Sem

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

cân­cer no pul­mão. Nan­do Reis de­ban­dou dos Ti­tãs, e se ele ain­da can­ta em ou­tras di­men­sões, faz isso em sua car­rei­ra so­lo. Sér­gio Brit­to, quan­do che­ga ao te­cla­do para en­to­ar “Epi­tá­fio”, não pre­ci­sa mais di­zer qual é o no­me da can­ção, nem lu­tar con­tra o si­lên­cio cons­tran­ge­dor dos fãs: a ba­la­da re­sis­tiu ao tem­po, en­trou de­fi­ni­ti­va­men­te no re­per­tó­rio dos Ti­tãs e é um dos pon­tos al­tos da apre­sen­ta­ção.

Atu­al­men­te, os Ti­tãs têm três for­ma­tos de shows. O “Ca­be­ça Di­nos­sau­ro”, ba­ti­za­do com o no­me do ál­bum homô­ni­mo, dos anos oi­ten­ta, é um dos mais ca­ros e cos­tu­ma ser em­pla­ca­do ape­nas nas ca­pi­tais. Nes­se show, a ban­da re­to­ma, na ín­te­gra, as fai­xas do tal dis­co. Com o “Fu­tu­ras Ins­ta­la­ções”, a ban­da per­cor­re o in­te­ri­or dos País - pe­lo pre­ço pro­va­vel­men­te mais aces­sí­vel -e des­ta­ca as can­ções iné­di­tas, que en­tra­rão no pró­xi­mo CD da ban­da. O que pas­sou por Ma­rin­gá é o mes­mo for­ma­to que che­ga ao in­te­ri­or de ou­tros can­tos, com um re­per­tó­rio com­pos­to ba­si­ca­men­te por hits an­to­ló­gi­cos: um show se­gu­ro, sem ris­co al­gum.

No mo­do au­to­má­ti­co, os Ti­tãs bom­bar­de­a­ram o Out Ma­rin­gá com seu le­ga­do vi­go­ro­so. “Co­mi­da”, “Di­ver­são”, “Bi­chos Es­cro­tos”, “Ca­be­ça Di­nos­sau­ro”, “Po­lí­cia”, “Lu­gar Ne­nhum”, “Flo­res”, “AA UU” e “Pra Di­zer Adeus”. As úni­cas no­vi­da­des do re­per­tó­rio fo­ram a in­clu­são de “De­sor­dem”, meio que um la­do B dos ca­ras, e a ben­di­ta “Do­min­go”, que ha­via si­do ex­cluí­da do re­per­tó­rio nas du­as úl­ti­mas pas­sa­gens dos Ti­tãs por Ma­rin­gá: va­leu a pe­na tra­zê­la fi­nal­men­te à to­na. O ar­ran­jo de “Te­le­vi­são” tam­bém te­ve lá seu ar de no­vi­da­de, car­re­ga­da de dis­tor­ção e exe­cu­ta­da com com­pas­sos mais ace­le­ra­dos.

As­sis­tir aos so­bre­vi­ven­tes dos Ti­tãs é um pri­vi­lé­gio. He­róis do rock bra­si­lei­ro, que mes­mo des­fal­ca­dos (por mor­tes e in­com­pa­ti­bi­li­da­de de egos) par­tem para ci­ma, de­fen­den­do seus re­frãos, riff’s, emo­ci­o­nan­do para va­ler com seus “bi­chos es­cro­tos” e aca­sos que nos pro­te­gem quan­do pe­ram­bu­la­mos, por aí, dis­traí­dos.

Pe­na que a ex­pe­ri­ên­cia dos fãs fi­cou um pou­co pre­ju­di­ca­da pe­la qua­li­da­de do som. Em al­guns pon­tos da pis­ta, on­de a re­por­ta­gem as­sis­tiu a apre­sen­ta­ção, ha­via uma sé­rie de pro­ble­mas, com o som em­bo­la­do e aba­fa­do: um som que fi­cou a de­se­jar. Por ou­tro la­do, na pis­ta não hou­ve pro­ble­mas com fi­las de ba­nhei­ros nem de ba­res.

De­pois do show, os in­te­gran­tes da ban­da fo­ram sur­pre­en­di­dos por um grupo de jo­vens fãs. Após a apre­sen­ta­ção, eles se or­ga­ni­za­ram e cor­re­ram para o ho­tel on­de a ban­da es­ta­va hos­pe­da­da, no cen­tro da ci­da­de, e aguar­da­ram os ído­los, em bus­ca de fo­tos e au­tó­gra­fos. Des­de que o ser­ta­ne­jo uni­ver­si­tá­rio do­mi­nou Ma­rin­gá, cenas co­mo es­sa são ca­da vez mais ra­ras no meio do rock. Íco­nes co­mo Ba­rão Ver­me­lho e RPM já não atra­em uma al­ma se­quer aos ho­téis, o que ga­ran­te cer­ta tran­qui­li­da­de aos mú­si­cos, que po­dem ca­mi­nhar, ano­ni­ma­men­te, pe­las ru­as de Ma­rin­gá. Vi­si­vel­men­te fe­li­zes com a re­cep­ção, Pau­lo Mi­klos, Bran­co Mel­lo e Tony Bel­lo­to aten­de­ram aos fãs, to­pa­ram po­sar para fo­tos e dis­tri­buí­ram au­tó­gra­fos.

En­quan­to Flo­ren­ce and The Ma­chi­ne e 30 Se­conds to Mars fa­zi­am shows apor­ri­nhan­tes no Rock in Rio, os Ti­tãs da­vam uma li­ção de rock na ter­ra das 300 du­plas ser­ta­ne­jas. Na­que­le sá­ba­do, deu pra rir, com gos­to, da Ci­da­de do Rock.

Jés­si­ca Pe­rei­ra

Ti­tãs, du­ran­te show em Ma­rin­gá: re­per­tó­rio con­for­tá­vel, cal­ca­do em hits e com pou­cas no­vi­da­des

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.