Mem­bros ne­gam alu­ci­na­ção

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES -

Mais de 50 po­vos in­dí­ge­nas e pe­lo me­nos três re­li­giões bra­si­lei­ras uti­li­zam a Ayahu­as­ca em seus ri­tu­ais. Há du­as dé­ca­das, pes­qui­sa­do­res de di­ver­sas uni­ver­si­da­des se de­bru­çam para ten­tar res­pon­der se o uso da be­bi­da se­ria be­né­fi­co ou ma­lé­fi­co para o or­ga­nis­mo. Um dos mai­o­res es­pe­ci­a­lis­tas no as­sun­to no Bra­sil é psi­qui­a­tra Jai­me Hal­lak, pro­fes­sor da Fa­cul­da­de de Me­di­ci­na da Uni­ver­si­da­de de São Pau­lo (USP) em Ri­bei­rão Pre­to, on­de co­or­de­na um cen­tro de pes­qui­sa so­bre o te­ma. Em en­tre­vis­ta ao por­tal UOL, ele diz que o que exis­te de con­cre­to até o mo­men­to são es­tu­dos pre­li­mi­na­res que evi­den­ci­am al­guns be­ne­fí­ci­os à saú­de, es­pe­ci­al­men­te co­mo an­ti­de­pres­si­vo a an­si­o­lí­ti­co (di­mi­nuir a an­si­e­da­de), e no tra­ta­men­to de de­pen­den­tes quí­mi­cos.

Os es­pe­ci­a­lis­tas, no en­tan­to, cri­ti­cam o uso da be­bi­da de for­ma de­li­be­ra­da. “Co­mo não exis­tem pes­qui­sas so­bre o uso em or­ga­nis­mos em for­ma­ção, a be­bi­da é con­train­di­ca­da para cri­an­ças e grá­vi­das”, fa­la a psi­có­lo­ga Su­ely Mi­zo­mo­to, au­to­ra de uma dis­ser­ta­ção so­bre o as­sun­to na USP. Ou­tros es­tu­dos con­de­nam a Ayahu­as­ca para pes­so­as com trans­tor­nos psi­quiá­tri­cos, hi­per­ten­sos e car­día­cos, pois a be­bi­da cau­sa um le­ve au­men­to na pres­são ar­te­ri­al.

A subs­tân­cia cos­tu­ma tam­bém cau­sar náu­se­as, vô­mi­tos e até di­ar­reia na pri­mei­ra vez que é uti­li­za­da. Por con­ta des­ses sin­to­mas, o psi­qui­a­tra Arthur Guer­ra aler­ta os usuá­ri­os. “São ne­ces­sá­ri­os mais es­tu­dos para que pos­sa­mos com­pre­en­der seus efei­tos na saú­de em lon­go pra­zo”.

Para a psi­có­lo­ga, a Ayahu­as­ca não po­de ser con­si­de­ra­da uma dro­ga alu­ci­nó­ge­na. “Ela não cau­sa de­pen­dên­cia e nem vi­sões. É uma subs­tân­cia de in­te­ri­o­ri­za­ção, ex­pan­são da cons­ci­ên­cia”. Ela es­tu­dou um grupo de pes­so­as que uti­li­za­va a be­bi­da com frequên­cia e cons­ta­tou que a be­bi­da au­xi­li­ou na ex­pe­ri­ên­cia de cu­ra es­pi­ri­tu­al, cau­san­do mu­dan­ças no es­ti­lo de vi­da dos usuá­ri­os. “A rup­tu­ra de ve­lhos pa­drões, com a ado­ção de ou­tros no­vos e sau­dá­veis, cau­sou re­fle­xo no com­ba­te ao ris­co de de­pen­dên­ci­as da ni­co­ti­na, ál­co­ol, ma­co­nha e co­caí­na”.

Na es­fe­ra da afe­ti­vi­da­de, a Ayahu­as­ca, se­gun­do Su­ely, ser­viu co­mo uma es­pé­cie de an­ti­de­pres­si­vo, ou co­mo a psi­có­lo­ga con­ta, “aque­les que fa­zi­am par­te dos ri­tu­ais di­zi­am ter os pe­río­dos lon­gos de tris­te­za ca­da vez me­no­res e mais ra­ros, co­mo se a Ayahu­as­ca fos­se equi­va­len­te a um ‘ba­nho de se­ro­to­ni­na’”.

