A fron­tei­ra da le­gi­ti­mi­da­de

O Diario do Norte do Parana - - OPINIÃO -

Na con­di­ção de re­pre­sen­tan­te do Con­se­lho Uni­ver­si­tá­rio na co­mis­são ins­ti­tuí­da para re­a­li­zar es­tu­dos so­bre o sis­te­ma viá­rio da Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al de Ma­rin­gá (UEM), na qual está em dis­cus­são o Con­tor­no da UEM e a mo­bi­li­da­de ur­ba­na, to­mo a li­ber­da­de para ava­li­ar a au­di­ên­cia pú­bli­ca re­a­li­za­da na noi­te do dia 1º/8/2013.

O re­gu­la­men­to do even­to foi cons­truí­do de­mo­cra­ti­ca­men­te e am­pla­men­te di­vul­ga­do, para as­se­gu­rar que qual­quer in­te­res­sa­do ti­ves­se a opor­tu­ni­da­de de opi­nar so­bre o te­ma.Lo­go no iní­cio da ses­são, per­ce­beu­se que um com­por­ta­men­to es­tra­nho e ines­pe­ra­do to­mou con­ta de uma par­ce­la da pla­teia, com­pro­me­ten­do de for­ma ex­plí­ci­ta a or­ga­ni­za­ção dos tra­ba­lhos.

Da óti­ca pri­vi­le­gi­a­da de in­te­gran­te da me­sa con­du­to­ra da au­di­ên­cia, con­fes­so que a per­cep­ção que ti­ve foi de que ha­via en­tre os par­ti­ci­pan­tes ma­ni­pu­la­do­res que pro­mo­vi­am os aplau­sos, as vai­as e os bra­dos ex­tra­va­gan­tes e, que os mes­mos, ob­je­ti­va­vam in­ti­mi­dar tan­to a Co­mis­são co­mo os de­mais pre­sen­tes e, com isso, que­brar nos­sa ex­pec­ta­ti­va por um de­ba­te ci­vi­li­za­do, de­mo­crá­ti­co e pro­du­ti­vo, dig­no da me­lhor uni­ver­si­da­de do Pa­ra­ná.

Con­ti­nu­an­do, não per­mi­ti­ram que fos­se pra­ti­ca­da a de­mo­cra­cia, pois a pres­são ne­ga­ti­va e in­dig­na foi im­pos­ta du­ran­te to­da a ses­são, o que de­sa­cor­ço­ou mui­tos in­te­res­sa­dos, a pon­to de não pro­fe­ri­rem su­as idei­as e pro­pos­tas em meio a tal es­pe­tá­cu­lo es­ti­mu­la­do.

É la­men­tá­vel que após to­dos es­tes anos na UEM, fos­se ne­ces­sá­rio as­sis­tir al­go si­mi­lar ao que pre­sen­ci­a­mos, ain­da mais por­que es­tá­va­mos ali ser­vin­do ao in­te­res­se co­le­ti­vo na con­di­ção de fun­ci­o­ná­ri­os pú­bli­cos. In­fe­liz­men­te, tais par­ti­ci­pan­tes não se es­for­ça­ram ne­nhum pou­co para que pre­va­le­ces­se a ur­ba­ni­da­de, a con­si­de­ra­ção ao ser hu­ma­no, o res­pei­to ao fun­ci­o­ná­rio público ou a va­lo­ri­za­ção do tra­ba­lho vo­lun­tá­rio.

Por con­ve­ni­ên­cia de poucos, es­con­di­dos sob a “más­ca­ra da mai­o­ria”, ora os mem­bros da me­sa eram pres­si­o­na­dos para des­cum­prir o re­gu­la­men­to que­bran­do a si­me­tria no tem­po de uso da pa­la­vra em fa­vor de al­guns e em de­tri­men­to da mai­o­ria, ora a me­sa era cons­tran­gi­da em ple­no de­sen­vol­vi­men­to de su­as fun­ções, quan­do aque­les bus­ca­vam cen­su­rar a li­ber­da­de de ex­pres­são dos ou­tros.

In­fe­liz­men­te, o com­por­ta­men­to re­pro­vá­vel de­mons­tra­do pe­la mi­no­ria dos pre­sen­tes te­ve a in­fluên­cia di­re­ta de in­te­gran­tes da co­mu­ni­da­de ins­ti­tu­ci­o­nal. Re­gis­tre­se igual­men­te que, du­ran­te o en­cer­ra­men­to da au­di­ên­cia, ob­je­tos fo­ram lan­ça­dos con­tra a me­sa co­or­de­na­do­ra do even­to.

O sen­ti­men­to que me res­tou foi de man­ter-me ca­bis­bai­xo di­an­te da co­mu­ni­da­de ex­ter­na pre­sen­te, pois con­si­de­ro inex­pli­cá­vel e inad­mis­sí­vel tan­ta in­tran­si­gên­cia ob­ser­va­da na­que­la noi­te. E ago­ra, o que di­zer da opres­são do re­gi­me mi­li­tar? Pois bem, es­sa é uma par­te da his­tó­ria bra­si­lei­ra que mui­tos que­rem es­que­cer, pois fo­ram opri­mi­dos, per­se­gui­dos e ou­tros até mor­tos. Por ou­tro la­do, cu­ri­o­sa­men­te, o tem­po pas­sou e al­guns da­que­les que bra­va­men­te com­ba­te­ram o mi­li­ta­ris­mo, ago­ra, con­tra­di­to­ri­a­men­te, pa­re­cem fa­zer uso de prá­ti­cas que opri­mem ide­ais que não os seus.

É ho­ra de re­pen­sar a UEM co­mo um to­do, in­te­gra­da com o meio on­de está, não de for­ma exa­cer­ba­da, mas com a vi­são de cons­tru­to­res que usam a de­mo­cra­cia co­mo fer­ra­men­ta de edi­fi­ca­ção, pois em uma so­ci­e­da­de de­mo­crá­ti­ca, o po­vo de­ve es­tar em­pe­nha­do em pre­ser­var os va­lo­res da to­le­rân­cia, da co­o­pe­ra­ção e do com­pro­mis­so. Por fim, ten­ta­ram en­ter­rar ali a de­mo­cra­cia, mas não con­se­gui­ram!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.