Cha­cal sol­ta

Íco­nes da po­e­sia bra­si­lei­ra con­tem­po­râ­nea, Antonio Ci­ce­ro e Cha­cal re­fle­tem so­bre o le­ga­do da po­e­sia oi­ten­tis­ta nes­ta sex­ta-fei­ra, no Sesc, com entrada grátis

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Ale­xan­dre Gai­o­to

gai­o­to@odi­a­rio.com Não es­pe­re ne­nhum for­ma­lis­mo na es­cri­ta de Cha­cal: “Ao di­a­bo com es­sa po­e­sia”, res­pon­de, por email. Se seus po­e­mas são es­cri­tos com bo­as do­ses de hu­mor, pra­ti­ca­men­te to­dos em le­tras mi­nús­cu­las - in­clu­si­ve os subs­tan­ti­vos pró­pri­os - e com o mí­ni­mo de pon­tu­a­ção, vez ou ou­tra com um pu­nha­do de abre­vi­a­ções, su­as res­pos­tas tam­bém sur­gem des­sa for­ma no e-mail da en­tre­vis­ta: é o es­ti­lo, ora bo­las, de um dos mai­o­res po­e­tas bra­si­lei­ros­vi­vos.

Íco­ne da Ge­ra­ção Mi­meó­gra­fo, o po­e­ta “mar­gi­nal” reu­niu sua po­e­sia com­ple­ta (13 tí­tu­los) no pri­mo­ro­so “Bel­ve­de­re”, da Co­sac Naify. Hoje à noi­te, o po­e­ta e le­tris­ta ca­ri­o­ca Cha­cal (ba­ti­za­do Ricardo de Car­va­lho Duarte) re­fle­te so­bre as le­tras con­tem­po­râ­ne­as e o le­ga­do dos ver­sos oi­ten­tis­tas, ao la­do do po­e­ta, fi­ló­so­fo e le­tris­ta ca­ri­o­ca Antonio Ci­ce­ro: um en­con­tro iné­di­to em Ma­rin­gá.

Em en­tre­vis­ta ao Diá­rio, Cha­cal co­men­ta so­bre seu pro­ces­so de cri­a­ção, elo­gia o Fa­ce­bo­ok, re­co­nhe­ce o hu­mor em sua li­te­ra­tu­ra e com­pa­ra as di­fi­cul­da­des dos no­vos­po­e­tas­com­re­la­ção­a­os­com- pa­nhei­ros da sua ge­ra­ção: “o bom po­e­ma­sem­pre­a­pa­re­ce”,ga­ran­te. O DIÁ­RIO Vo­cê co­me­çou a es­cre­ver por pra­zer?

sem­pre, mes­mo quan­do eram re­da­ções para o co­lé­gio. a pa­la­vra es­cri­ta sem­pre foi uma pai­xão.

CHA­CAL

Foi di­fí­cil en­con­trar a sua voz pró­pria? não foi mui­to, não. a tra­di­ção nun­ca me opri­miu. li poucos clás­si­cos. mi­nhas re­fe­rên­ci­as eram mais mu­si­cais. as le­tras de mú­si­ca. Co­mo vo­cê che­gou à téc­ni­ca da po­e­sia? len­do e es­cre­ven­do, que são as du­as prá­ti­cas fun­da­men­tais para o po­e­ta. de pre­fe­rên­cia, len­do em voz al­ta. e es­cre­ven­do sem gra­va­ta: “não adi­an­ta es­cre­ver bem se vo­cê não tem o que di­zer se vo­cê tem o que di­zer é bom es­cre­ver bem. ler ler ler ler li­vros que são de lei li­vros que são de ler para me­lhor es­cre­ver” O que mu­dou na sua li­te­ra­tu­ra de “Mui­to Pra­zer, Ricardo” (1971) até seu úl­ti­mo li­vro de po­e­sia, “Mu­run­dum” (2012)? mais con­sis­tên­cia, es­tru­tu­ra, em­bo­ra as mu­dan­ças não se­jam mui­tas. não te­nho mui­ta isen­ção para fa­lar dos meus po­e­mas. Há al­guns ro­man­cis­tas que pre­ci­sam es­cre­ver diariamente, nem que o mí­ni­mo de poucos ca­rac­te­res, se­não per­dem o em­ba­lo da nar­ra­ti­va. Co­mo é na área da po­e­sia? É pos­sí­vel pro­du­zir po­e­ma s des­se jei­to? quan­do mais vc es­cre­ver, mais vc pe­ga a ma­nha. eu es­cre­vo diariamente no fa­ce­bo­ok, que é um veí-

