Mou­ra voa al­to

LÁ Es­treia no País a fic­ção ci­en­tí­fi­ca pós-apo­ca­líp­ti­ca “Ely­sium”, com Wag­ner Mou­ra vi­ven­do seu pri­mei­ro pa­pel em Hollywo­od; Ali­ce Bra­ga tam­bém in­te­gra elen­co en­ca­be­ça­do por Matt Da­mon

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Fa­bi­a­na Schi­a­von

A Ter­ra está no ano de 2154, sem fron­tei­ras, su­per­po­pu­la­da e ar­rui­na­da. Os ri­cos en­con­tra­ram um lu­gar me­lhor para vi­ver: “Ely­sium”, uma es­ta­ção es­pa­ci­al lu­xu­o­sa, que dá no­me ao lon­ga do ci­ne­as­ta sul-afri­ca­no Neill Blom­kamp - di­re­tor do acla­ma­do “Dis­tri­to 9” (2009). O fil­me es­treia hoje nas prin­ci­pais pra­ças de exi­bi­ção do País - Ma­rin­gá in­cluí­da.

A pro­du­ção mar­ca a es­treia de Wag­ner Mou­ra em Hollywo­od, ao la­do da tam­bém bra­si­lei­ra Ali­ce Bra­ga, já ex­pe­ri­en­te no ci­ne- ma in­ter­na­ci­o­nal. Seu per­so­na­gem é Spi­der, e ele tra­ba­lha co­mo coi­o­te - pes­soa que le­va imi­gran­tes ile­gais atra­vés das fron­tei­ras. Sua fun­ção é trans­por­tar os ex­cluí­dos até Ely­sium, nor­mal­men­te do­en­tes à bei­ra da mor­te, que con­tam com a cu­ra vin­da de tec­no­lo­gi­as dis­po­ní­veis ape­nas na es­ta­ção es­pa­ci­al. “O fil­me des­ta­ca ques­tões im­por­tan­tes, co­mo as di­fe­ren­ças so­ci­ais, mui­to co­nhe­ci­da por nós bra­si­lei­ros, e a imi­gra­ção ile­gal”, diz Mou­ra.

So­bre sua es­treia no mer­ca­do ame­ri­ca­no, Mou­ra co­men­tou: “Eu fi­co fe­liz. Re­cen­te­men­te es­cre­vi um ar­ti­go para o jor­nal ‘O Glo­bo’ em que di­zia que não ve­jo mui­ta di­fe­ren­ça en­tre su­ces­so po­pu­lar e pen­sa­men­to crí­ti­co. O ‘Ely­sium’ é um fil­me so­bre di­fe­ren­ças so­ci­ais. Não que fa­zer um fil­me que não te­nha crí­ti­ca não te­nha im­por­tân­cia por­que fiz ‘O Ho­mem do Fu­tu­ro’, que era um fil­me di­ver­ti­do, mas a mim in­te­res­sa es­sa mis­tu­ra. Gos­to de fil­mes que te­nham um público gran­de e al­go a di­zer”, dis­se.

O bra­si­lei­ro foi elo­gi­a­do pe­la crí­ti­ca nor­te-ame­ri­ca­na, que con­si­de­rou­su­ain­ter­pre­ta­ção­so­ber­ba.

Já Ali­ce Bra­ga é Frey, ami­ga de in­fân­cia de Max, pa­pel do ame­ri­ca­no Matt Da­mon. Ele cor­re ris­co de vi­da e pla­ne­ja in­va­dir Ely­sium. Ela tam­bém vê na es­ta­ção sua úni­ca es­pe­ran­ça de sal­var a fi­lha, que está à bei­ra da mor­te.

Para che­ga­rem lá, os dois con­tam com os re­cur­sos e as más in­ten­ções de Spi­der. O per­so­na­gem apro­vei­ta o de­ses­pe­ro de Max para pro­por uma mis­são. Em tro­ca de sua entrada em Ely­sium, ele te­rá de rou­bar a con­ta ban­cá­ri­a­deu­mem­pre­sá­ri­o­cor­rup­to.

Para atra­ves­sar a fron­tei­ra, eles ain­da en­fren­tam um ou­tro ini­mi­go, a se­cre­tá­ria de de­fe­sa De­la­court (Jo­die Fos­ter), implacável con­tra aque­les que ten­tam in­va­dir seu ter­ri­tó­rio.

Ex­pe­ri­ên­cia

Ali­ce Bra­ga pas­sa a his­tó­ria cor­ren­do com uma cri­an­ça no co­lo. “Ain­da bem que eu es­ta­va ma­lhan­do”, brin­ca. Para o fil­me, Ali­ce te­ve que co­lo­car em prá­ti­ca a sua ex­pe­ri­ên­cia em fil­mes de ação. Ela já es­te­ve em ou­tras pro­du­ções des­se ti­po, co­mo “Eu Sou a Len­da” (2007). “O mais en­gra­ça­do é que a gen­te tem sem­pre de es­tar ofe­gan­te­quan­do­a­câ­me­ra­li­ga.”

Or­ça­do em mais de 114 mi­lhões de dó­la­res, “Ely­sium”con­se­guiu al­can­çar o pri­mei­ro lu­gar nas bi­lhe­te­ri­as ame­ri­ca­nas em seu fim de se­ma­na de es­treia, mas os US$ 30,5 mi­lhões ar­re­ca­da­dos pe­lo fil­me de sex­ta a do­min­go fi­ca­ram abai­xo das ex­pec­ta­ti­vas dos es­tú­di­os Sony Pic­tu­res. Em com­pa­ra­ção, “Dis­tri­to 9”, pri­mei­ro fil­me do en­tão des­co­nhe­ci­do Blom­kamp, ar­re­ca­dou US$ 37,4 mi­lhões no pri­mei­ro fim de se­ma­na. “Dis­tri­to 9” cus­tou ape­nas US$ 30 mi­lhões. Até ago­ra, “Ely­sium” ar­re­ca­dou R$ 90 mi­lhões nos EUA e de­pen­de do su­ces­so de sua bi­lhe­te­ria no res­to do mun­do para dar lu­cro.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.