Jo­vem é en­con­tra­do mor­to em cór­re­go no Jar­dim Ala­mar

Pai, que acom­pa­nhou as bus­cas, ain­da ali­men­ta­va es­pe­ran­ças de en­con­trar o jo­vem com vi­da; es­tu­dan­te ha­via de­sa­pa­re­ci­do no sá­ba­do à noi­te

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Le­o­nar­do Fi­lho

le­o­nar­do­fi­lho@odi­a­rio.com O dra­ma de um pai, que bus­ca­va por no­tí­ci­as do fi­lho, ter­mi­nou de for­ma trá­gi­ca on­tem à tar­de, em Ma­rin­gá. Após qua­se 36 ho­ras de bus­cas, foi lo­ca­li­za­do o cor­po do es­tu­dan­te Ro­dol­fo Fa­ria de Mo­rais, 18 anos, no Cór­re­go Betty, em uma área co­nhe­ci­da co­mo ‘tan­cão’.

Qu­a­tro jo­vens, que na­da­vam no lo­cal, avis­ta­ram a ví­ti­ma e cha­ma­ram o Cor­po de Bom­bei­ros. Quan­do os so­cor­ris­tas che­ga­ram, cons­ta­ta­ram que ele es­ta­va mor­to. O cór­re­go fi­ca no fim da Rua De­mé­trio Ko­tes­ki, no Jar­dim Ala­mar e, se­gun­do mo­ra­do­res da re­gião, é bas­tan­te pro­cu­ra­do por ba­nhis­tas.

Mo­rais re­si­dia em Pai­çan­du com o pai e a avó. Ele ha­via de­sa­pa­re­ci­do no sá­ba­do ao vi­si­tar a mãe que mo­ra em Ma­rin­gá. O úl­ti­mo con­ta­to que o es­tu­dan- te man­te­ve com a fa­mí­lia foi às 2h55 de do­min­go. O jo­vem li­gou para um pri­mo. “Ele co­men­tou com o meu so­bri­nho que es­ta­va per­di­do em uma ma­ta, em Ma­rin­gá, e que se­guia a voz da ir­mã, que já mor­reu. De re­pen­te, a li­ga­ção foi in­ter­rom­pi­da por um gri­to”, dis­se o pai do es­tu­dan­te, Dar­ci de Mo­rais, que des­de o sá­ba­do à noi­te acom­pa­nhou o tra­ba­lho dos bom­bei­ros.

A ir­mã do jo­vem mor­reu, em 2001, quan­do ti­nha qu­a­tro anos, ví­ti­ma de um in­cên­dio. Mo­rais viu a ce­na, fa­to que o dei­xou trau­ma­ti­za­do. “Ti­nha es­pe­ran­ça de en­con­trá-lo com vi­da. Não que­ria ver es­sa ce­na. É mui­to di­fí­cil para mim, aguen­tar tu­do isso”, “Ti­nha es­pe­ran­ça de en­con­trá-lo com vi­da. Não que­ria ver es­sa ce­na. É mui­to di­fí­cil para mim, aguen­tar tu­do isso” de­sa­ba­fou Dar­ci. Du­ran­te o dia, além de acom­pa­nhar o tra­ba­lho de bus­cas, o pai pro­cu­rou a im­pren­sa para no­ti­ci­ar o de­sa­pa­re­ci­men­to.

“O Ro­dol­fo nun­ca me deu pro­ble­ma. Es­se in­cên­dio que acon­te­ceu foi um trau­ma gran­de para a gen­te, mas não en­ten­di o que hou­ve e de on­de vi­nham es­sas vo­zes que ele dis­se ou­vir”, co­men­tou o pai bas­tan­te aba­la­do.

Se­gun­do a fa­mí­lia, Mo­rais não ti­nha en­vol­vi­men­to com dro­gas e nem an­te­ce­den­tes cri­mi­nais. Po­li­ci­ais da De­le­ga­cia de Ho­mi­cí­di­os e pe­ri­tos da Po­lí­cia Ci­en­tí­fi­ca es­ti­ve­ram no lo­cal para apu­rar se o ra­paz foi as­sas­si­na­do ou não. Os per­ten­ces co­mo bo­né, ce­lu­lar, re­ló­gio e car­tei­ra es­ta­vam in­tac­tos, fa­to que re­for­ça a sus­pei­ta de que ele te­nha mor­ri­do, por cau­sa da que­da. O jo­vem te­ve fe­ri­men­tos na ca­be­ça e em uma das per­nas.

“Apa­ren­te­men­te, foi um trau­ma. Aqui, é um lo­cal mui­to pro­fun­do, pe­ri­go­so e com mui­tas pe­dras”, re­la­tou o ofi­ci­al de Co­mu­ni­ca­ção do 5º Gru­pa­men­to dos Bom­bei­ros (GB), te- nen­te Nil­va­do do Rê­go, que acom­pa­nhou o tra­ba­lho. O bu­ra­co on­de o jo­vem es­ta­va tem apro­xi­ma­da­men­te oi­to me­tros de pro­fun­di­da­de, o que di­fi­cul­tou a re­mo­ção do cor­po.

Em tor­no de trin­ta sar­gen­tos dos bom­bei­ros de ou­tras uni­da­des e que es­tão em Ma­rin­gá par­ti­ci­pan­do de um trei­na­men­to na Es­co­la de For­ma­ção e Aper­fei­ço­a­men­to de Pra­ças (Es­fa­ep) da Po­lí­cia Mi­li­tar, tam­bém aju­da­ram nas bus­cas. “Foi fei­ta uma var­re­du­ra na ex­ten­são dos cór­re­gos des­de a noi­te de sá­ba­do, quan­do fo­mos aci­o­na­dos”, com­ple­tou o te­nen­te.

João Pau­lo Santos

Dar­ci de Mo­rais, pai do ra­paz mor­to, faz o re­co­nhe­ci­men­to do cor­po, após o res­ga­te fei­to pe­los Bom­bei­ros

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.