cu­lo óti­mo pra po­e­sia. Por que vo­cê nun­ca es­cre­veu um ro­man­ce? es­cre­vi mi­nha bi­o­gra­fia. es­cre­vi pe­que­nos li­vros q são prosa poé­ti­ca, co­mo “Qu­am­pé­rius” (1977) e “Pre­ço da Pas­sa­gem” (1972), mui­to ins­pi­ra­dos em joão mi­ra­mar e se­ra­fim pon­te gran­de, do mes­tre oswald de an­dra­de. O hu­mor é um dos tra­ços mar­can­tes da sua li­te­ra­tu­ra. Ao es­cre­ver, vo­cê to­ma cui­da­do com ele, com o ex­ces­so de hu­mor – ou isso nun­ca te pre­o­cu­pou? não gos­to de re­fre­ar o hu­mor. se­não per­de a gra­ça. mas tb não es­can­ca­ro. gos­to mais da le­ve­za e da es­tra­nhe­za do que do hu­mor. Co­mo vo­cê ava­lia o hu­mor na sua obra e na po­e­sia bra­si­lei­ra con­tem­po­râ­nea? na mi­nha obra é fun­da­men­tal. acho que que­bra com a so­le­ni­da­de e for­ma­li­da­de da po­e­sia, que sem­pre se quer mui­to im­por­tan­te. ao di­a­bo com es­sa po­e­sia. gos­to mais de zu­ca sar­da­na, de an­gé­li­ca de frei­tas, de bruno brum, de bruna be­ber. o pri­mei­ro um de­ca­no do non sen­se. e os tres úl­ti­mos, meus­xo­dós­deho­je­em­dia. Na Ge­ra­ção Mi­meó­gra­fo, to­do mun­do era es­cri­tor: bas­ta­va es­cre­ver, im­pri­mir e dis­tri­buir as pá­gi­nas. Com os blogs, o mes­mo ce­ná­rio: o su­jei­to es­cre­ve, faz um blog e di­vul­ga na re­de. Só que nos blogs, há um nú­me­ro ain­da mai­or de as­pi­ran­tes a es­cri­to­res pro­du­zin­do contos, po­e­mas e ro­man­ces – com uma qua­li­da­de, aliás, bem ques­ti­o­ná­vel. Se vo­cê es­ti­ves­se co­me­çan­do hoje, acha que se­ria mais fá­cil ou mais di­fí­cil de ser re­co­nhe­ci­do, em meio a tan­tos es­cri­to­res de in­ter­net se en­gal­fi­nhan­do em bus­ca de es­pa­ço na re­de, do que na épo­ca dos mi­meó­gra­fos? o po­e­ta com o mes­mo ta­len­to que ele faz para cri­ar um po­e­ma, ele de­ve ter para se fa­zer apa­re­cer. co­mi­go foi com o mi­meó­gra­fo, de­pois com a fa­la dos po­e­mas. mas o bom po­e­ma sem­pre apa­re­ce. A aca­de­mia não re­co­nhe­ceu a Po­e­sia Mar­gi­nal quan­do ela foi pa­ri­da. Mas hoje há di­ver­sas te­ses aca­dê­mi­cas so­bre aque­les es­cri­to­res, in­clu­si­ve so­bre vo­cê. Foi in­com­pe­tên­cia do uni­ver­so aca­dê­mi­co? E o que vo­cê acha des­se re­co­nhe­ci­men­to aca­dê­mi­co tar­dio – há te­ses que vo­cê che­ga a re­jei­tar e dis­cor­dar ve­e­men­te­men­te? faz par­te do uni­ver­so aca­dê­mi­co, de­mo­rar a re­co­nhe­cer o no­vo. ele está pre­o­cu­pa­do em es­tar sem­pre re­a­fir­man­do o câ­no­ne. a po­e­sia mar­gi­nal mais ra­di­cal não di­a­lo­ga­va com o câ­no­ne e sim com ou­tros au­to­res mar­gi­nais co­mo oswald, os tro­pri­ca­lis­tas, a po­e­sia be­at, o rock, etc. a aca­de­mia não en­con­tra re­fe­rên­ci­as. creio que ela atro­fi­ou o sen­tir em fun­ção do ra­ci­o­ci­nar. cla­ro que há sem­pre uma ca­deia de re­fe­rên­ci­as, ecos da­qui e da­li. mas isso não é o mais im­por­tan­te no po­e­ma. o po­e­ma é se­du­ção fei­ta de sons e ima­gens.

Di­vul­ga­ção

Cha­cal: “O po­e­ma é se­du­ção fei­ta de sons e ima­gens”

Po­li­a­na Bol­qui

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.