Lem­bran­ças

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

ve­lhos. A ale­gria con­ta­gi­an­te da­que­le po­vo que ti­nha por há­bi­to sin­cro­ni­zar os mo­vi­men­tos das mãos com as pa­la­vras emi­ti­das em vo­lu­me bem aci­ma do usu­al era sua mar­ca re­gis­tra­da. A gran­de mai­o­ria dos imi­gran­tes fin­cou raí­zes na zo­na ru­ral e com o tra­ba­lho ár­duo de sol a sol ala­van­cou o de­sen­vol­vi­men­to do país, dei­xan­do um le­ga­do de ri­que­za e far­tu­ra para as ge­ra­ções fu­tu­ras. Foi com es­sas re­cor­da­ções que vol­tei ao pas­sa­do. À enor­me ca­sa ava­ran­da­da cer­ca­da de ro­sas, hor­tên­si­as e mar­ga­ri­das que mi­nha mãe cui­da­va com ca­ri­nho. Dos ter­rei­ros fei­tos de ti­jo­los on­de se se­ca­va o ca­fé, das tu­lhas le­van­ta­das com pe­ro­ba­ro­sa aplai­na­das no ma­cha­do. Do en­ge­nho de ca­na mo­vi­do por tra­ção ani­mal. Do po­mar on­de se co­lhi­am as mais sa­bo­ro­sas fru­tas, da hor­ta in­cri­vel­men­te ver­de o ano to­do. Ao lon­ge se avis­ta­va um enor­me ja­to­bá que for­ne­cia su­as fa­vas de odor for­te e ado­ci­ca­do, lo­cal pre­fe­ri­do das pa­cas, qua­tis e ma­ca­cos. O ri­a­cho on­de se pes­ca­vam lam­ba­ris, traí­ras e ba­gres. O ca­pão de ma­to que for­ne­cia bons ca­bos de lou­ro, sa­pu­va e gua­ju­vi­ra para as fer­ra­men­tas de cor­te e de on­de se co­le­ta­va o de­li­ci­o­so mel sil­ves­tre. Um ver­da­dei­ro pa­raí­so, que hoje va­gueia er­ran­te em al­gum lu­gar da me­mó­ria. No sí­tio em que nas­ci pou­co res­tou da­que­les tem­pos. Os vi­zi­nhos se mudaram e a ter­ra foi ocu­pa­da pe­la mo­no­cul­tu­ra da ca­na-de-açú­car. A ca­sa ava­ran­da­da trans­for­mou-se em ruí­nas. A ima­gem tris­te do ter­rei­ro de ca­fé e do cur­ral en­co­ber­tos pe­lo ma­to, o po­ço d’água ca­na­li­za­do, as tu­lhas re­ti­ra­das, o po­mar e a hor­ta trans­for­ma­dos em área de pre­ser­va­ção per­ma­nen­te in­co­mo­da. A mo­en­da es­que­ci­da de­bai­xo da ve­lha pai­nei­ra re­ve­la as mar­cas do tem­po. Res­tou so­men­te o im­po­nen­te ja­to­bá com sua co­pa imen­sa, co­mo que que­ren­do che­gar ao céu. Foi o úni­co que es­ca­pou da fú­ria me­ca­ni­za­da e eco­lo­gi­ca­men­te in­cor­re­ta. De­pois de qua­se cin­co dé­ca­das, a vi­si­ta ao sí­tio foi uma emo­ci­o­nan­te vol­ta ao pas­sa­do. Ain­da hoje sin­to nos aro­mas das flo­res as lem­bran­ças de um tem­po que se foi. Mas é pos­sí­vel re­vi­ver a ale­gria da in­fân­cia cul­ti­van­do a sim­pli­ci­da­de, o amor e o res­pei­to ao ser hu­ma­no e à na­tu­re­za. Uma ma­nei­ra de man­ter vi­vos na me­mó­ria os bons mo­men­tos da me­lhor épo­ca de mi­nha vi­da.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.