STF de­ci­de que 12 réus te­rão no­vo jul­ga­men­to

MEN­SA­LÃO Mi­nis­tro Cel­so de Mel­lo de­sem­pa­tou dis­cus­são so­bre em­bar­gos in­frin­gen­tes. Du­ran­te o vo­to, ele dis­se que os jul­ga­men­tos não po­dem ser in­flu­en­ci­a­dos pe­la opi­nião pú­bli­ca Fo­gos de­pois da de­ci­são

O Diario do Norte do Parana - - ZOOM - Agên­cia Es­ta­do

re­da­cao@odi­a­rio.com O mi­nis­tro do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), Cel­so de Mel­lo, foi fa­vo­rá­vel à apli­ca­ção dos em­bar­gos in­frin­gen­tes, re­cur­so da de­fe­sa para con­tes­tar de­ci­sões em que ao me­nos qu­a­tro mi­nis­tros te­nham vo­ta­do pe­la ab­sol­vi­ção de um de­ter­mi­na­do cri­me. Com isso, 12 dos 25 con­de­na­dos por en­vol­vi­men­to no men­sa­lão te­rão di­rei­to a um no­vo jul­ga­men­to.

No­ve des­ses 12 réus fo­ram con­de­na­dos por for­ma­ção de qua­dri­lha. Na fa­se ini­ci­al do pro­ces­so, qu­a­tro mi­nis­tros (Ricardo Lewan­dows­ki, Ro­sa We­ber, Dias Tof­fo­li e Cár­men Lú­cia) vo­ta­ram pe­la ab­sol­vi­ção de to­dos os in­di­ci­a­dos por es­se cri­me - Jo­sé Dir­ceu, Jo­sé Ge­noi­no, De­lú­bio Soares, Mar­cos Va­lé­rio, Ra­mon Hol­ler­ba­ch, Cris­ti­a­no Paz, Katia Ra­bel­lo, Jo­sé Ro­ber­to Sal­ga­do e Si­mo­ne Vas­con­ce­los, cu­ja pe­na para ‘qua­dri­lha’ pres­cre­veu. Tam­bém po­de­rão pe­dir no­vo jul­ga­men­to três con­de­na­dos pe­lo cri­me de la­va­gem de di­nhei­ro - João Pau­lo Cu­nha, Breno Fis­ch­berg e João Claudio Ge­nú.

“O en­cer­ra­men­to da ses­são da quin­ta-fei­ra (dia 12, quan­do não deu seu vo­to de de­sem­pa­te) te­ve para mim um efei­to vir­tu­o­so por­que me per­mi­tiu apro­fun­dar ain­da mais a mi­nha con­vic­ção do li­tí­gio ora em exa­me”, dis­se o mi­nis­tro, no iní­cio do seu vo­to. “O meu vo­to é ape­nas mais um e se so­ma­rá a mais cin­co ou­tras ma­ni­fes­ta­ções”, afir­mou.

Opi­nião pú­bli­ca

Para Mel­lo, os jul­ga­men­tos do STF não po­dem ser in­flu­en­ci­a­dos pe­la opi­nião pú­bli­ca. O mi­nis­tro ar­gu­men­tou que o Su­pre­mo tem en­ten­di­do co­mo abu­si­vo e ile­gal usar o cla­mor público co­mo jus­ti­fi­ca­ti­va para uma even­tu­al pri­são pre­ven­ti­va.

