O cre­pús­cu­lo de ‘Don Gi­o­van­ni’

Ópe­ra de Mo­zart é en­ce­na­da pe­lo di­re­tor ita­li­a­no Pi­er Fran­ces­co Ma­es­tri­ni co­mo uma sa­ga cre­pus­cu­lar em que per­so­na­gem é um vam­pi­ro

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Sid­ney Mo­li­na

Uma sa­ga cre­pus­cu­lar, es­cu­ra e den­sa. Es­sa é a con­cep­ção do di­re­tor ita­li­a­no Pi­er Fran­ces­co Ma­es­tri­ni para a ópe­ra “Don Gi­o­van­ni” (1787), de Mo­zart (175691), em car­taz no The­a­tro Mu­ni­ci­pal de São Pau­lo. Ma­es­tri­ni já ha­via tra­ba­lha­do com John Nes­ch­ling (di­re­tor ar­tís­ti­co do te­a­tro) em uma mon­ta­gem bem-su- ce­di­da de “O Barbeiro de Se­vi­lha” que per­cor­reu 20 ci­da­des bra­si­lei­ras em 2010.

“Don Gi­o­van­ni” - Don Ju­an, se­du­tor con­tu­maz – é trans­for­ma­do em vam­pi­ro, o que in­clui citações do fil­me “Drá­cu­la de Bram Sto­ker” (1992), de Fran­cis Ford Cop­po­la.

Em­bo­ra en­ge­nho­sas, as as­so­ci­a­ções pa­re­cem se re­fe­rir ape­nas ao li­bre­to de Lo­ren­zo da Pon­te (1749-1838), já que a mú­si­ca com­pos­ta por Mo­zart pas­sa lon­ge do de­ses­pe­ro ro­mân­ti­co que, dé­ca­das mais tar­de, acen­tu­a­ria as ci­sões ra­di­cais da sub­je­ti­vi­da­de.

Pon­to cul­mi­nan­te do es­ti­lo dos, e até mes­mo os mo­men­tos dra­má­ti­cos são des­mon­ta­dos por mo­du­la­ções ines­pe­ra­das.

O ele­men­to cô­mi­co, que ri­di­cu­la­ri­za o de­se­jo sem li­mi­te de Gi­o­van­ni e mes­cla os gos­tos mu­si­cais de aris­to­cra­tas e cam­po­ne­ses, fi­cou des­lo­ca­do na ver­são vam­pi­res­ca.

Di­ri­gi­da pe­lo is­ra­e­len­se Yo­ram Da­vid, a Sinfô­ni­ca Mu­ni­ci­pal es­te­ve em ge­ral mui­to for­te e pesada - com os so­pros in­ten­sos - , o que re­ti­rou o im­pac­to das vo­zes prin­ci­pais, a co­me­çar do pró­prio pa­pel-tí­tu­lo, in­ter­pre­ta­do pe­lo bai­xo-ba­rí­to­no Ni­co­la Uli­vi­e­ri.

Luí­sa Kurtz (que ha­via si­do des- ta­que em ju­nho em “The Turn of the Screw” no The­a­tro São Pe­dro) es­te­ve des­lo­ca­da co­mo Zer­li­na, mas An­drea Rost foi uma con­vin­cen­te Don­na An­na, e o te­nor Enea Sca­la fez Don Ot­ta­vio com fra­se­a­do im­pe­cá­vel.

Da­vi­de Lu­ci­a­no - que in­ter­pre­ta­va Le­po­rel­lo - foi subs­ti­tuí­do por Sau­lo Ja­van, por pro­ble­mas de saú­de. Es­ca­la­do para du­as ré­ci­tas ao lon­go da se­ma­na, o bra­si­lei­ro as­su­miu o se­gun­do ato e to­mou con­ta do pa­pel.

Tu­do isso mos­tra que Mo­zart pre­ci­sa ser fei­to mais ve­zes em São Pau­lo. E tam­bém que não há co­mo in­ter­pre­tar Mo­zart sem en­fren­tar ris­cos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.