Ma­rin­ga­en­se ma­ta a mãe em AL

O Diario do Norte do Parana - - GERAL - Ro­ber­to Sil­va

rsil­va@odi­a­rio.com Pro­fes­sor da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral de Ala­go­as (Ufal), em Ara­pi­ra­ca, o ma­rin­ga­en­se Fá­bio Au­gus­to An­tea Ro­til­li, 33 anos, foi pre­so na tar­de des­ta qu­ar­ta-fei­ra, em Ma­ceió (AL), sob a acu­sa­ção de ma­tar a pró­pria mãe, Al­da Ma­ri­na An­tea, 62, que re­si­dia em Ma­rin­gá. A fri­e­za de­mons­tra­da pe­lo pro­fes­sor du­ran­te a con­fis­são do cri­me im­pres­si­o­nou a po­lí­cia e pro­vo­cou re­vol­ta nas uni­da­des pri­si­o­nais. Por ques­tão de se­gu­ran­ça, o pro­fes­sor está sen­do man­ti­do em uma ce­la re­ser­va­da e no de­cor­rer da pró­xi­ma se­ma­na de­ve­rá ser sub­me­ti­do a um exa­me psi­quiá­tri­co.

De acor­do com a Po­lí­cia Ci­vil de Ma­ceió, o cri­me ocor­reu no mu­ni­cí­pio de Sa­tu­ba, re­gião me­tro­po­li­ta­na de Ma­ceió. Acom­pa­nha­do da mãe e de uma ami­ga de­la, tam­bém mo­ra­do­ra de Ma­rin­gá, Fá­bio Ro­til­li pas­sa­va de car­ro pe­la BR-316 quan­do pas­sou a dis­cor­dar so­bre a re­to­ma­da de seu tra­ta­men­to mé­di­co para con­tro­le de trans­tor­no men­tal.

Di­an­te da in­sis­tên­cia da mãe, o pro­fes­sor pa­rou o car­ro no acos­ta­men­to e ten­tou en­for­cá-la com o cin­to de se­gu­ran­ça. As­sus­ta­da com o ata­que, a ami­ga - iden­ti­fi­ca­da ape­nas co­mo Re­ja­ne - con­se­guiu des­cer do veí­cu­lo - um Volkswa­gen New Be­a­tle - e ten­tou pe­dir aju­da a ou­tros mo­to­ris­tas. Lo­go em se­gui­da, Al­da tam­bém con­se­guiu se li­vrar da agres­são e sal­tou do car­ro. Descontrolado, Fá­bio en­ga­tou a mar­cha ré e atro­pe­lou a mãe, que caiu no as­fal­to. A par­tir daí, o pro­fes­sor pas­sou a mu­dar as mar­chas do car­ros e ace­le­rar for­te, pas­san­do ou­tras se­te ve­zes so­bre o cor­po da mãe, que mor­reu na ho­ra.

Após con­su­mar o cri­me, o pro­fes­sor fu­giu pe­la ro­do­via e só pa­rou ao che­gar na Su­pe­rin­ten­dên­cia da Po­lí­cia Ro­do­viá­ria Fe­de­ral (PRF), no bair­ro do Ta­bu­lei­ro do Martins, em Ma­ceió. Cal­ma­men­te, apro­xi­mou­se de um agen­te, iden­ti­fi­cou­se co­mo pro­fes­sor e con­fes­sou o cri­me. Pos­te­ri­or­men­te, Fá­bio ten­tou jus­ti­fi­car o ho­mi­cí­dio, ale­gan­do que nun­ca ha­via re­ce­bi­do ca­ri­nho da mãe. Ele ne­gou so­frer dis­túr­bi­os psi­quiá­tri­cos e dis­se que não to­ma­va me­di­ca­men­tos con­tro­la­dos.

Em en­tre­vis­ta a O Diá­rio, um agen­te da Cen­tral de Fla­gran­tes, ór­gão res­pon­sá­vel pe­la au­tu­a­ção do pro­fes­sor, con­tou que em mo­men­to al­gum Fá­bio de­mons­trou ar­re­pen­di­men­to pe­lo cri­me. Se­gun­do o agen­te, tes­te­mu­nhas re­la­ta­ram que en­quan­to atro­pe­la­va a mãe se­gui­das ve­zes, Fá­bio fa­zia o si­nal de po­si­ti­vo e per­gun­ta­va se ela (mãe) es­ta­va gos­tan­do.

For­ma­do em Fi­lo­so­fia na Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al de Ma­rin­gá (UEM), Ro­til­li te­ria si­do apro­va­do em um con­cur­so e tor­na­do pro­fes­sor na dis­ci­pli­na de Pro­du­ção do Co­nhe­ci­men­to, le­ci­o­na­da na área de Ci­ên­ci­as Hu­ma­nas da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral de Ala­go­as. Al­da - que se­ria pro­fes­so­ra apo­sen­ta­da e re­si­dia na Zo­na 7 - es­ta­va em Ma­ceió ape­nas para pas­sar al- guns dias com o fi­lho. À PM, Re­ja­ne con­tou que Al­da ha­via “da­do tu­do ao fi­lho”, in­clu­si­ve, o car­ro usa­do para ma­tá-la.

Ain­da de acor­do com a Po­lí­cia Ci­vil, as uni­da­des pri­si­o­nais de Ma­ceió re­cu­sa­ram re­ce­ber o pro­fes­sor, por sus­pei­ta­rem que ele so­fra de al­gum ti­po de trans­tor­no men­tal e te­me­rem por sua se­gu­ran­ça. Comunicada da si­tu­a­ção, a Jus­ti­ça de­ter­mi­nou que ele fos­se re­co­lhi­do à Ca­sa de Cus­tó­dia da Po­lí­cia Ci­vil, em Ma­ceió, on­de de­ve­rá aguar­dar por exa­mes de sa­ni­da­de men­tal. Ain­da se­gun­do a po­lí­cia, Fá­bio não con­se­guiu com­pro­var ter cur­so su­pe­ri­or ao juiz da Va­ra de Exe­cu­ções Pe­nais (VEP), mas acre­di­ta que ele de­ve­rá com­pro­var a for­ma­ção, no de­cor­rer da pró­xi­ma se­ma­na.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.