Ido­sos re­des­co­brem o pra­zer de apren­der o no­vo

O Diario do Norte do Parana - - CLASSIDIÁRIO - Ju­li­a­na Fon­ta­nel­la ju­fon­ta­nel­la@odi­a­rio.com

A pro­fes­so­ra de ale­mão do Ins­ti­tu­to de Lín­guas da Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al de Ma­rin­gá, An­ne Mam­zi­gel, está acos­tu­ma­da a le­ci­o­nar para alu­nos na fai­xa dos 20 anos, mas tam­bém vi­ve a ex­pe­ri­ên­cia de en­si­nar um no­vo idi­o­ma a pe­lo me­nos um es­tu­dan­te da ma­tu­ri­da­de. Es­se alu­no é um exem­plo de de­di­ca­ção e é jus­ta­men­te por isso que con­quis­tou o mes­mo rit­mo de ren­di­men­to dos co­le­gas mais jo­vens. “Na ma­tu­ri­da­de a pes­soa tem di­fi­cul­da­des por­que já fi­cou mui­to tem­po sem es­tu­dar, en­tão pre­ci­sa se de­di­car mais para acom­pa­nhar o rit­mo dos co­le­gas. Es­se alu­no tem mui­tos pon­tos a seu fa­vor. Pri­mei­ro con­quis­tou o apoio dos co­le­gas do cur­so, foi mui­to bem re­ce­bi­do; além dis­so, ele se com­pro­me­teu a es­tu­dar bas­tan­te, tan­to é que a tur­ma está evo­luin­do em pé de igual­da­de”, afir­ma.

Um cer­to re­ceio de não se en­tur­mar é na­tu­ral, en­tre­tan­to os pro­fes­so­res têm um im­por­tan­te pa­pel na in­te­gra­ção des­se alu­no em tur­mas re­gu­la­res. An­ne le­ci­o­na com a dis­po­si­ção das car­tei­ras em cír­cu­lo, isso fa­ci­li­ta a in­te­ra­ção en­tre os es­tu­dan­tes. Ou­tro de­sa­fio é que no mo­men­to em que se de­ci­de vol­tar aos es­tu­dos, o alu­no da ter­cei­ra ida­de tem que re­cu­pe­rar a ca­pa­ci­da­de de au­to­mo­ti­va­ção e man­ter a men­te aber­ta para apren­der coi­sas no­vas. O alu­no que se em­pe­nha, es­tu­da em ca­sa, par­ti­ci­pa das ati­vi­da­des da tur­ma, es­se vai lon­ge, em qual­quer ida­de. “To­dos es­tão apren­den­do do iní­cio, tro­cam ex­pe­ri­ên­ci­as e se de­sen­vol­vem jun­tos. Além do idi­o­ma, es­se alu­no fez ques­tão de apren­der in­for­má­ti­ca para par­ti­ci­par do grupo que nós te­mos na re­de so­ci­al. Ele é mui­to em­pe­nha­do, faz as ta­re­fas até an­tes de eu man­dar e está su­pe­ran­do a ti­mi­dez. Ou­tro dia fa­la­mos de im­pro­vi­so e fi­co fe­liz em di­zer que ele se saiu mui­to bem”, con­ta ela, or­gu­lho­sa.

En­tre elas

A von­ta­de de apren­der in­glês para se co­mu­ni­car em vi­a­gens mo­ti­vou um grupo de ami­gas a vol­tar à sa­la de au­la. Uma de­las é pro­fes­so­ra de in­glês e mon­tou uma tur­ma só com alu­nas da ter­cei­ra ida­de. O re­sul­ta­do é que o apren­di­za­do do no­vo idi­o­ma se trans­for­mou em uma pon­te en­tre elas. “Eu co­me­cei com um grupo de ami­gas quan­do re­gres­sei do Ja­pão. Elas vi­e­ram, co­nhe­ce­ram o mé­to­do e nós cri­a­mos um cur­so com ên­fa­se no in­glês para vi­a­gens. Aqui o ob­je­ti­vo é apren­der por pra­zer, sem pro­vas, sem co­bran­ça para ter­mi­nar o li­vro nes­se ou na­que­le mês. É tu­do sob me­di­da para elas”, diz Ro­sa Ya­gui.

A tur­ma acei­ta no­vos in­te­gran­tes e têm alu­nas fiéis e uma das es­tra­té­gi­as da pro­fes­so­ra foi trans­por­tar as au­las tam­bém para ati­vi­da­des ex­tra­clas­se. As alu­nas têm uma pro­gra­ma­ção pa­ra­le­la, que con­sis­te em pas­sei­os e pe­que­nas vi­a­gens para exer­ci­tar a co­mu­ni­ca­ção no idi­o­ma in­glês en­quan­to se di­ver­tem. A mai­o­ria das alu­nas é des­cen­den­te de ja­po­ne­ses e, mes­mo as que não são, gos­tam mui­to de plan­tas. Por con­ta dis­so, um dos pas­sei­os mais re­cen­tes foi para ver uma ex­po­si­ção de bon­sais em Man­da­gua­ri.

