Não fo­ram su­fi­ci­en­tes?

O Diario do Norte do Parana - - OPINIÃO -

O País as­sis­tiu de ca­ma­ro­te aos úl­ti­mos ca­pí­tu­los da lon­ga e tu­mul­tu­a­da no­ve­la am­bi­en­ta­da nas de­pen­dên­ci­as da mais al­ta Cor­te. O jul­ga­men­to dos réus da Ação Pe­nal 470, po­pu­lar­men­te de­no­mi­na­da co­mo “men­sa­lão”, di­re­ci­o­nou as câ­me­ras e ho­lo­fo­tes aos emi­nen­tes mi­nis­tros do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) du­ran­te to­do o pro­ces­so, mas es­pe­ci­al­men­te na fa­se fi­nal cha­mou a aten­ção pe­las ma­no­bras dos ad­vo­ga­dos de de­fe­sa dos acu­sa­dos. Após o es­ta­be­le­ci­men­to da do­si­me­tria da pe­na ago­ra os jul­ga­do­res se ve­em às vol­tas com o re­cur­so cha­ma­do em­bar­go in­frin­gen­te, que na prá­ti­ca con­ce­de o di­rei­to de um no­vo jul­ga­men­to a pe­lo me­nos dez réus. Com o aca­ta­men­to des­se pe­di­do pe­la mai­o­ria do co­le­gi­a­do, a de­ci­são fi­nal para o cum­pri­men­to efe­ti­vo das pe­nas cer­ta­men­te se­rá pro­cras­ti­na­da por um bom tem­po, dei­xan­do no ar a sen­sa­ção de im­pu­ni­da­de num mo­men­to de agi­ta­ção so­ci­al por que o País pas­sa atu­al­men­te.

Os ques­ti­o­na­men­tos se con­cen­tra­ram na le­gi­ti­mi­da­de (ou não) do re­fe­ri­do re­cur­so, uma vez que exis­tia a dis­cor­dân­cia na pró­pria Cor­te so­bre a va­li­da­de des­sa der­ra­dei­ra ação. É sa­bi­do que os in­te­gran­tes da­que­le tri­bu­nal mai­or são oriun­dos da pró­pria so­ci­e­da­de, a mes­ma em que atu­a­ram por um de­ter­mi­na­do pe­río­do, um dos re­qui­si­tos para a in­di­ca­ção ao car­go atu­al. E no ple­no exer­cí­cio de su­as fun­ções, cer­ta­men­te ti­ve­ram a in­cum­bên­cia de ana­li­sar ca­sos se­me­lhan­tes na­que­la es­fe­ra de atu­a­ção. Ima­gi­na-se, por­tan­to (por ana­lo­gia e equi­va­lên­cia) que as de­ci­sões so­bre o po­lê­mi­co jul­ga­men­to (acom­pa­nha­das em tem­po re­al pe­lo te­les­pec­ta­dor) se­jam re­ves­ti­das de to­tal im­par­ci­a­li­da­de. É o mí­ni­mo a se es­pe­rar de uma jus­ti­ça mo­ro­sa, ina­ces­sí­vel e mui­tas ve­zes des­pro­vi­da da ne­ces­sá­ria efi­cá­cia. Que se mos­tra ten­den­ci­o­sa no mo­men­to em que pri­vi­le­gia uma cas­ta es­can­ca­ra­da­men­te in­flu­en­te em de­tri­men­to do ci­da­dão co­mum e que per­mi­te in­clu­si­ve ati­tu­des pro­te­la­tó­ri­as sob as vis­tas da so­ci­e­da­de que re­pre­sen­tam tran­si­to­ri­a­men­te.

No de­cor­rer do pro­ces­so, os réus ti­ve­ram aces­so à am­pla de­fe­sa e ao con­tra­di­tó­rio. Pu­de­ram ar­ro­lar tes­te­mu­nhas, ane­xar do­cu­men­tos e ex­por à exaus­tão seus ar­gu­men­tos acer­ca das acu­sa­ções a eles im­pu­ta­das. O que não se com­pre­en­de, por­tan­to é a de­ci­são em acei­tar es­se sub­ter­fú­gio uti­li­za­do sa­bi­da­men­te para pos­ter­ga­ção de uma de­ci­são so­be­ra­na e re­co­nhe­ci­da­men­te le­gí­ti­ma, uma vez que não fo­ram apre­sen­ta­dos quais­quer fa­tos no­vos que jus­ti­fi­quem tal ini­ci­a­ti­va. O que ha­ve­ria ain­da para se dis­cu­tir na­que­le ple­ná­rio so­bre as pe­na­li­da­des apli­ca­das aos acu­sa­dos, par­tin­do-se do prin­cí­pio de que não res­ta­ram dú­vi­das quan­to a au­to­ria dos fa­tos con­ti­dos na­que­le pro­ces­so? Que in­te­res­ses ou­tros que não o es­tri­to cum­pri­men­to das nor­mas re­gi­men­tais (vi­san­do a pre­ser­var as ga­ran­ti­as cons­ti­tu­ci­o­nais do in­di­ví­duo) es­ta­ri­am por trás des­sa de­ci­são, am­pa­ra­das em ex­pla­na­ções lon­gas e com­ple­xas, re­di­gi­das num pa­la­vre­a­do ina­ces­sí­vel para a imen­sa mai­o­ria da po­pu­la­ção? Nem por um mo­men­to se­quer os mi­nis­tros vol­ta­ram seus pen­sa­men­tos para os re­cen­tes fa­tos ocor­ri­dos no país, quan­do cen­te­nas de mi­lha­res de pes­so­as pro­tes­ta­ram exi­gin­do pos­tu­ra co­e­ren­te de seus re­pre­sen­tan­tes? As vi­das per­di­das, os pre­juí­zos ma­te­ri­ais e os trans­tor­nos para o país não fo­ram su­fi­ci­en­tes para sen­si­bi­li­zar Su­as Ex­ce­lên­ci­as so­bre a ne­ces­si­da­de pre­men­te de se pas­sar o País a lim­po? Por aca­so ima­gi­nam que a re­le­vân­cia do car­go que ocu­pam atu­al­men­te os isen­tam de res­pon­sa­bi­li­da­des an­te a in­sa­tis­fa­ção po­pu­lar, a pon­to de ig­no­ra­rem o cla­mor público?

É evi­den­te que a de­ci­são em se acei­tar os em­bar­gos não im­pli­ca na ab­sol­vi­ção dos réus. Mas, o ci­da­dão fi­ca com a im­pres­são de que a jus­ti­ça pas­sa ao lar­go dos aqui­nho­a­dos pe­lo po­der, uma vez que o re­sul­ta­do do jul­ga­men­to não foi o es­pe­ra­do. Res­ta o sen­ti­men­to de in­dig­na­ção de uma na­ção in­tei­ra, mo­men­ta­ne­a­men­te im­pos­si­bi­li­ta­da de mu­dar os ru­mos de fa­tos co­mo es­se. E a res­pos­ta mais uma vez, po­de­rá vir das ru­as.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.