Ca­sa na ár­vo­re pra gen­te gran­de

O Diario do Norte do Parana - - CLASSIDIÁRIO - Ju­li­a­na Fon­ta­nel­la ju­fon­ta­nel­la@odi­a­rio.com

Quem, quan­do cri­an­ça, nun­ca de­se­jou ter uma ca­sa na ár­vo­re? Es­se so­nho de in­fân­cia vi­rou coi­sa de gen­te gran­de. Ar­qui­te­tos e em­pre­sas es­pe­ci­a­li­za­das têm vi­a­bi­li­za­do pro­je­tos para aten­der o de­se­jo da­que­les que que­rem um re­fú­gio nas alturas. Não pen­sem que se tra­tam de ca­ba­ni­nhas er­gui­das com res­tos de ma­dei­ra. In­de­pen­den­te do ta­ma­nho, es­sas cons­tru­ções são fei­tas a par­tir de téc­ni­cas avan­ça­das e ma­te­ri­ais com pa­drão de qua­li­da­de com­pro­va­da.

O em­pre­sá­rio Ricardo Bru­nel­li cons­truiu a pri­mei­ra ca­sa na ár­vo­re aos 12 anos, na épo­ca o “pro­je­to” le­vou bam­bu e fo­lhas de ba­na­nei­ra, mas não re­sis­tiu à pri­mei­ra chu­va. Adul­to, ele fez da fra­gi­li­da­de da ca­sa na ár­vo­re um de­sa­fio a re­sol­ver e con­se- guiu. O so­nho de in­fân­cia vi­rou ne­gó­cio. Hoje, ele cons­trói ca­sas nas ár­vo­res para cri­an­ças e adul­tos. O cus­to va­ria, as­sim co­mo o tem­po de cons­tru­ção. Há ca­sas que têm to­da a in­fra­es­tru­tu­ra de um imó­vel re­si­den­ci­al “no chão” e po­dem ser usa­das até para re- ce­ber hós­pe­des com ins­ta­la­ções elé­tri­cas e sa­ni­tá­ri­as.

No­vas téc­ni­cas, além de au­men­tar a se­gu­ran­ça, ain­da per­mi­tem a cons­tru­ção da ‘ca­sa na ár­vo­re’ em pro­pri­e­da­des que não têm ár­vo­res com a me­di­da ide­al (tron­co com ao me­nos 80 cen­tí­me­tros de di­â­me­tro). “Usa­mos mou­rões de ma­dei­ra co­mo ba­se, as­sim vo­cê tem a ga­ran­tia de se­gu­ran­ça e que a sus­ten­ta­ção é su­fi­ci­en­te”, afir­ma. Além dis­so, a ca­sa na ár­vo­re in­fan­til é cons­truí­da para acom­pa­nhar a cri­an­ça da in­fân­cia à ado­les­cên­cia, tem que su­por­tar es­sa va­ri­a­ção de peso.

Para os adul­tos que so­nham em ter uma ca­sa na ár­vo­re para re­la­xar, o em­pre­sá­rio diz que mui­tos cli­en­tes se sur­pre­en­dem com a qua­li­da­de dos ma­te­ri­ais. A ma­dei­ra no­bre (a mais usa­da é o eu­ca­lip­to) e to­dos os com­po­nen­tes se­guem um al­to pa­drão de qua­li­da­de para que es­se imó- vel te­nha uma vi­da lon­ga, atra­ves­se ge­ra­ções da fa­mí­lia.

A ma­dei­ra re­ce­be tra­ta­men­to con­tra bro­cas e cu­pins e as te­lhas são im­por­ta­das do Ca­na­dá para que te­nham o de­sem­pe­nho es­pe- ra­do. O so­nho tem lá o seu pre­ço, mas Bru­nel­li diz que vai lan­çar em bre­ve no mer­ca­do mo­de­los de ca­sas fei­tas em me­tal e ma­dei­ra, uma no­va op­ção que po­de até re­du­zir o cus­to fi­nal. Ne­go­ci­ar é uma ati­vi­da­de que faz par­te do dia a dia de qual­quer pro­fis­si­o­nal, in­clu­si­ve de engenheiros e ar­qui­te­tos. Por isso, a Ae­am, em par­ce­ria com o Se­brae, pro­mo­ve o cur­so “Es­tra­té­gi­as e Tá­ti­cas de Ne­go­ci­a­ção”, que se­rá re­a­li­za­do de quin­ta-fei­ra a sá­ba­do. O cur­so tem o ob­je­ti­vo de pre­pa­rar os par­ti­ci­pan­tes para di­ver­sas si­tu­a­ções em que é ne­ces­sá­rio ne­go­ci­ar, se­ja no tra­ba­lho, com cli­en­tes ou co­le­gas, ou até nas re­la­ções com fa­mi­li­a­res. Mais in­for­ma­ções pe­lo te­le­fo­ne (44) 3031-0011 ou se­cre­ta­ria@ae­am.eng.br. As va­gas são li­mi­ta­das.

Di­vul­ga­ção

AL­TU­RA A edi­fi­ca­ção, cons­truí­da a pe­lo me­nos dois me­tros e meio aci­ma do so­lo, de­ve se in­te­grar à ár­vo­re

PE­QUE­NOS A ca­sa na ár­vo­re é di­ver­são na cer­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.