Ja­bu­tis na pol­tro­na

LI­TE­RA­TU­RA PAPO Ma­rin­ga­en­se Os­car Na­ka­sa­to e ca­ri­o­ca Sesc, nes­ta 2ª, so­bre li­te­ra­tu­ra; am­bos fo­ram ra­di­ca­do em Curitiba Jo­sé Cas­tel­lo fa­lam no ven­ce­do­res do pres­ti­gi­a­do Prê­mio Ja­bu­ti

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Ariá­diny Ri­nal­di

ari­a­diny@odi­a­rio.com O bra­si­lei­ro lê, em mé­dia, pou­co mais do que um li­vro por ano, foi o que re­ve­la­ram os nú­me­ros da pes­qui­sa Retratos da Lei­tu­ra no Bra­sil, do Ins­ti­tu­to Pró-Li­vro. Ape­nas 50% da po­pu­la­ção bra­si­lei­ra aci­ma de cin­co anos po­de ser con­si­de­ra­da lei­to­ra. O mer­ca­do edi­to­ri­al, con­tu­do, pas­sa por uma gran­de trans­for­ma­ção e os even­tos li­te­rá­ri­os se mul­ti­pli­cam pe­lo País. É so­bre es­se atu­al ce­ná­rio min­gua­do de lei­to­res bra­si­lei­ros que os ven­ce­do­res do prê­mio Ja­bu­ti, o es­cri­tor ma­rin­ga­en­se Os­car Na­ka­sa­to (“Ni­nhon­jin”, 2012) e o es­cri­tor, jor­na­lis­ta e crí­ti­co li­te­rá­rio Jo­sé Cas­tel­lo (“Ri­ba­mar”, 2011), dis­cu­tem na me­sa “Ja­bu­tis na pol­tro­na, on­de está o lei­tor?” O en­con­tro mar­ca a es­treia da Se­ma­na Li­te­rá­ria do Sesc des­te ano, que tem iní­cio nes­te se­gun­da e se­gue até sex­ta-fei­ra, na ci­da­de.

Nas­ci­do no Rio de Ja­nei­ro, em 1951, o es­cri­tor Jo­sé Cas­tel­lo tem tra­je­tó­ria de vin­te anos na im­pren­sa bra­si­lei­ra. Pas­sou pe­las re­da­ções de Ve­ja, Is­toÉ e Jor­nal do Bra­sil. Mes­tre em Co­mu­ni­ca­ção Li­te­rá­ria e, atu­al­men­te, co­lu­nis­ta do su­ple­men­to Prosa & Ver­so do jor­nal ca­ri­o­ca O Glo­bo, man­tém o blog “A li­te­ra­tu­ra na pol­tro­na” e faz crí­ti­ca li­te­rá­ria re­gu­lar- men­te para o jor­nal cu­ri­ti­ba­no Ras­cu­nho.

