Mor­re Ber­man, um ini­mi­go do con­cre­to

Mor­re, aos 72 anos, em No­va York, o fi­ló­so­fo mar­xis­ta Marshall Ber­man, au­tor de “Tu­do que é só­li­do des­man­cha no ar”; pen­sa­dor foi se­ve­ro crí­ti­co de Ni­e­meyer An­ti-Brasília

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Por Ju­li­a­na Grag­na­ni

O au­tor, edu­ca­dor e fi­ló­so­fo nor­te-ame­ri­ca­no Marshall Ber­man, 72, mor­reu na úl­ti­ma qu­ar­ta-fei­ra em No­va York, sua ci­da­de de ori­gem, nos EUA. To­ma­va ca­fé da ma­nhã em um res­tau­ran­te quan­do so­freu um ata­que car­día­co. Au­tor de es­cri­tos hu­ma­nis­tas so­bre eco­no­mia, ar­te e cul­tu­ra in­flu­en­ci­a­dos pe­las idei­as de Karl Marx (1818-1883), Ber­man fi­cou co­nhe­ci­do por “Tu­do que é só­li­do des­man­cha no ar” (1982), lan­ça­do pe­la Com­pa­nhia das Le­tras em 1986. O tí­tu­lo da obra, que con­ta a his­tó­ria crí­ti­ca da mo­der­ni­da­de, foi ti­ra­do do Ma­ni­fes­to Co­mu­nis­ta.

O fi­ló­so­fo mar­xis­ta era um es­tu­di­o­so da mo­der­ni­da­de, de­fi­ni­da por ele co­mo um con­fron­to e uma ten­ta­ti­va de su­pe­ra­ção das “or­ga­ni­za­ções bu­ro­crá­ti­cas que têm o po­der para con­tro­lar e, fre­quen­te­men­te, des­truir as co­mu­ni­da­des, os va­lo­res e as vi­das”.

Ber­man con­tri­buiu para pu­bli­ca­ções co­mo “New York Ti­mes” e “Na­ti­on” e per­ten­cia ao con­se­lho edi­to­ri­al da re­vis­ta “Dis­sent”. Deu au­las de po­lí­ti­ca e ur­ba­nis­mo na City Uni­ver­sity of New York.

“Era um ho­mem tris­te, mas de gran­de ener­gia”, diz Luiz Schwarcz, edi­tor da Com­pa­nhia das Le­tras. “Não te­ve o re­co­nhe­ci­men­to que me­re­cia, e tal­vez o mai­or su­ces­so que co­nhe­ceu foi no Bra­sil, on­de abriu as por­tas para um en­saís­mo eru­di­to, li­vre

e ex­tre­ma­men­te li­te­rá­rio.” No Bra­sil, en­vol­veu-se em po­lê­mi­ca ao cri­ti­car Brasília, con­si­de­ra­da por ele um mau exem­plo da mo­der­ni­da­de, e o ar­qui­te­to Os­car Ni­e­meyer (1907-2012), a quem cha­mou de dés­po­ta. “Brasília é cons­truí­da de mo­do a evi­tar que as pes­so­as se en­con­trem”, dis­se, em 2009. “Ni­e­meyer não que­ria fu­nis para on­de to­dos con­fluís­sem. É im­por­tan­te ver o que isso tem de an­ti­de­mo­crá­ti­co.”

Para Ber­man, a so­li­dão e au­to­ma­ti­za­ção eram pro­ble­mas crô­ni­cos da mo­der­ni­da­de. Ques­ti­o­na­do so­bre se a so­li­dão era sua ini­mi­ga, res­pon­deu: “Não sei. Tal­vez o con­cre­to se­ja meu pi­or ini­mi­go.”

Ber­man deixa a mu­lher, Shel­lie, e dois fi­lhos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.