Em bus­ca do lei­tor per­di­do

Ven­ce­dor do Prê­mio Ja­bu­ti 2013 com seu li­vro de es­treia “Nihon­jin”, Os­car Na­ka­sa­to par­ti­ci­pa nes­ta 2ª de ba­te-papo, com Jo­sé Cas­tel­lo, so­bre li­te­ra­tu­ra e bus­ca pe­lo lei­tor

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Ariá­diny Ri­nal­di

ari­a­diny@odi­a­rio.com

Ao la­do do es­cri­tor , jor­na­lis­ta e crí­ti­co li­te­rá­rio Jo­sé Cas­tel­lo, o ma­rin­ga­en­se Os­car Na­ka­sa­to, par­ti­ci­pa da me­sa-re­don­da “Ja­bu­tis na pol­tro­na, on­de está o lei­tor?”, nes­ta se­gun­da-fei­ra. O en­con­tro abre a pro­gra­ma­ção, vol­ta­da para o público adul­to, da Se­ma­na Li­te­rá­ria do Sesc, que se­gue até sex­ta-fei­ra.

“Nihon­jin”, li­vro de es­treia de Os­car Na­ka­sa­to foi pu­bli­ca­do pe­la edi­to­ra Sa­rai­va em 2011, de­pois de ter su­pe­ra­do qua­se dois mil ori­gi­nais ins­cri­tos no Prê­mio Ben­vi­rá de Li­te­ra­tu­ra. No ano pas­sa­do, a obra, que faz um pai­nel da imi­gra­ção ja­po­ne­sa no Bra­sil, ga­nhou o Prê­mio Ja­bu­ti de me­lhor ro­man­ce, dei­xan­do para traz tí­tu­los de au­to­res con­sa­gra­dos, co­mo Ana Ma­ria Ma­cha­do e Wilson Bu­e­no.