Cas­tel­lo é au­tor de vá­ri­os li­vros: “Sá­ba­dos In­qui­e­tos” (Leya, 2013), reu­nião de mais de cem co­lu­nas pu­bli­ca­das no O Glo­bo, “Ri­ba­mar”(Ber­trand Bra­sil, 2010), ven­ce­dor do prê­mio Ja­bu­ti na ca­te­go­ria de me­lhor ro­man­ce de 2011; o ro­man­ce“Fan­tas­ma” (Re­cord, 2001), men­ção hon­ro­sa do Prê­mio Ca­sa de Las Amé­ri­cas (Cu­ba), além das bi­o­gra­fi­as “João Ca­bral de Me­lo Ne­to: O Ho­mem Sem Al­ma”(Roc­co, 1996) e “Vi­ní­cius de Mo­ra­es: O Po­e­ta da Pai­xão” (Com­pa­nhia das Le­tras, 1993). Em en­tre­vis­ta, con­ce­di­da à re­pór­ter no apar­ta­men­to em que mo­ra em Curitiba des­de 1994, o es­cri­tor con­ta so­bre as idei­as que está ten­do para o pró­xi­mo li­vro, ci­ta João Gil­ber­to Noll co­mo o mais im­por­tan­te pro­sa­dor bra­si­lei­ro con­tem­po­râ­neo e diz que pre­fe­re clas­si­fi­car seu tra­ba­lho de crí­ti­co co­mo “re­la­tos ín­ti­mos de vi­a­gem”, em vez de crí­ti­ca li­te­rá­ria. Di­fe­ren­te­men­te de ou­tros crí­ti­cos li­te­rá­ri­os, o se­nhor cos­tu­ma co­lo­car im­pres­sões pes­so­ais nos tex­tos que es­cre­ve, por quê? Te­nho co­mo po­lí­ti­ca não jul­gar li­vros. Leio um li­vro e re­la­to para o lei­tor co­mo foi fa­zer aque­la vi­a­gem pe­la his­tó­ria. Es­cre­vo a res­pei­to das mi­nhas im­pres- sões, dos pen­sa­men­tos que a lei­tu­ra me des­per­tou, das as­so­ci­a­ções que me mo­ti­vou a fa­zer e dos li­vros que me le­vou a re­ler, da­qui­lo que foi mais in­te­res­san­te. Por exem­plo, ago­ra es­tou len­do o li­vro do Lu­ci­a­no Tri­go, “Mo­ti­vo”. Tem vá­ri­os po­e­mas que não me in­te­res­sam que pu­lo, não mar­co na­da. Está tra­ba­lhan­do em um no­vo li­vro? Es­tou ras­cu­nhan­do de uma for­ma bem lou­ca, há vá­ri­os anos, ou­tro ro­man­ce. Ele sur­giu em Lis­boa, num dia em que eu es­ta­va tris­te, por uma sé­rie de mo­ti­vos, e quan­do, an­dan­do pe­la ci­da­de, pa­rei no Jar­dim das Amo- rei­ras, uma pra­ça de bair­ro per­to do la­go, mui­to bo­ni­ti­nha, sim­pá­ti­ca, tem um aque­du­to que pas­sa do la­do. Me sen­tei num ban­co ve­lho, roí­do e o cha­mei de “meu ban­co”. A his­tó­ria que es­tou es­cre­ven­do é so­bre um crí­ti­co que es­cre­veu uma crí­ti­ca mui­to du­ra so­bre a obra de um au­tor jo­vem e es­se au­tor se sui­ci­dou de de­ses­pe­ro. Es­se crí­ti­co está sen­ta­do nes­se ban­co do Jar­dim das Amo­rei­ras, sem co­ra­gem de vol­tar para o Bra­sil e sem sa­ber o que faz da vi­da. Por en­quan­to, o li­vro se cha­ma o “Jar­dim das Amo­rei­ras”, mas po­de mu­dar com­ple­ta­men­te. Es­tou doi­do para ir a Lis­boa no­va­men­te ago­ra em ou­tu­bro. Que­ro fi­car uns três dias sen­ta­do nes­se ban­co, o que po­de pa­re­cer to­tal ma­lu­qui­ce mi­nha, e es­pe­ro que não cho­va. Vo­cê acre­di­ta em ins­pi­ra­ção? Não acre­di­to em ins­pi­ra­ção, por­que pa­re­ce que é uma coi­sa que vem de fo­ra, que se ins­pi­ra. Acre­di­to mais em ex­pi­ra­ção, em bo­tar para fo­ra o que tem dentro. Mas isso le­va tem­po, exi­ge si­lên­cio, me­di­ta­ção. Por exem­plo, al­go que está im­pres­si­o­nan­do mui­to é que em fren­te a es­se ban­co há uma ár­vo­re on­de mo­ra uma fa­mí­lia de ca­mun­don­gos. Gran­de par­te da mi­nha ob­ser­va­ção ali é a vi­da des­ses ra­tos. É ri­dí­cu­lo fa­lar isso. Os ca­mun­don­gos es­tão me ins­pi­ran­do? Não. Tem al­gu­ma coi­sa sain­do de mim para es­ses ca­mun­don­gos. Já pen­sei que es­se crí­ti­co é al­guém mi­se­rá­vel, que se sen­te um ra­to por ter fei­to o que fez ou en­tão, que está mui­to mal ves­ti­do. Tal­vez, ele se­ja um men­di­go. Que li­vro de ou­tro au­tor te cau­sa in­ve­ja? Os li­vros do Noll [João Gil­ber­to Noll]. Acho ele é o mais im­por­tan­te pro­sa­dor bra­si­lei­ro con­tem­po­râ­neo. Um gê­nio. Tu­do o que es­cre­ve é vis­ce­ral. É um ca­ra que faz li­te­ra­tu­ra com san­gue, uma li­te­ra­tu­ra de vi­da ou mor­te. Ele so­fre mui­to pre­con­cei­to por cau­sa das te­má­ti­cas gays e por cau­sa da te­má­ti­ca se­xu­al. Ele em de­fi­ni­ti­vo não é o gaú­cho tí­pi­co que es­cre­ve so­bre os pam­pas e as fa­mí­li­as ri­cas e a lu­ta far­rou­pi­lha. O li­vro “Lord” tem uma his­tó­ria lin­da so­bre um es­cri­tor que fi­ca va­gan­do pe­las ru­as de Lon- dres. Es­se li­vro des­cre­ve de um mo­do mui­to bonito es­sa con­di­ção atu­al do es­cri­tor co­mo um an­da­ri­lho, um ser meio per­di­do no mun­do, car­re­ga­do por for­ças que des­co­nhe­ce, sem sa­ber o que es­pe­ram de­le, sem sa­ber se o que está di­zen­do é in­te­res­san­te ou não, sem sa­ber se ele está aju­dan­do ou atra­pa­lhan­do, se está se re­pe­tin­do. Mui­tos es­cri­to­res es­tão can­sa­dos des­sa vi­da de mer­ca­do­res li­te­rá­ri­os. E vo­cê está ? É uma coi­sa mui­to boa par­ti­ci­par de even­tos e isso tem aju­da­do mui­tos es­cri­to­res fi­nan­cei­ra­men­te, mas é uma vi­da exaus­ti­va. Eu me es­tres­so nas vi­a­gens que fa­ço. To­dos os lu­ga­res são mui­to chei­os, as pes­so­as que­rem ser gen­tis com vo­cê, en­tão, te le­vam para al­mo­çar, para jan­tar, para co­nhe­cer tal lu­gar ou fu­la­no. Dá uma an­gús­tia quan­do vo­cê co­me­ça a achar que está fa­lan­do sem­pre a mes­ma coi­sa, até por­que não tem tan­ta coi­sa ori­gi­nal as­sim para di­zer, nin­guém­tem.

Di­vul­ga­ção

Cas­tel­lo, Ja­bu­ti em 2011 por “Ri­ba­mar”: es­cre­ven­do ago­ra his­tó­ria de crí­ti­co que le­va au­tor a sui­cí­dio

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.