Na área da Amu­sep, só 5 Câ­ma­ras têm vo­to aber­to

PO­LÍ­TI­CA Em Ma­rin­gá, Flo­raí, Ma­ri­al­va, Ou­ri­zo­na e Sarandi, não há vo­ta­ção se­cre­ta, di­fe­ren­te de ou­tros 25 mu­ni­cí­pi­os. Em pe­que­nas ci­da­des, há quem diz que ele ‘evi­ta per­se­gui­ções’ Po­si­ção so­bre ve­tos do Exe­cu­ti­vo

O Diario do Norte do Parana - - ZOOM - Ru­bia Pi­men­ta

ru­bia@odi­a­rio.com Há pou­co mais de 3 se­ma­nas, o Con­gres­so Na­ci­o­nal pas­sou por gran­de cons­tran­gi­men­to quan­do par­la­men­ta­res li­vra­rem da cas­sa­ção o de­pu­ta­do Na­tan Do­na­don (sem par­ti­do –RO), que está pre­so por des­vio de di­nhei­ro público.

Para es­pe­ci­a­lis­tas, o de­pu­ta­do não te­ria es­ca­pa­do se a vo­ta­ção fos­se aber­ta. A re­per­cus­são ne­ga­ti­va fez com que os con­gres­sis­tas apro­vas­sem um Pro­je­to de Emen­da Cons­ti­tu­ci­o­nal (PEC), no iní­cio de setembro, aca­ban­do com o vo­to se­cre­to. O tex­to está ago­ra na Co­mis­são de Cons­ti­tui­ção e Jus­ti­ça (CCJ) do Se­na­do.

Em Ma­rin­gá, o vo­to se­cre­to, para qual­quer cir­cuns­tân­cia, mes­mo cas­sa­ção de ve­re­a­do­res e pre­fei­to, foi abo­li­do em 2001. Na re­gião, no en­tan­to, es­pe­ci­al­men­te em pe­que­nos mu­ni­cí­pi­os, a si­tu­a­ção é di­fe­ren­te: das 30 ci­da­des que com­põem a As­so­ci­a­ção Mu­ni­cí­pi­os Se­ten­trião Pa­ra­na­en­se (Amu­sep), ape­nas cin­co abo­li­ram a vo­ta­ção se­cre­ta. Além de Ma­rin­gá, fa­zem par­te da lis­ta Sarandi, Ma­ri­al­va, Ou­ri­zo­na e Flo­raí.

Em pe­lo me­nos 18 mu­ni­cí­pi­os, a cas­sa­ção de ve­re­a­do­res, pre­fei­to e vi­ce é fei­ta por vo­ta­ção fe­cha­da. O pro­cu­ra­dor ju­rí­di­co da Câ­ma­ra de Iva­tu­ba, Sér­gio Luiz Ja­co­mi­ni, de­fen­de a prá­ti­ca. “Em mu­ni­cí­pi­os mui­to pe­que­nos co­mo o nos­so, o vo­to se­cre­to pro­te­ge o ve­re­a­dor de per­se­gui­ções po­lí­ti­cas. Às ve­zes é mais se­cre­to exis­te para cas­sa­ção de po­lí­ti­cos, elei­ção da Me­sa Di­re­to­ra e pres­ta­ção de con­tas do mu­ni­cí­pio, o pre­si­den­te da Ca­sa, Gustavo Sa­es (PMN), afir­ma que está or­ga­ni­zan­do um pro­je­to de lei para abo­lir o vo­to se­cre­to. “É uma ques­tão de res­pei­to para com a po­pu­la­ção; te­mos que ser trans­pa­ren­tes co­mo­se­lei­to­res”, res­sal­ta.

Al­gu­mas Câ­ma­ras afir­ma­ram que aguar­dam a de­ci­são do Con­gres­so Na­ci­o­nal. “Se o pro­je­to for apro­va­do te­re­mos que ade­quar o nos­so Re­gi­men­to In­ter­no e ado­tar os no­vos pro­ce­di­men­tos”, ex­pli­ca Ja­co­mi­ni.

Éti­ca

Para o ci­en­tis­ta so­ci­al Ed­nal­do Ri­bei­ro, pro­fes­sor da Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al de Ma­rin­gá (UEM), al­guns ju­ris­tas es­ta­be­le­cem ca­sos on­de de­ve­ria ser pre­ser­va­do o vo­to se­cre­to, es­pe­ci­al­men­te para que a opi­nião do par­la­men­tar não se con­ver­ta em re­pre­sá­li­as. “Eu, par­ti­cu­lar­men­te, não acre­di­to nes­sa prá­ti­ca. A pes­soa quan­do se can­di­da­ta a car­gos pú­bli­cos se tor­na pú­bli­ca, e por isso não po­de ter me­do de co­lo­car seu po­si­ci­o­na­men­to. Ao man­ter o vo­to aber­to, o elei­tor po­de co­nhe­cer o po­si­ci­o­na­men­to do seu ve­re­a­dor e ava­li­ar, em ou­tras elei­ções, se ele ain­da é dig­no de ser seu re­pre­sen­tan­te”, res­sal­ta.

O pre­si­den­te da Câ­ma­ra de Ma­rin­gá, Ulis­ses Maia (PP), tam­bém de­fen­de o vo­to aber­to. “Não tem co­mo o par­la­men­tar es­con­der sua de­ci­são. Com isso há ten­dên­cia do vo­to fi­car mais per­to do in­te­res­se da co­mu­ni­da­de.”

Ricardo Lo­pes

Câ­ma­ra de Ma­rin­gá: vo­ta­ção aber­ta em qual­quer si­tu­a­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.