A pro­fes­so­ra diz que a ex­pe­ri­ên­cia tem si­do gra­ti­fi­can­te, es­pe­ci­al­men­te por­que tem vis­to que as alu­nas vão para as au­las para re­la­xar e, aos poucos es­tão de­sen­vol­ven­do sua in­de­pen­dên­cia no idi­o­ma in­glês. “Quan­do nos sen­ta­mos em sa­la, ava­li­a­mos o pro­gres­so do grupo e, sem­pre que ne­ces­sá­rio, re­to­ma­mos o que é ne­ces­sá­rio. A in­ten­ção é bem es­sa, fa­zer com que o pro­ces­so de apren­di­za­do se­ja pra­ze­ro­so, do meu la­do está a res­pon­sa­bi­li­da­de de es­ti­mu­lá-las a pro­gre­dir e me sin­to mui­to or­gu­lho­sa de ver a evo­lu­ção da tur­ma”.

Má­qui­nas sob con­tro­le

As au­las de in­for­má­ti­ca do Se­nac para a ter­cei­ra ida­de fo­ram de­sen­vol­vi­das com uma me­to­do­lo­gia es­pe­ci­al­men­te para es­se per­fil de alu­no. Es­se mo­do to­do es­pe­ci­al de ori­en­tar quem está des­co­brin­do a tec­no­lo­gia na fai­xa dos 60 ga­ran­te tur­mas chei­as o ano in­tei­ro. A pro­fes­so­ra Cláu­dia Tu­pan Ro­sa é uma apai­xo­na­da con­fes­sa da evo­lu- ção de seus alu­nos da ma­tu­ri­da­de e ga­ran­te que vi­bra jun­to com ca­da um que en­via seu pri­mei­ro e-mail ou in­te­ra­ge em re­de so­ci­al. “Eu ado­ro tra­ba­lhar com eles por­que o ido­so se sen­te dis­tan­te da re­a­li­da­de, se sen­te em de­fa­sa­gem em re­la­ção aos ne­tos. No mo­men­to em que des­co­brem a in­for­má­ti­ca, eles vol­tam a se in­te­grar”, diz.

Cláu­dia afir­ma que os ido­sos pro­cu­ram as au­las ba­si­ca­men­te para se co­mu­ni­car com as fa­mí­li­as, com os ne­tos - abrir ar­qui­vos de fo­tos, en­vi­ar e abrir email, ma­tar a sau­da­de de quem está lon­ge e in­te­ra­gir com ou­tras pes­so­as que têm os mes­mos in­te­res­ses que eles. As au­las se trans­for­mam em es­pa­ços de in­te­ra­ção e, com tan­ta vi­vên­cia co­le­ti­va, tam­bém se for­ma uma re­de de co­nhe­ci­men­to com di­ver­sos te­mas.

Uma das no­vi­da­des que mais di­ver­te e en­si­na é a na­ve­ga­ção na in­ter­net, es­pe­ci­al­men­te o bus­ca­dor Go­o­gle e a fer­ra­men­te Go­o­gle Maps.

Para es­te pri­mei­ro con­ta­to, Cláu­dia usa os re­cur­sos da re­de e faz com que ca­da um dos alu­nos da ter­cei­ra ida­de “vi­si­te” o lu­gar on­de mo­ra ou on­de nas­ceu. “Eles fi­cam em­pol­ga­dos por­que mui­tos nun­ca mais vol­ta­ram às su­as ci­da­des de ori­gem ou não as vi­si­tam há dé­ca­das. Há lu­ga­res que mudaram tan­to que são ir­re­co­nhe­cí­veis. Ago­ra é pos­sí­vel si­mu­lar uma ca­mi­nha­da pe­las ru­as e é um mo­men­to mui­to emo­ci­o­nan­te”, afir­ma.

A pro­fes­so­ra diz que, in­de­pen­den­te do que as pes­so­as da ma­tu­ri­da­de bus­cam apren­der, o sal­do sem­pre se­rá po­si­ti­vo. Nes­sa fa­se da vi­da mui­tos mo­ram so­zi­nhos, ou­tros pas­sam o dia sem ver a fa­mí­lia em vir­tu­de de tra­ba­lho e es­tu­dos, por isso ter no­vos ami­gos e um pro­gra­ma in­di­vi­du­al é tão im­por­tan­te para eles. Es­pe­ci­al­men­te no ca­so das au­las de in­for­má­ti­ca, o efei­to é ain­da mais vi­sí­vel. O alu­no da ter­cei­ra ida­de ga­nha de vol­ta a fa­ci­li­da­de de se co­mu­ni­car com o mun­do e po­de con­ti­nu­ar seu apren­di­za­do, por exem­plo, no cur­so de edi­ção de ima­gens.

“Ima­gi­ne para quem é da ge­ra­ção em que ca­da fo­to era úni­ca, em pa­pel, po­der di­gi­ta­li­zar, cor­ri­gir, ar­qui­var e até res­tau­rar ima­gens? Eles fi­cam mui­to em­pol­ga­dos, tro­cam fo­tos dos ne­tos, re­ce­bem e en­vi­am fo­tos de si mes­mos. O ido­so nun­ca mais se sen­te so­zi­nho, é uma sen­sa­ção mui­to boa”, ga­ran­te. Com tur­mas sem­pre chei­as, Cláu­dia te­ve o pri­vi­lé­gio de en­si­nar a mãe e vê-la evo­luin­do dia a dia.

João Cláudio Fragoso

NUN­CA É TAR­DE PARA APREN­DER Um grupo de ami­gas se ma­tri­cu­lou em um cur­so de idi­o­mas, com au­las per­so­na­li­za­das e ên­fa­se no in­glês para vi­a­gens

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.