O que mais im­por­ta no jul­ga­men­tos dos em­bar­gos, dis­se o mi­nis­tro, é a pre­ser­va­ção do com­pro­mis­so com o res­pei­to às di­re­tri­zes do pro­ces­so pe­nal. Se­gun­do ele, o Di­rei- Nos­sa ava­li­a­ção é que o mi­nis­tro Cel­so de Mel­lo ana­li­sou so­men­te o di­rei­to ou não de qual­quer con­de­na­do ter di­rei­to a es­te re­cur­so. Nes­te sen­ti­do, o mi­nis­tro foi bas­tan­te com­pe­ten­te. Apre­sen­tou cla­ra­men­te que a pes­soa tem di­rei­to a ter es­ta de­fe­sa. Is­to não in­di­ca que os mi­nis­tros vão vo­tar fa­vo­rá­veis ou não na ação pe­nal. En­ten­de­mos que o ju­ris­ta está pre­o­cu­pa­do em res­pei­tar o di­rei­to à jus­ti­ça, a quem se jul­gar in­jus­ti­ça­do. to tem de ser com­pre­en­di­do na sua di­men­são ra­ci­o­nal. “O pro­ces­so pe­nal de­ve ser con­ce­bi­do e as­sim de­ve ser vis­to co­mo ins­tru­men­to de sal­va­guar­da ju­rí­di­ca dos réus. Por es­sa ra­zão, o pro­ces­so pe­nal con­de­na­tó­rio não po­de ser ins­tru­men­to de ar­bí­trio do Es­ta­do”, afir­mou Mel­lo.

O mi­nis­tro re­for­çou que na­da se per­de quan­do se cum­pre a Cons­ti­tui­ção e que to­dos os re­gi­men­tos in­ter­nos do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral pre­vi­ram os em­bar­gos in­frin­gen­tes. “Re­gi­men­to tem va­lor de lei”, dis­se.

O pró­prio Con­gres­so, lem­brou Mel­lo, re­jei­tou pro­je­to de lei do ex-pre­si­den­te Fer­nan­do Hen­ri­que Car­do­so para aca­bar com os cha­ma­dos em­bar­gos in­frin­gen­tes na Cor­te, há 15 anos. “O STF tem o de­ver de res­pei­tar ga­ran­ti­as cons­ti­tu­ci­o­nais”, afir­mou, ci­tan­do que “mui­ta in­jus­ti­ça se tem afas­ta­do em jul­ga­men­tos de em­bar­gos” e que “qu­a­tro vo­tos não é um nú­me­ro ca­ba­lís­ti­co”.

Al­te­ra­ção de pe­nas

O no­vo jul­ga­men­to não ne­ces­sa­ri­a­men­te sig­ni­fi­ca al­te­ra­ção das pe­nas, mas, ca­so os mi­nis­tros acei­tem os ar­gu­men­tos dos ad­vo­ga­dos de de­fe­sa, as pe­nas po­dem ser al­te­ra­das, sem­pre em be­ne­fí­cio do réu. Con­de­na­do a re­gi­me fe­cha­do, o ex-mi­nis­tro da Ca­sa Ci­vil, Jo­sé Dir­ceu, po­de­rá cum­prir pe­na em re­gi­me se­mi­a­ber­to.

Com a de­ci­são do STF, um no­vo mi­nis­tro se­rá sor­te­a­do para re­la­tar o pro­ces­so. Os mi­nis­tros tam­bém de­ve­rão se po­si­ci­o­nar com re­la­ção àque­les que não têm di­rei­to aos cha­ma­dos em­bar­gos in­frin­gen­tes e con­se­quen­te­men­te uma no­va aná­li­se do pro­ces­so.

