Po­lí­cia in­ves­ti­ga in­cên­dio em ima­gem de Cris­to

Ca­so ocor­reu dentro da pa­ró­quia Bom Pas­tor, no Cen­tro de Man­da­gua­ri. Ima­gem de Je­sus Cris­to, es­cul­pi­da em ce­dro ro­sa, foi par­ci­al­men­te des­truí­da

O Diario do Norte do Parana - - GERAL - Le­o­nar­do Fi­lho

le­o­nar­do­fi­lho@odi­a­rio.com Um ato de van­da­lis­mo, in­to­le­rân­cia re­li­gi­o­sa ou até mes­mo um aci­den­te pro­vo­cou um cli­ma re­vol­ta en­tre os mo­ra­do­res de Man­da­gua­ri (a 37 quilô­me­tros de Ma­rin­gá). A ima­gem de Je­sus Cris­to, es­cul­pi­da em ma­dei­ra, que fi­ca dentro da pa­ró­quia Bom Pas­tor, no Cen­tro da ci­da­de, foi par­ci­al­men­te des­truí­da por um in­cên­dio. Ela está ali há qua­se dez anos. O fa­to che­gou ao co­nhe­ci­men­to dos fun­ci­o­ná­ri­os da pa­ró­quia no fim da tar­de de quar­ta­fei­ra e, ime­di­a­ta­men­te, a po­lí­cia foi comunicada.

Uma das por­tas la­te­rais da igre­ja fi­ca aber­ta to­dos os dias e a pro­cu­ra de fiéis, que vão ao lo­cal para ora­ções, é in­ten- sa. Por cau­sa des­se gran­de mo­vi­men­to, ne­nhu­ma pes­soa des­per­tou a sus­pei­ta dos fun­ci­o­ná­ri­os da ca­sa pa­ro­qui­al, que fi­ca ao la­do da igre­ja. Es­se é o se­gun­do ata­que con­tra o tem­plo, em me­nos de seis me­ses. “Sus­pei­ta­mos que se­ja a mes­ma pes­soa, por­que, na ou­tra vez, ate­a­ram fo­go em uma me­sa”, dis­se o pa­dre Ze­nil­do Me­gi­at­to, res­pon­sá­vel pe­la pa­ró­quia.

Ape­sar do fa­to, o pa­dre não pre­ten­de mu­dar a ro­ti­na e fe­char as por­tas da igre­ja, du­ran­te o dia. “Mui­ta gen­te vem re­zar “Va­mos ten­tar res­tau­rar, mas al­guns da­nos fo­ram mui­to pro­fun­dos. Se­rá um tra­ba­lho di­fí­cil, mas va­mos fa­zer o pos­sí­vel” aqui. Pre­ten­do ou­vir a co­mu­ni­da­de, mas pen­so que não vou fe­char. Na ou­tra vez, eu fe­chei e as pes­so­as re­za­vam na por­ta da igre­ja.”, co­men­tou. On­tem à tar­de, o mar­ce­nei­ro He­ros Mo­rei­ra Ba­tis­ta, que es­cul­piu a obra jun­to com o pai Beryn Ba­tis­ta, viu pe­la pri­mei­ra vez, a ima­gem da­ni­fi­ca­da.

“Fi­ze­mos es­sa ima­gem em trin­ta dias, to­da a mão, em ce­dro ro­sa, a pe­di­do do an­ti­go pa­dre. Ago­ra, va­mos ten­tar res­tau­rar, mas al­guns da­nos fo­ram mui­to pro­fun­dos. Se­rá um tra­ba­lho di­fí­cil, mas va­mos fa­zer o pos­sí­vel”, ava­li­ou o mar­ce­nei­ro. “Não dá para en­ten­der o que le­va uma pes­soa a fa­zer al­go co­mo es­se. É tris­te”, opi­nou o téc­ni­co de in­for­má­ti­ca, Ha­níl­ton Bi­ten­court, que é mo­ra­dor de Man­da­gua­ri.

Apu­ra­ção

Na igre­ja e nas pro­xi­mi­da­des do aces­so la­te­ral, não há câ­me­ras de mo­ni­to­ra­men­to. A Po­lí­cia Ci­vil (PC) da ci­da­de in­ves­ti­ga o ca­so e até o fim da tar­de de on­tem, nin­guém ha­via si­do pre­so. Para a po­lí­cia, ne­nhu­ma hi­pó­te­se é des­car­ta­da. “Po­de ter si­do pro­po­si­tal, bem co­mo po­de ter ocor­ri­do um aci­den­te com uma vela, por exem­plo. Pre­ci­sa­mos le­var em con­ta to­das as pos­si­bi­li­da­des”, ex­pli­cou o su­pe­rin­ten­den­te da De­le­ga­cia de Man­da­gua­ri, in­ves­ti­ga­dor Cláudio Vi­cen­te de Fa­ria.

In­de­pen­den­te­men­te de pri­são ou não, o pa­dre já adi­an­tou: “pe­di na mis­sa para que to­dos re­zem por quem fez isso, por­que é de ora­ção que es­sa pes­soa pre­ci­sa. Te­mos de per­do­ar es­sa pes­soa”, de­cla­rou Me­gi­at­to.

João Cláudio Fragoso

O es­cul­tor e o pa­dre ob­ser­vam os da­nos provocados pe­lo fo­go

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.