Ges­tão de pes­so­as é de­sa­fio das em­pre­sas

O Diario do Norte do Parana - - CLASSIDIÁRIO - Fernanda Ber­to­la su­ple­men­tos@di­a­rio.com

Es­tu­do do De­par­ta­men­to In­ter­sin­di­cal de Es­ta­tís­ti­ca e Es­tu­dos (Di­e­e­se), de 2011, re­a­li­za­do em par­ce­ria com o Mi­nis­té­rio do Tra­ba­lho em Em­pre­go, re­ve­la que na cons­tru­ção ci­vil a ta­xa de ro­ta­ti­vi­da­de foi de 86,2% em 2009, 92,2% em 2008 e 83,4% 2007. Es­ses nú­me­ros des­con­si­de­ram as de­mis­sões re­a­li­za­das a pe­di­do dos tra­ba­lha­do­res, as de­cor­ren­tes de mor­te, apo­sen­ta­do­ri­as ou trans­fe­rên­ci­as. Mas se fo­rem con­si­de­ra­dos os nú­me­ros to­tais, as ta­xas de ro­ta­ti­vi­da­de são ain­da mai­o­res.

Pe­lo es­tu­do, a cons­tru­ção ci­vil é o se­tor com a mai­or ta­xa de ro­ta­ti­vi­da­de de pes­so­al, se­gui­da da agri­cul­tu­ra. En­tre os mo­ti­vos que jus­ti­fi­cam o re­sul­ta­do es­tão tra­ba­lhos com du­ra­ção cur­ta e o fa­to de cons­tru­to­ras não con­se­gui­rem re­a­lo­car os fun­ci­o­ná­ri­os em ou­tras obras.

Se a ges­tão de pes­so­as é um de­sa­fio de to­das as or­ga­ni­za­ções, na cons­tru­ção ci­vil é ain­da mais ur­gen­te, di­an­te do ‘apa­gão de mão de obra’. As­sim, é pre­ci­sa apri­mo­rar me­ca­nis­mos de re­ten­ção de jo­vens engenheiros ci­vis e so­bre­tu­do dos ope­rá­ri­os que atu­am nos can­tei­ros de obras.

Se­gun­do o di­re­tor da Cons­tru­to­ra Can­ta­rei­ra, Le­an­dro Ar­ru­da, para ga­ran­tir a ma­nu­ten­ção do qua­dro de engenheiros, que hoje con­ta com cer­ca de dez pro­fis­si­o­nais, além de o sa­lá­rio ser com­pa­tí­vel com o mer­ca­do, tam­bém é preparado um sis­te­ma de apoio à obra. “Já acon­te­ceu de per­der­mos engenheiros por fal­ta de es­tru­tu­ra e pes­so­as que aju­dem na ad­mi­nis­tra­ção, o que so­bre­car­re­ga­va o seu tra­ba­lho”.

Ou­tra pro­pos­ta da cons­tru­to­ra é ofe­re­cer um mi­ni­pla­no de car­rei­ra. Nes­se ca­so, os engenheiros vis­lum­bram a pos­si­bi­li­da­de de pro­gres­são de car­rei­ra e sa­lá­rio, além da par­ti­ci­pa­ção nos re­sul­ta­dos da co­mer­ci­a­li­za­ção dos em­pre­en­di­men­tos pe­los quais é res­pon­sá­vel.

Ar­ru­da ex­pli­ca que os fun­ci­o­ná­ri­os in­te­res­sa­dos em fa­zer cur­sos ou par­ti­ci­par de pa­les­tra e workshops po­dem pro­por à empresa uma par­ce­ria. “Ofe­re­ce­mos con­tra­par­ti­da para que os trei­na­men­tos se­jam re­a­li­za­dos”, es­cla­re­ce. Ele acre­di­ta que o sa­lá­rio pro­gres­si­vo é o prin­ci­pal mo­ti­va­dor para a per­ma­nên­cia do fun­ci­o­ná­rio. Tan­to que,nos úl­ti­mos cin­co anos, ape­nas dois pro­fis­si­o­nais pe­di­ram des­li­ga­men­to da empresa. Para dri­blar a fal­ta de mão de obra qua­li­fi­ca­da, cons­tru­to­ras co­me­çam a trei­nar os pró­pri­os fun­ci­o­ná­ri­os para que ocu­pem, dentro da mes­ma or­ga­ni­za­ção, ou­tras fun­ções. Por cau­sa des­sa ação, em­pre­ga­dos con­se­guem gal­gar pro­mo­ções, o que re­sul­ta em au­men­to do sa­lá­rio. É tem si­do uma fer­ra­men­ta efi­caz para re­ter os pro­fis­si­o­nais. O con­tra­mes­tre Ma­no­el San­ti­a­go dos Santos, 59, co­me­çou na cons­tru­to­ra on­de tra­ba­lha atu­al­men­te co­mo pe­drei­ro. Ele con­quis­tou o no­vo car­go em pou­co mais de um ano na empresa. Para ele, a or­ga­ni­za­ção sou­be re­co­nhe­cer o es­for­ço que fez para au­men­tar a pro­du­ção. “Ga­nhei con­fi­an­ça por cau­sa dis­so e, com a vi­vên­cia da obra, con­se­gui um no­vo car­go no qual es­tou me adap­tan­do”. O sa­lá­rio de Ma­no­el au­men­tou de cer­ca de R$ 1,2 mil para apro­xi­ma­da­men­te R$ 1,9 mil. “Hoje sou res­pon­sá­vel pe­lo sis­te­ma de água e gás e co­or­de­no uma equi­pe de cin­co fun­ci­o­ná­ri­os”, diz, or­gu­lho­so, Ma­no­el dos Santos. Jo­sé Ricardo Fer­rei­ra, 47, tam­bém con­se­guiu sa­lá­rio me­lhor du­ran­te a obra em que está tra­ba­lhan­do. De au­xi­li­ar de jar­di­na­gem ele pas­sou a apon­ta­dor, car­go em que fi­ca res­pon­sá­vel pe­lo re­ce­bi­men­to de ma­te­ri­ais, con­fe­rên­cia de es­to­que, dis­tri­bui­ção de fer­ra­men­tas, en­tre ou­tras atri­bui­ções. Para ele, a no­va fun­ção exi­ge mais, mas é com­pen­sa­tó­ria. Antônio de Pau­la Ne­to, 58, des­ta­ca que a de­di­ca­ção tam­bém fez a di­fe­ren­ça. Tan­to que de aju­dan­te de pe­drei­ro ele pas­sou a meio ofi­ci­al e hoje de­sem­pe­nha a fun­ção de ofi­ci­al. O en­ge­nhei­ro res­pon­sá­vel pe­la obra, Hugo Ga­bas, em que ele e os de­mais fun­ci­o­ná­ri­os tra­ba­lham, ex­pli­ca que to­dos os fun­ci­o­ná­ri­os são ava­li­a­dos e, con­for­me de­sem­pe­nho, são di­re­ci­o­na­dos a no­vas áre­as, com me­lho­res re­mu­ne­ra­ções gra­da­ti­va­men­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.