Eli­mi­nan­do as so­bras

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Ta­li­ta Ama­ral ta­li­ta@odi­a­rio.com

Azu­le­jos, pi­sos, ti­jo­los, areia e pe­dra são al­guns dos mui­tos ma­te­ri­ais de cons­tru­ção que aca­bam fi­can­do en­tu­lha­dos no fi­nal da obra. Se­ja por fal­ta de pla­ne­ja­men­to ou er­ro de cál­cu­los na ho­ra da com­pra, sem­pre so­bre al­gu­ma coi­sa quan­do aca­ba a cons­tru­ção ou re­for­ma de um imó­vel.

De acor­do com a en­ge­nhei­ra ci­vil e di­re­to­ra ad­jun­ta do Sin­di­ca­to dos Engenheiros do Es­ta­do do Pa­ra­ná (Sen­ge), San­dra Ma­ra Ne­po­mu­ce­no Car­do­so, o cor­re­to é fa­zer a se­pa­ra­ção do en­tu­lho, en­ca­mi­nhan­do o que po­de ser re­ci­cla­do para as co­o­pe­ra­ti­vas de re­ci­cla­gem ou do­an­do a ins­ti­tui­ções de ca­ri­da­de e des­ti­nan­do os res­tos de ma­te­ri­ais de cons­tru­ção que não po­dem ser apro­vei­ta­dos para lo­cais li­cen­ci­a­dos e apro­pri­a­dos para re­ce­ber o en­tu­lho.

De acor­do com a di­re­to­ra, para eli­mi­nar pre­juí­zos com a so­bra de ma­te­ri­ais, é fun­da­men­tal que um pro­fis­si­o­nal es­pe­ci­a­li­za­do fa­ça um pla­ne­ja­men­to do que é ne­ces­sá­rio para a cons­tru­ção e acom­pa­nhe to­do o an­da­men­to da obra.

“As so­bras de ma­te­ri­ais são de­cor­ren­tes da fal­ta de um pro­fis­si- onal es­pe­ci­a­li­za­do, pla­ne­jan­do e acom­pa­nhan­do a exe­cu­ção da obra, er­ros de pro­je­to e tam­bém das al­te­ra­ções fei­tas du­ran­te o tra­ba­lho, co­mo uma pa­re­de que é cons­truí­da e de­pois de­mo­li­da por con­ta de mu­dan­ça de pla­nos”, exem­pli­fi­ca a en­ge­nhei­ra.

No in­tui­to de “eco­no­mi­zar”, o pro­pri­e­tá­rio que acha des­ne­ces­sá­ria a re­a­li­za­ção de um le­van­ta­men­to cor­re­to de ma­te­ri­ais que se­rão uti­li­za­dos e não con­tra­ta um es­pe­ci­a­lis­ta para re­a­li­zar o ser­vi­ço po­de per­der di­nhei­ro. “O ide­al é que o pro­fis­si­o­nal res­pon­sá­vel pe­la obra le­ve o pro­je­to até a lo­ja de ma­te­ri­ais, an­tes do iní­cio da cons­tru­ção, e pe­ça os ma­te­ri­ais, de acor­do com o que de­ter­mi­na o pla­ne­ja­men­to”, re­co­men­da.

De acor­do com o se­cre­tá­rio de Ser­vi­ços Pú­bli­cos de Ma­rin­gá, Vag­ner Mus­sio, a Lei Fe­de­ral 12305/2010 - que ver­sa so­bre a ges­tão dos re­sí­du­os só­li­dos - de­ter­mi­na que o pro­pri­e­tá­rio da obra de­ve con­tra­tar uma em­pre- sa res­pon­sá­vel por co­lo­car o en­tu­lho em uma ca­çam­ba e fa­zer a des­ti­na­ção cor­re­ta. “Em Ma­rin­gá te­mos três lo­cais li­cen­ci­a­dos pe­lo Ins­ti­tu­to Am­bi­en­tal do Pa­ra­ná para fa­zer a des­ti­na­ção des­se ti­po de re­sí­duo”.

Se­gun­do Mus­sio, a pre­fei­tu­ra está vi­a­bi­li­zan­do a apli­ca­ção de uma lei mu­ni­ci­pal já exis­ten­te que de­ter­mi­na que o pro­pri­e­tá­rio da obra apre­sen­te um con­tra­to com uma empresa es­pe­ci­a­li­za­da, an­tes do iní­cio da obra. “Se ele não apre­sen­tar es­se con­tra­to, não con­se­gui­rá emi­tir o al­va­rá para a cons­tru­ção. Es­sa me­di­da vai evi­tar que al­gu­mas pes­so­as con­tra­tem car­ro­cei­ros e jo­guem o en­tu­lho em fun­dos de va­le, co­mo acon­te­ce com frequên­cia no mu­ni­cí­pio”.

A pre­fei­tu­ra es­tu­da me­di­das de fis­ca­li­za­ção das obras para evi­tar o des­car­te in­de­vi­do. O des­pe­jo ir­re­gu­lar de li­xo e en­tu­lho é pas­sí­vel de mul­ta - os va­lo­res va­ri­am con­for­me a gra­vi­da­de da in­fra­ção e o ta­ma­nho da área afe­ta­da.

Di­vul­ga­ção

USE A CRI­A­TI­VI­DA­DE Apro­vei­te os ma­te­ri­ais ex­ce­den­tes para cri­ar com­po­si­ções ex­clu­si­vas co­mo es­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.