo­ca até ter al­gu­ma re­a­ção por par­te da pes­soa. Com cri­an­ças de ida­de prées­co­lar para ci­ma, o tra­ta­men­to é o mes­mo do que o fei­to em um adul­to. No ca­so dos be­bês é im­por­tan­te ter a no­ção de que a ví­ti­ma é mui­to mais frá­gil e as com­pres­sões de­vem ser mais le­ves e as ven­ti­la­ções mais fra­cas, em de­cor­rên­cia do pul­mão ser me­nor. tên­cia à po­pu­la­ção. Em al­ta tem­po­ra­da, a gen­te re­for­ça a equi­pe e en­via mais em­bar­ca­ções e equi­pa­men­tos”, con­ta. Ele diz ain­da que Por­to São Jo­sé e Por­to Ma­rin­gá tam­bém re­ce­bem bas­tan­te pes­so­as da re­gião.

Aci­den­tes do­més­ti­cos

Se­gun­do o ofi­ci­al de co­mu­ni­ca­ção do 5º GB, di­ver­sas ocor­rên­ci­as en­vol­ven­do a imer­são em água acon­te­cem em re­si­dên­ci­as ou pro­pri­e­da­des ru­rais. A fim de evi­tar isso, ele re­co­men­da aten- ção re­do­bra­da, prin­ci­pal­men­te com as cri­an­ças. “Já ti­ve­mos até ca­sos de afo­ga­men­to em bal­des e tan­ques, por isso to­do cui­da­do é pou­co”, ob­ser­va.

Fis­ca­li­za­ção

Con­for­me o ca­pi­tão Lu­ci­a­no Bus­ki, co­man­dan­te da 3ª Com­pa­nhia de Po­lí­cia Am­bi­en­tal em Ma­rin­gá, as fis­ca­li­za­ções nos ri­os da re­gião ocor­rem diariamente, sen­do que o fo­co das ope­ra­ções tem si­do o com­ba­te à pes­ca pre­da­tó­ria e a ten­ta­ti­va de evi­tar o con­tra­ban­do. “Es­ta­mos tam­bém sem­pre aten­tos com os ca­sos de agres­são ao meio am­bi­en­te e quan­do abor­da­mos pes­so­as em em­bar­ca­ções ve­ri­fi­ca­mos a do­cu­men­ta­ção, si­tu­a­ção e itens obri­ga­tó­ri­os co­mo os co­le­tes sal­va-vi­das”, in­di­ca.

As fis­ca­li­za­ções de­vem ser in­ten­si­fi­ca­das e re­cen­te­men­te a Com­pa­nhia re­ce­beu uma no­va em­bar­ca­ção para re­for­çar o po­li­ci­a­men­to. “Pe­ço para que pro­cu­rem a Po­lí­cia Am­bi­en­tal para ti­rar dú­vi­das quan­to ao que po­de e o que não po­de fa­zer nos ri­os.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.