Pro­fes­sor de mú­si­ca re­a­ge a su­pos­to rou­bo e ma­ta jo­vem

Au­tor do cri­me afir­mou à po­lí­cia que ra­paz o te­ria ren­di­do na ma­dru­ga­da e o man­ti­do re­fém por mais de 10h. Delegado dis­se que his­tó­ria con­ta­da pe­lo pro­fes­sor é in­con­sis­ten­te

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Ro­ber­to Sil­va

rsil­va@odi­a­rio.com Um ho­mi­cí­dio ocor­ri­do no iní­cio da tar­de de on­tem as­sus­tou os mo­ra­do­res do Jar­dim Verô­ni­ca, em Ma­rin­gá. Ar­ma­do com um re­vól­ver ca­li­bre .38, o pro­fes­sor de mú­si­ca Ro­dri­go Jor­ge Ja­co­mi­ni, 27 anos, ma­tou Wil­li­an Man­to­va­ni Bu­e­no, 22, com dois ti­ros na ca­be­ça. Após o cri­me, Ja­co­mi­ni se des­lo­cou até a 9ª Sub­di­vi­são Po­li­ci­al (SDP) e con­fes­sou o ho­mi­cí­dio.

A ar­ma uti­li­za­da pe­lo pro­fes­sor foi en­con­tra­da em seu car­ro, um As­tra, que es­ta­va es­ta­ci­o­na­do no pá­tio da de­le­ga­cia. Vi­si­vel­men­te as­sus­ta­do, Ja­co­mi­ni ale­gou que Bu­e­no ten­tou as­sal­tá-lo. “Fa­lei que iria bus­car o di­nhei­ro em ca­sa, pe­guei a ar­ma e ‘fiz’ ele”, re­la­tou o pro­fes­sor.

O cri­me ocor­reu por vol­ta das 14h30, na Rua Pi­o­nei­ra Palmy­ra Tel. Mo­ra­do­res do bair­ro con­ta­ram ter vis­to um veí­cu­lo As­tra, cor pra­ta, pa­ra­do no meio da rua com dois ho­mens no in­te­ri­or, que pa­re­ci­am con­ver­sar. Pou­co de­pois, os mo­ra­do­res ou­vi­ram um es­tam­pi­do e pre­sen­ci­a­ram o mo­to­ris­ta des­cer do veí­cu­lo e ar­ras­tar um ho­mem fe­ri­do para a cal­ça­da. Após es­ten­der o cor­po so­bre um gra­ma­do, o mo­to­ris­ta sa­cou a ar­ma e des­fe­riu um ti­ro de mi­se­ri­cór­dia na ca­be­ça da ví­ti­ma. O ati­ra­dor dei­xou o lo­cal em se­gui­da.

Pri­mei­ra a che­gar no lo­cal, a Po­lí­cia Mi­li­tar en­con­trou um fras­co con­ten­do um pó bran­co se­me­lhan­te a co­caí­na no bol­so da cal­ça da ví­ti­ma. Os po­li­ci­ais ain­da ela­bo­ra­vam o bo­le­tim de ocor­rên­cia, quan­do fo­ram in­for­ma­dos que o au­tor do ho­mi­cí­dio, mo­ra­dor de uma re­si­dên- cia si­tu­a­da a me­nos de 20 me­tros do lo­cal do cri­me, es­ta­va se apre­sen­tan­do na 9ª SDP.

Apa­ren­te­men­te con­fu­so, Ja­co­mi­ni con­tou à Po­lí­cia Ci­vil que Bu­e­no o ren­deu por vol­ta das 4h em fren­te a um bar na Ave­ni­da Jus­ce­li­no Kubts­check, Vi­la Cleó­pa­tra, e pas­sa­do a exi­gir R$ 150 em di­nhei­ro. Ja­co­mi­ni afir­mou que não co­nhe­cia a Bu­e­no, mas fri­sou que o ra­paz si­mu­la­va es­tar ar­ma­do e chei­ra­va co­caí­na cons­tan­te­men­te. “Eu di­zia que não ti­nha di­nhei­ro, mas ele in­sis­tia e me man­te­ve re­fém por mais de 10h.”

Ain­da de acor­do com a ver­são apre­sen­ta­da à po­lí­cia, Ja­co­mi­ni dis­se que à tar­de con­se­guiu con­ven­cer o jo­vem a dei­xá-lo ir até a sua ca­sa para pe­gar di­nhei­ro. En­tre­tan­to, em vez do di­nhei­ro, pe­gou a ar­ma e re­tor­nou ao car­ro. “En­trei e dei um ti­ro na ca­be­ça de­le. Em se­gui­da, re­ti­rei o cor­po e dei mais um ti­ro na ca­be­ça para ter cer­te­za que ele ha­via mor­ri­do. Eu es­ta­va com me­do de ele so­bre­vi­ver e me pro­cu­rar de­pois”, jus­ti­fi­cou o pro­fes­sor.

Ja­co­mi­ni con­tou já ter si­do usuá­rio de crack e que há al­gum tem­po pa­rou de to­mar me­di­ca­ção para tra­ta­men­to de trans­tor­no bi­po­lar. Em en­tre­vis­ta a O DIÁ­RIO, ele con­fir­mou ter fu­ma­do ma­co­nha an­tes de ir ao bar e usa­do co­caí­na com ami­gos. O delegado Le­an­dro Roque Mu­nin, que in­ves­ti­ga o ca­so, acei­tou a ver­são apre­sen­ta­da pe­lo pro­fes­sor com re­ser­vas e de­ci­diu au­tuá-lo por ho­mi­cí­dio qua­li­fi­ca­do. O de­le- ga­do afir­mou que a his­tó­ria con­ta­da­pe­lo­pro­fes­so­ré­mui­toin­con­sis­ten­te e ob­ser­vou que ele te­ve du­as opor­tu­ni­da­des para fu­gir, aci­o­nar a po­lí­cia ou pe­dir so­cor­ro a ter­cei­ros,mas­não­o­fez.

João Pau­lo Santos

Cor­po de Wil­li­an Bu­e­no na cal­ça­da pró­xi­mo à ca­sa do ho­mem que con­fes­sou o as­sas­si­na­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.