Dez anos de­pois, le­ga­do de Jo­sé Cláudio está vi­vo

Úni­co pre­fei­to elei­to pe­lo Par­ti­do dos Tra­ba­lha­do­res e a mor­rer no car­go, ele, ape­sar do cur­to man­da­to, é re­co­nhe­ci­do co­mo um dos bons man­da­tá­ri­os até pe­los ad­ver­sá­ri­os

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Luiz de Car­va­lho

car­va­lho@odi­a­rio.com Com­ple­tou on­tem dez anos que Ma­rin­gá en­lu­tou-se com a mor­te do pre­fei­to Jo­sé Cláudio Pe­rei­ra Ne­to (PT), úni­co pre­fei­to da ci­da­de a mor­rer no car­go, o pri­mei­ro elei­to, em se­gun­do tur­no, e o úni­co, até ago­ra, elei­to por uma agre­mi­a­ção de es­quer­da. Ele mor­reu um mês de­pois de com­ple­tar 51 anos de ida­de, no dia 16 de setembro de 2003, após lu­tar um ano e meio con­tra um cân­cer no estô­ma­go.

Ape­sar do cur­to man­da­to, Pe­rei­ra en­trou para a his­tó­ria co­mo um dos bons pre­fei­tos de Ma­rin­gá, go­zan­do de res­pei­to tan­to no pró­prio par­ti­do de­le quan­to en­tre os ad­ver­sá­ri­os. O ex-pre­fei­to Síl­vio Bar­ros (PP), por exem­plo, che­gou a fa­zer cam­pa­nha para a pre­fei­tu­ra ci­tan­do as re­la­ções po­si­ti­vas de­le com Jo­sé Cláudio. Des­de a mor­te, o no­me do ex-pre­fei­to é sem­pre in­vo­ca­do nas cam­pa­nhas elei­to­rais para a pre­fei­tu­ra.

“Ele era um ho­mem sim­ples, ín­te­gro e com­pro­me­ti­do com os po­bres”, dis­se o de­pu­ta­do Ênio Ver­ri, com­pa­nhei­ro de par­ti­do e um dos se­cre­tá­ri­os da equi­pe de Pe­rei­ra. “Tra­ta­va a to­dos co­mo ami­gos, com amor e res­pei­to”, des­ta­cou.

O ve­re­a­dor Car­los Ma­riuc­ci, tam­bém do PT e que de­ve ho­me­na­ge­ar o ex-pre­fei­to na ses­são de hoje da Câ­ma­ra, lem­bra que o “Ele era um ho­mem sim­ples, ín­te­gro e com­pro­me­ti­do com os po­bres, que tra­ta­va a to­dos co­mo ami­gos” cur­to man­da­to de Jo­sé Cláudio co­mo pre­fei­to foi um dos prin­ci­pais res­pon­sá­veis pe­lo for­ta­le­ci­men­to do Par­ti­do dos Tra­ba­lha­do­res em Ma­rin­gá e re­gião.

Con­vin­cen­te

Ad­vo­ga­do que nun­ca ad­vo­gou e pe­que­no em­pre­sá­rio, Jo­sé Cláudio já ha­via es­ta­do na pre­fei­tu­ra, não co­mo po­lí­ti­co, mas co­mo vi­dra­cei­ro para fa­zer a tro­ca de vi­dros que­bra­dos. Ele en­trou na dis­pu­ta pe­la pre­fei­tu­ra mais para mar­car a pre­sen­ça do PT do que pe­la es­pe­ran­ça de se ele­ger. Afi­nal, a elei­ção do ano 2000 foi a mais dis­pu­ta­da da his­tó­ria de Ma­rin­gá, com no­ve can­di­da­tos, en­tre eles um pre­fei­to que bus­ca­va a re­e­lei­ção (Jai­ro Gi­a­no­to) e pes­so­as do peso dos de­pu­ta­dos Dou­tor Ba­tis­ta (PMN) e Ci­da Borghet­ti (PP), além do ve­re­a­dor Ulis­ses Maia (PP), que vi­nha de um tra­ba­lho mui­to di­vul­ga­do na Pre­si­dên­cia da Câ­ma­ra.

O pes­qui­sa­dor Re­gi­nal­do Be­ne­di­to Dias, que foi co­or­de­na­dor da cam­pa­nha do pe­tis­ta, con­ta que as chan­ces de Jo­sé Cláudio fo­ram apa­re­cen­do na me­di­da em que os ou­tros can­di­da­tos co­me­ti­am er­ros. As pes­qui­sas in­ter­nas do par­ti­do mos­tra­vam, an­tes do de­ba­te, que ele de­ve­ria che­gar à elei­ção com uma vo­ta­ção em tor­no dos 10 mil vo­tos, po­rém, lo­go após o de­ba­te já es­ta­va em­bo­la­do com os fa­vo­ri­tos. “Da­li em di­an­te, man­te­ve-se em li­nha as­cen­den­te”, res­sal­tou.

O pe­tis­ta foi be­ne­fi­ci­a­do por uma bri­ga en­vol­ven­do os can­di­da­tos que po­la­ri­za­vam a dis­pu­ta, Gi­a­no­to e Síl­vio Na­me Jú­ni­or, do PMDB. Os ata­ques des­gas­ta­vam um e ou­tro e o pe­tis­ta, que ti­nha bai­xa re­jei­ção, apro­vei­tou para di­vul­gar um pro­gra­ma que foi, aos poucos, con­ven­cen­do o elei­to­ra­do. Re­sul­ta­do: os dois que bri­ga­vam caí­ram na apro­va­ção po­pu­lar e no fim, Jo­sé Cláudio e Dou­tor Ba­tis­ta fo­ram para o se­gun­do tur­no. Um mês de­pois, ele era elei­to pre­fei­to com 69,7% dos vo­tos, mais al­to por­cen­tu­al ob­ti­do por um can­di­da­to à Pre­fei­tu­ra de Ma­rin­gá.

Ho­me­na­gem do car­tu­nis­ta Lu­kas, im­pres­sa na edi­ção de 17/9/2003

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.