Tec­no­lo­gia se trans­for­ma em bra­ço di­rei­to dos de­te­ti­ves

Es­tra­té­gia de per­se­gui­ção ocul­ta e má­qui­na fo­to­grá­fi­ca é coi­sa do pas­sa­do. Ago­ra, os pro­fis­si­o­nais usam um va­ri­a­do apa­ra­to ele­trô­ni­co para des­ven­dar os ca­sos

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Le­o­nar­do Fi­lho

le­o­nar­do­fi­lho@odi­a­rio.com Bo­nés, com câ­me­ras mi­cros­có­pi­cas, ca­pa­zes de gra­var ima­gens com uma ni­ti­dez im­pres­si­o­nan­te. Bo­tões de ca­mi­sa, dis­far­ça­dos de olho ele­trô­ni­co. Ócu­los de sol, que cap­tam e trans­mi­tem ima­gens em tem­po re­al. Trans­mis­so­res e rá­di­os gra­va­do­res. To­da es­sa pa­ra­fer­ná­lia tec­no­ló­gi­ca, in­te­gra o apa­ra­to das fer­ra­men­tas de tra­ba­lho do de­te­ti­ve pro­fis­si­o­nal.

De for­ma dis­cre­ta, eles es­tão por to­dos os la­dos, in­ves­ti­gan­do as mais di­ver­sas si­tu­a­ções. De pro­ble­mas con­ju­gais a con­tra­es­pi­o­na­gem co­mer­ci­al, o uni­ver­so dos de­te­ti­ves é com­pos­to por uma ro­ti­na agi­ta­da. As his­tó­ri­as e os mo­ti­vos que le­vam uma pes­soa a pro­cu­rar um pro­fis­si­o­nal do gê­ne­ro são os mais va­ri­a­dos. Há até si­tu­a­ções, on­de o so­gro des­con­fia do pre­ten­den­te da fi­lha e con­tra­ta um de­te­ti­ve para sa­ber se o ra­paz está com bo­as in­ten­ções e di­zen­do a ver­da­de à mo­ça.

“Já aten­di vá­ri­os ca­sos des­ta na­tu­re­za. Ul­ti­ma­men­te, te­nho si­do re­qui­si­ta­do por mui­tas em­pre­sas, que des­con­fi­am de fun­ci­o­ná­ri­os, e por pais, com sus­pei­tas de os fi­lhos es­ta­rem en­vol­vi­dos com o mun­do das dro­gas”, des­ta­ca o de­te­ti­ve par­ti­cu­lar Pe­dro Guithi. Com a ex­pe­ri­ên­cia acu­mu­la­da em mais de trin­ta anos de ati­vi­da­de, o pro­fis­si­o­nal, já foi po­li­ci­al mi­li­tar, co­mis­sá­rio de me­no­res e, hoje, é o delegado da cen­tral úni­ca fe­de­ral dos de­te­ti­ves. De acor­do com ele, os ris­cos da pro­fis­são são cons­tan­tes. “Re­cen­te­men­te, meu car­ro foi atin­gi­do por ti­ros. São si­tu­a­ções que fa­zem par­te da pro­fis­são”, res­sal­ta.

Na área co­mer­ci­al, a empresa que con­tra­ta um de­te­ti­ve, ge­ral­men­te, quer sa­ber se o fun­ci­o­ná­rio “pres­ta ser­vi­ço” para a con­cor­rên­cia. “Exis­tem si­tu­a­ções, on­de o fun­ci­o­ná­rio in­ves­ti­ga­do, além de pas­sar as in­for­ma­ções de ro­ti­na de uma empresa para ou­tra, pre­ju­di­ca, in­ter­na- men­te, o am­bi­en­te de tra­ba­lho, on­de ele está em­pre­ga­do. Isso, é co­mum e os fla­gran­tes são fa­ci­li­ta­dos, por­que há o au­xí­lio e o in­te­res­se do­no da empresa es­pi­o­na­da”, de­cla­ra.

Ou­tra gran­de ali­a­da dos pro­fis­si­o­nais da área, de acor­do com o de­te­ti­ve, é a in­ter­net. Pe­la re­de mundial de com­pu­ta­do­res, é pos- sí­vel des­co­brir in­for­ma­ções vi­tais so­bre os in­ves­ti­ga­dos. “Qua­se to­do mun­do deixa al­gum ti­po de ras­tro na in­ter­net e, isso, au­xi­lia o nos­so tra­ba­lho”, fri­sa Guithi.

Pro­cu­ra

Se­gun­do o de­te­ti­ve Eduardo Vi­ei­ra, que co­man­da uma equi­pe com­pos­ta por três pro­fis­si­o­nais, em tor­no de 70% da de­man­da de tra­ba­lho são de ca­sos con­ju­gais e em­pre­sa­ri­ais. O res­tan­te se di­vi­de em lo­ca­li­za­ção de veí­cu­los, pais que que­rem des­co­brir se o fi­lho é usuá­rio de dro­gas e ou­tros ca­sos pon­tu­ais.

“Fe­liz­men­te, te­mos mui­to tra­ba­lho. E o nos­so su­ces­so está, di­re­ta­men­te, li­ga­do ao uso de re­cur- sos tec­no­ló­gi­cos. Hoje, no mer­ca­do, há inú­me­ras op­ções. Aque­la in­ves­ti­ga­ção sim­ples de per­se­gui­ção e câ­me­ra fo­to­grá­fi­ca, já não é mais tão efi­ci­en­te”, co­men­ta Vi­ei­ra. Na opi­nião de­le, os ris­cos exis­tem, mas na­da que afe­te a ro­ti­na de tra­ba­lho. “É uma pro­fis­são pe­ri­go­sa, mas na­da que me im­pe­ça de tra­ba­lhar”, fri­sa.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.