Para Su­ely, a subs­tân­cia só po­de ser es­tu­da­da dentro do con­tex­to re­li­gi­o­so. “A be­bi­da é ape­nas um dos ins­tru­men­tos uti­li­za­dos nes­te pro­ces­so, pois é pre­ci­so con­si­de­rar tam­bém a in­ser­ção do in­di­ví­duo no grupo, e o apoio que ele­re­ce­be­nes­se­meio”. “O San­to Dai­me cris­ti­a­ni­zou a be­bi­da dos in­dí­ge­nas”, ex­pli­ca um dos in­te­gran­tes do grupo Céu de San­ta Fé, An­der­son Au­gus­to Mes­sa. No sí­tio foi cons­truí­da uma igre­ja, que é fre­quen­ta­da por cer­ca de 25 pes­so­as, sen­do a mai­o­ria de Ma­rin­gá.

Con­for­me a dou­tri­na, Mes­tre Iri­neu, fun­da­dor da re­li­gião, te­ria ex­pe­ri­men­ta­do a be­bi­da com in­dí­ge­nas pe­ru­a­nos, e após ter re­ce­bi­do ori­en­ta­ções da Virgem Ma­ria, in­cre­men­tou ele­men­tos do ca­to­li­cis­mo, co­mo a de­vo­ção aos santos, da Um­ban­da, Es­pi­ri­tis­mo­e­cul­tu­rain­dí­ge­na.

Mes­sa afir­ma que a Ayahu­as­ca não é alu­ci­nó­ge­na. “Nin­guém vê ou ou­ve coi­sas. A be­bi­da é sa­gra­da pois pro­pi­cia um en­con­tro com o nos­so sub­cons­ci­en­te, le­van­do a um au­to­co­nhe­ci­men­to”. Os in­te­gran­tes res­sal­tam que a be­bi­da é en­teó­ge­na (do gre­go “in­te­ri­o­ri­za­ção di­vi­na”). “Ela fa­ci­li­ta um es­ta­do pro­fun­do de me­di­ta­ção, in­te­ri­o­ri­za­ção. Por meio de­la é pos­sí­vel co­nhe­cer nos­sos mai­o­res de­fei­tos e qua­li­da­des”.

O es­tu­dan­te res­sal­ta que a be­bi­da não vi­cia. “Ela só po­de ser con­su­mi­da du­ran­te os ri­tu­ais, que ocor­rem se­ma­nal­men­te, e mes­mo as­sim em pe­que­nas quan­ti­da­des, cer­ca de 50 ml. O gos­to é tão amar­go, que nin­guém tem von­ta­de de re­pe­tir a do­se”, afir­ma.

Os en­con­tros do San­to Dai­me são for­te­men­te mar­ca­dos pe­la mú­si­ca, com can­tos e ins­tru­men­tos mu­si­cais, co­mo vi­o­lão, flau­tas e ma­ra­cás (uma es­pé­cie de cho­ca­lho). Exis­tem os ri­tu­ais on­de são per­mi­ti­dos ini­ci­an­tes, e os cha­ma­dos “tra­ba­lhos de cu­ra” e “bai­la­dos”, es­tes úl­ti­mos cos­tu­mam du­rar até 12 ho­ras.

Se­gun­do Mes­sa, é co­mum os ini­ci­an­tes pas­sa­rem mal na pri­mei­ra vez que con­so­mem o chá. “Al­guns vo­mi­tam, têm di­ar­reia, ou­tros cho­ram, é um pro­ces­so de pu­ri­fi­ca­ção. Mas sem­pre há os ir­mãos mais ex­pe­ri­en­tes para aju­dar nes­tes mo­men­tos. Nas ve­zes sub­se­quen­tes há ape­nas a me­di­ta­ção”.

Os ri­tu­ais aber­tos aos ini­ci­an­tes acon­te­cem to­dos os dias 15 e 30 de ca­da mês e du­ram apro­xi­ma­da­men­te qu­a­tro ho­ras. “Os en­con­tros são aber­tos e gra­tui­tos. Bas­ta nos avi­sar com an­te­ce­dên­cia, pois é ne­ces­sá­rio uma en­tre­vis­ta pré­via”, aler­ta Mes­sa.

Mem­bro do grupo Céu de San­ta Fé mos­tra eta­pa do pre­pa­ro da be­bi­da: dis­tri­bui­ção para o Bra­sil e EUA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.