Ven­da de ar­te­sa­na­to por ín­di­os cau­sa po­lê­mi­ca

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Ru­bia Pi­men­ta

ru­bia@odi­a­rio.com Um grupo de 50 ín­di­os cain­gan­gues dei­xou Ma­rin­gá on­tem, de ôni­bus para vol­tar para a re­ser­va on­de mo­ram, em Ma­no­el Ribas (a 190 km de Ma­rin­gá). Eles es­ta­vam hos­pe­da­dos na As­so­ci­a­ção In­di­ge­nis­ta de Ma­rin­gá (As­sin­di) ha­via 20 dias. Con­for­me re­pre­sen­tan­tes da en­ti­da­de, um no­vo grupo, da mes­ma re­gião, de­ve che­gar na pró­xi­ma se­ma­na para es­ta­dia de igual pe­río­do. Os in­dí­ge­nas se re­ve­zam na al­deia para ven­der ar­te­sa­na­tos.

Du­ran­te a pas­sa­gem dos in­dí­ge­nas, for­mou-se um de­ba­te por con­ta das cri­an­ças que eram vis­tas ven­den­do ces­tos ou pe­din­do es­mo­las nas ru­as. “Re­ce­be­mos de­ze­nas de de­nún­ci­as, mas co­mo exis­te uma le­gis­la­ção es­pe­cí­fi­ca so­bre os in­dí­ge­nas não sa­be­mos ao cer­to co­mo agir”, diz o con­se­lhei­ro­tu­te­larVan­dréFer­nan­do.

Para o pro­mo­tor de Jus­ti­ça Mau­rí­cio Ka­lashe, as cri­an­ças in­dí­ge­nas têm os mes­mos di­rei­tos que qual­quer ou­tra. “O ser hu­ma­no não tem ra­ça ou re­li­gião quan­do se tra­ta de di­rei­to fun­da­men­tal.”

Se­gun­do a co­or­de­na­do­ra da Fu­nai em Curitiba, Te­re­zi­nha Ve­lho, a le­gis­la­ção in­di­ge­nis­ta não acei­ta tal prá­ti­ca. “Quan­do ob­ser­va­da tais si­tu­a­ções, elas de­vem ser co­mu­ni­ca­das ao Con­se­lho Tu­te­lar.”

O Con­se­lho Tu­te­lar, Mi­nis­té­rio Público e en­ti­da­des in­dí­ge­nas de­vem se reu­nir, até o fim do mês, para dis­cu­tir co­mo pro­ce­der nes­ses ca­sos. “Que­re­mos to­mar pro­vi­dên­ci­as, mas que se­jam de co­mum acor­do com os in­dí­ge­nas. Nos­sa in­ten­ção é pro­te­gê-los e não pre­ju­di­cá-los.” “Co­mo exis­te le­gis­la­ção es­pe­cí­fi­ca so­bre in­dí­ge­nas não sa­be­mos ao cer­to co­mo agir”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.