Vai dar pei­xe

Cri­a­ção do Po­lo de Pis­ci­cul­tu­ra da Re­gião No­ro­es­te do Pa­ra­ná e inau­gu­ra­ção, no mês que vem, de um aba­te­dou­ro, dão no­vo fô­le­go ao se­tor, que tem es­pa­ço para cres­cer

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Eder­son Hi­simg

“Sou pis­ci­cul­tor, mas dei uma pausa por­que não tem in­cen­ti­vo. Es­tou tor­cen­do para que dê cer­to es­se pro­je­to e eu vol­te à ati­vi­da­de.” A ex­pec­ta­ti­va é do pro­du­tor ru­ral Os­val­do Te­so­rin, 61 anos, que par­ti­ci­pou de um en­con­tro com ou­tros 50 in­te­res­sa­dos no pro­je­to de for­ma­ção do Po­lo de Pis­ci­cul­tu­ra da Re­gião No­ro­es­te

do Pa­ra­ná.

A cri­a­ção do po­lo pre­vê o en­vol­vi­men­to de, no mí­ni­mo, 200 pis­ci­cul­to­res oriun­dos das 30 ci­da­des in­te­gran­tes da Amu­sep, on­de di­ver­sas reu­niões já ocor­re­ram. “A ade­são tem si­do mui­to boa e já pre­ten­de­mos do­brar o nú­me­ro de par­ti­ci­pan­tes”, re­ve­la o en­ge­nhei­ro agrô­no­mo da Ema­ter Jo­sé Sér­gio Righetti, es­pe­ci­a­li­za­do em Pis­ci­cul­tu­ra. A re­gião pro­duz anu­al­men­te um mé­dia 1,2 mil to­ne­la­da de ti­lá­pia, es­pé­cie que apre­sen­ta al­tos ín­di­ces de cres­ci­men­to e acei­ta­ção no mer­ca­do em ra­zão das bai­xas ta­xas de gor­du­ra.

Se­gun­do Righetti, o no­ro­es­te do Pa­ra­ná está preparado para abri­gar uma ca­deia pro­du­ti­va de pei­xes por con­tar com os re­cur­sos na­tu­rais ne­ces­sá­ri­os para a pro­du­ção, fá­bri­cas de ra­ções, po­ten­ci­al de mer­ca­do, as­so­ci­a­ções cons­ti- tuí­das – a exem­plo da As­so­ci­a­ção dos Pis­ci­cul­to­res do Nor­te do Pa­ra­ná (Nor­pei­xe) –, além de ser um po­lo de co­nhe­ci­men­to, com o cur­so de Zo­o­tec­nia, na Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al de Ma­rin­gá (UEM), que po­de ga­ran­tir for­ma­ção de as­sis­tên­cia téc­ni­ca de qua­li­da­de.

“Até hoje nin­guém ha­via ar­ti­cu­la­do o de­sen­vol­vi­men­to da ati­vi­da­de. Es­se é o mo­men­to de in­ves­tir”, des­ta­ca Righetti. O pro­je­to está na eta­pa de apre­sen­ta­ção em to­das as ci­da­des da Amu­sep. Após isso,se­rá­re­a­li­za­da­a­son­da­gem­téc­ni­ca das pro­pri­e­da­des dos in­te­res­sa­dos, prin­ci­pal­men­te por con­ta das exi­gên­ci­as do Ins­ti­tu­to Am­bi­en­tal do Pa­ra­ná (IAP) que, de acor- do com a ges­to­ra e fis­cal em Ma­rin­gá, Ma­ria Antô­nia Bar­ros Frei­re, tem fa­ci­li­ta­do o li­cen­ci­a­men­to pa­ra­pe­que­nos­pro­du­to­res.

O in­ves­ti­men­to ini­ci­al para quem já pos­sui a pro­pri­e­da­de ru­ral gi­ra em tor­no de R$ 40 mil a 70 mil, de­pen­den­do das con­di­ções da área, para um hec­ta­re de lâ­mi­na d’água, com pos­si­bi­li­da­de de fi­nan­ci­a­men­to na Cai­xa Econô­mi­ca Fe­de­ral e Ban­co do Bra­sil. “O go­ver­no es­ta­du­al já si­na­li­zou a pos­si­bi­li­da­de de apoio à ati­vi­da­de, além das pos­si­bi­li­da­des do Pla­no Sa­fra da Pes­ca, do go­ver­no fe­de­ral”, afir­ma Ma­ria Antô­nia. “É bom lem­brar que é um ne­gó­cio, por­tan­to, o pro­du­tor tem que sa­ber que vai pre­ci­sar in­ves­tir”, des­ta­ca Righeti.

Con­for­me o en­ge­nhei­ro de pes­ca e con­sul­tor da Nor­pei­xe, Cle­ver­son Luiz de Oli­vei­ra, 50% dos pei­xes con­su­mi­dos em Ma­rin­gá e re­gião vêm do Oes­te do Pa­ra­ná. “Isso mos­tra que te­mos es­pa­ço para a co­mer­ci­a­li­za­ção”, ex­pli­ca. “Além dis­so, exis­te a pos­si­bi­li­da­de de in­te­gra­ção da pro­du­ção em um fri­go­rí­fi­co de pei­xes cri­a­do pe­los pró­pri­os pis­ci­cul­to­res. Nos­sa in­ten­ção é ala­van­car o pro­je­to para que se­ja pos­sí­vel a cons­tru­ção des­se aba­te­dou­ro, mas, por en­quan­to, te­mos al­gu­mas opor­tu­ni­da­des na re­gião.”

Uma das al­ter­na­ti­vas é o fri­go­rí­fi­co de pei­xes em Mandaguaçu (a 20 km de Ma­rin­gá), que de­ve ser inau­gu­ra­do no pró­xi­mo mês. Se­gun­do o pro­pri­e­tá­rio e pis­ci­cul­tor, Ro­gé­rio Bus­so­lin, 38, o lo­cal te­rá ca­pa­ci­da­de para aba­ter 30 to­ne­la­das/dia. Quan­to ao sis­te­ma de in­te­gra­ção, o pro­du­tor te­ria o for­ne­ci­men­to dos ale­vi­nos (fi­lho­tes de pei­xes), da ra­ção e o re­co­lhi­men­to do pro­du­to na pro­pri­e­da­de, nos mol­des da avi­cul­tu­ra. “A gen­te tem gran­des ex­pec­ta­ti­vas com a pis­ci­cul­tu­ra na re­gião”, ga­ran­te. Ou­tra pos­si­bi­li­da­de de in­te­gra­ção exis­ten­te está em Ro­lân­dia, on­de um fri­go­rí­fi­co de pei­xes já está em fun­ci­o­na­men­to com a mes­ma­ca­pa­ci­da­de­de­a­ba­te.

De acor­do com o en­ge­nhei­ro de pes­ca, a ex­pec­ta­ti­va de ge­ra­ção de em­pre­gos em Ma­rin­gá e re­gião na fa­se ini­ci­al do po­lo é de 720 di­re­tos e 2.160 in­di­re­tos. “En­tre ou­tros re­sul­ta­dos, es­pe­ra­mos que, com isso, pos­sa­mos fi­xar es­sas pes­so­as na área ru­ral, sem con­tar a pro­du­ção de ali­men­tos com pro­teí­nas de al­ta qua­li­da­de, ga­ran­tin­do mais se­gu­ran­ça ali­men­tar para a po­pu­la­ção re­gi­o­nal.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.