Nas­ci­do em Ma­rin­gá, Os­car cur­sou Di­rei­to na UEM e, atu­al­men­te, dá au­las na Uni­ver­si­da­de Tec­no­lo­gia Fe­de­ral do Pa­ra­ná, em Apu­ca­ra­na, on­de re­si­de des­de 1996. Em en­tre­vis­ta, o au­tor re­lem­bra sua tra­je­tó­ria e diz que, na ado­les­cên­cia che­gou­a­re­jei­tar­sua des­cen­dên­ci­a­ja­po­ne­sa. Qual foi o pri­mei­ro li­vro que te mar­cou ? A pri­mei­ra obra que me vem à ca­be­ça é o li­vro da Ma­ria Jo­sé Du­pré, “A Ilha Per­di­da”, de­vo ter li­do aos dez anos. Lia tam­bém bas­tan­te gi­bi do Walt Disney. Na fei­ra-li­vre que ha­via per­to de ca­sa ven­di­am e tro­ca­vam gi­bis usa­dos, en­tão, sem­pre mi­nha mãe pe­ga­va um no­vo­pa­ra­mim. Com quan­tos anos co­me­çou a es­cre­ver? Quan­do es­ta­va na quin­ta sé­rie, me me­ti a fa­zer um ro­man­ce. Ele era di­vi­di­do em du­as par­tes, a pri­mei­ra era um dra­ma e na se­gun­da par­te, vi­ra­va um ro­man- ce po­li­ci­al, por­que a pro­ta­go­nis­ta ti­nha si­do as­sas­si­na­da. Cha­ma­va-se “Al­ma de Ser­pen­te”, mas jo­guei fo­ra. De­pois de um tem­po fui re­ler e era tão ruim que fi­quei com ver­go­nha de guar­dar. Des­de de quan­do sa­bia que que­ria fa­zer le­tras? No Co­lé­gio Gas­tão Vi­di­gal, fiz uma cur­so téc­ni­co em redação jun­to com um grupo de ami­gos. Qu­e­ría­mos fa­zer jor­na­lis­mo e fo­mos pres­tar ves­ti­bu­lar para es­tu­dar na USP. Na épo­ca, fa­zia es­tá­gio na rá­dio Ci­da­de Can­ção Di­fu­so­ra, na área de redação, e es­cre­via os no­ti­ciá­ri­os, mas pen­sa­va em Jor­na­lis­mo por­que gos­ta­va de es­cre­ver. Não que­ria ser pro­fes­sor, por isso, des­car­ta­va Le­tras. Não pas­sei na USP, e dos cur­sos que ha­vi­am na UEM, que eram pouquís­si­mos, op­tei por Di­rei­to. Lo­go de ca­ra, não gos­tei mas aguen­tei dois anos por­que ha­via cer­ta pres­são, era uma pro­fis­são de pres­tí­gio e eu ti­nha pas­sa­do em pri­mei­ro lu­gar ge­ral no ves­ti­bu­lar. Fi­quei meio ano em cri­se sem sa­ber o que fa­zer, até que de­ci­di fa­zer Le­tras. Na fa­cul­da­de vo­cê par­ti­ci­pou dos mo­vi­men­tos es­tu­dan­tis? Sem­pre me en­vol­vi bas­tan­te com o mo­vi­men­to es­tu­dan­til, era da li­nha de fren­te do Di­re­tó­rio Aca­dê­mi­co, e a an­da­va na co­la do Ade­mir De­mar­chi [po­e­ta e cro­nis­ta do D+]. Fi­ze­mos mo­vi­men­tos for­tes e im­por­tan­tes para a me­lho­ria da uni­ver­si­da­de co­mo bri­gar para aca­bar com o en­si­no pa­go e pe­lo va­lor do tic­ket do Res­tau­ran­te Uni­ver­si­tá­rio. Mas, aos poucos lar­guei a mi­li­tân­cia, não por um mo­ti­vo es­pe­ci­al. Co­mo sur­giu o in­te­res­se de tra­ba­lhar com os ni­po-bra­si­lei­ros na sua te­se? Du­ran­te o pe­río­do da da mi­nha ado­les­cên­cia, fui meio re­bel­de, e não gos­ta­va de ser des­cen­den­te de ja­po­nês Acha­va os bra­si­lei­ros mais ex­pan­si­vos, ale­gres, di­ver­ti­dos e, por isso, pro­cu­ra­va a ami­za­de de não nipô­ni­cos. Quan­do ti­ve de es­co­lher o as­sun­to da mi­nha te­se, pen­sei em res­ga­tar um pou­co es­sa mi­nha iden­ti­da­de, era co­mo se es­ti­ves­se de­ven­do al­gu­ma coi­sa para os meus pais, para a mi­nha cul­tu­ra. E dentro do “po­de­ria tra­ba­lhar em li­te­ra­tu­ra”, pen­sei em bus­car per­so­na­gens ja­po­ne­ses na fic­ção bra­si­lei­ra. Sa­bia já de an­te­mão que não te­ria mui­to ma­te­ri­al, en­con­trei ja­po­ne­ses em obras co­mo as de Ma­rio de An­dra­de, Oswald de An­dra­de, do es­cri­tor cu­ri­ti­ba­no Va­lên­cio Xa­vi­er, da Zul­mi­ra Ri­bei­ro Ta­va­res e de al­guns es­cri­to­res ni­po-bra­si­lei­ro, co­mo o con­to “So­nhos Blo­que­a­dos”, de Lau­ra Hon­da Ha­se­gawa. O que te­nho per­ce­bi­do com “Nihon­jin”, é que os ni­po-bra­si­lei­ros têm uma per­cep­ção di­fe­ren­te do meu ro­man­ce da­que­la dos bra­si­lei­ros. É a mes­ma per­cep­ção que ti­ve quan­do li o tex­to da Lau­ra. Per­ce­bi que só po­de­ria ter si­do es­cri­to por al­guém mui­to ín­ti­mo da cul­tu­ra ja­po­ne­sa, o sen­ti­men­to que per­pas­sa to­do o ro­man­ce é um sen­ti­men­to de um in­di­ví­duo di­vi­di­do en­tre du­as cul­tu­ras. “Nihon­jin” é um mis­to en­tre as pes­qui­sas e lem­bran­ças. Quais cenas são ins­pi­ra­das nas su­as me­mó­ri­as? No se­gun­do ca­pí­tu­lo quan­do as cri­an­ças vão à es­co­la, eles vão des­cal­ços para a es­co­la bra­si­lei­ra. Lem­bro que mi­nha mãe con­ta­va para mim da di­fi­cul­da­de de ir para a es­co­la por­que na chu­va era bar­ro e no sol o chão fi­ca­va mui­to quen­te e ela di­zia que ti­nha de cor­rer da som­bra de um ca­fé para o ou­tro. O epi­só­dio que apro­vei­to me­lhor [as lem­bran­ças] é o que o Hi­deo ma­ta o por­co e não con­se­guem co­mer. Os ja­po­ne­ses es­ta­vam acos­tu­ma­dos a co­mer pei­xe no Ja­pão e quan­do se mu­dam para cá são obri­ga­dos a co­mer car­ne de por­co, o que é mui­to for­te para eles. Lem­bro quan­do meu pai ma­ta­va por­co no sí­tio on­de mo­rá­va­mos. Sem­pre ou­via os por­cos es­per­ne­an­do de dor.

Nel­son To­le­do

Na­ka­sa­to, que par­ti­ci­pa de de­ba­te na Se­ma­na Li­te­rá­ria do Sesc: “Não gos­ta­va de ser des­cen­den­te de ja­po­nês”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.