O es­cân­da­lo do men­sa­lão foi re­ve­la­do pe­lo de­pu­ta­do Ro­ber­to Jef­fer­son (PTB), em 2005, quan­do o par­la­men­tar fez de­nún­ci­as so­bre a exis­tên­cia de um es­que­ma de com­pra de apoio po­lí­ti­co na Câ­ma­ra du­ran­te os pri­mei­ros anos do go­ver­no Lu­la. Em 2007, o Su­pre­mo acei­tou a de­nún­cia con­tra os en­vol­vi­dos e em 2012 te­ve iní­cio o jul­ga­men­to. é a re­a­ção da po­pu­la­ção e dos mei­os de co­mu­ni­ca­ção. Os gran­des veí­cu­los fa­zem jo­go cla­ro con­tra o PT e cla­ro que vão co­lo­car nas man­che­tes o que in­te­res­sa a eles. Vão co­lo­car na im­pren­sa o que pen­sa o do­no do jor­nal e não a po­pu­la­ção. O que vai sair na im­pren­sa é que a po­pu­la­ção vai fi­car des­con­ten­te. Para acre­di­tar res­pos­ta, pre­ci­sa­ría­mos ter pes­qui­sas para sa­ber de o que de fa­to a po­pu­la­ção achou do com­por­ta­men­to do STF nes­ta ques­tão. Uma sal­va de fo­gos pô­de ser ou­vi­da nas pro­xi­mi­da­des STF) lo­go após o mi­nis­tro Cel­so de Mel­lo en­cer­rar o vo­to que oca­si­o­na­rá um no­vo jul­ga­men­to para 12 con­de­na­dos do pro­ces­so do men­sa­lão.

Mi­nu­tos an­tes, um grupo de ma­ni­fes­tan­tes ten­tou der­ru­bar as gra­des de que iso­lam a Cor­te. A se­gu­ran­ça em fren­te ao gra­de­a­do foi re­for­ça­da com uma pri­mei­ra li­nha com­pos­ta de se­gu­ran­ças do STF e uma se­gun­da for­ma­da por Po­li­ci­ais Mi­li­ta­res.

Na la­te­ral do Tri­bu­nal tam­bém es­tão es­ta­ci­o­na­das cer­ca de dez vi­a­tu­ras da PM. Na tar­de de on­tem, cer­ca de 50 ma­ni­fes­tan­tes se reu­ni­ram em fren­te ao STF, en­tre eles 17 jo­vens com más­ca­ras. Ad­vo­ga­dos dos con­de­na­dos do men­sa­lão co­me­mo­ra­ram a de­ci­são do STF e se preparam ago­ra para ten­tar anu­lar ou, pe­lo me­nos, re­du­zir as pe­nas de seus cli­en­tes. Com isso, réus co­mo o ex-mi­nis­tro Jo­sé Dir­ceu, o ex-te­sou­rei­ro do PT, De­lú­bio Soares, e o ex-pre­si­den­te da Câ­ma­ra, João Pau­lo Cu­nha (PT-SP), po­de­rão es­ca­par da pri­são em re­gi­me fe­cha­do. “O STF hon­ra su­as me­lho­res tra­di­ções, apli­cou a Cons­ti­tui­ção Fe­de­ral e ga­ran­tiu o di­rei­to dos acu­sa­dos”, afir­mou Al­ber­to Za­cha­ri­as To­ron, ad­vo­ga­do de João Pau­lo Cu­nha.

O ad­vo­ga­do Jo­sé Luis de Oli­vei­ra já pen­sa na ab­sol­vi­ção de Jo­sé Dir­ceu para o cri­me de for­ma­ção de qua­dri­lha. Con­de­na­do a 10 anos e 10 me­ses, se Dir­ceu for ab­sol­vi­do pe­lo cri­me de qua­dri­lha, a pe­na cai pa­ra7 anos e 11 me­ses, es­ca­pan­do as­sim do re­gi­me fe­cha­do de pri­são. o ba­ru­lho to­do em evi­dên­cia, fo­mos mui­to bem na vo­ta­ção, am­pli­a­mos a ban­ca­da e ele­ge­mos a presidenta Dil­ma. Ago­ra, em 2014, com o as­sun­to pra­ti­ca­men­te en­cer­ra­do, não acre­di­to que, elei­to­ral­men­te, is­to vai atin­gir o PT ou qual­quer ou­tro par­ti­do. Po­de­mos di­zer é que em ple­no de­ba­te so­bre isso a in­ten­ção de vo­tos da presidenta Dil­ma tem au­men­ta­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.