‘Di­ga Não’ , da Fan­to­kids é atra­ção no Bar­ra­cão

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

Quan­do Ca­e­ta­no Ve­lo­so e Gil­ber­to Gil par­ti­ram para o exí­lio em Lon­dres, na­que­les lou­cos e vi­o­len­tos anos ses­sen­ta, en­con­tra­ram por lá um jo­vem es­tu­dan­te de fi­lo­so­fia, cha­ma­do Antonio Cí­ce­ro. Ra­pi­da­men­te vi­ra­ram ami­gos. Anos de­pois, Phi­lip Glass, um dos mai­o­res com­po­si­to­res clás­si­cos con­tem­po­râ­ne­os, leu um po­e­ma de Antonio Ci­ce­ro e re­sol­veu mu­si­cá-lo. Com his­tó­ri­as tão fol­cló­ri­cas, o ca­ra cer­to na ho­ra cer­ta, pe­ço que Ci­ce­ro con­te al­gu­ma des­sas his­tó­ri­as, emo­ci­o­nan­tes ou en­gra­ça­das, en­vol­ven­do Ca­e­ta­no, Gil e Glass. A res­pos­ta sur­ge ain­da mais sur­pre­en­den­te. “No mo­men­to não con­si­go me lem­brar de na­da tão in­te­res­san­te. Às ve­zes, quan­do a gen­te me­nos es­pe­ra, lem­bra; e quan­do quer, não lem­bra des­sas coi­sas”, res­pon­deu.

Trai­do­ra e pi­lan­tra, a me­mó­ria de Ci­ce­ro po­de não ser das me­lho­res, mas seus ver­sos são. Fi­ló­so­fo e le­tris­ta, ele é apon­ta­do co­mo uma das gran­des vo­zes da po­e­sia bra­si­lei­ra. Au­tor tar­dio, pu­bli­cou seus pri­mei­ros ver­sos em “Guar­dar”(1996), aos 51 anos.

“Eu era tí­mi­do, in­se­gu­ro, e não mos­tra­va meus po­e­mas para nin­guém. Mui­ta gen­te se ar­re­pen­de de seus li­vros de ju­ven­tu­de. Eu me or­gu­lho do meu pri­mei­ro li­vro”, ava­lia.

Fi­na­lis­ta do Prê­mio Ja­bu­ti, Ci­ce­ro con­cor­re na ca­te­go­ria po­e­sia com “Por­vir”, que, se­gun­do seu ami­go Ca­e­ta­no Ve­lo­so, é o me­lhor li­vro de­le. E Ci­ce­ro con­cor­da. “A obra é uma reu­nião dos me­lho­res po­e­mas que es­cre­vi nos úl­ti­mos tem­pos”, ava­lia.

Fi­ló­so­fo, Ci­ce­ro não vê co­mo es­sen­ci­al a lei­tu­ra dos ca­lha­ma­ços de Sar­tre e Spi­no­za aos jo­vens es­cri­to­res. “To­do o ser e to­do o sa­ber do po­e­ta é ca­paz de en­trar nos po­e­mas que es­cre­ve, mas acho que, para a for­ma­ção do po­e­ta, a lei­tu­ra de po­e­sia e de li­te- ra­tu­ra em ge­ral é mais im­por­tan­te do que a lei­tu­ra de tex­tos de fi­lo­so­fia”, acon­se­lha.

Au­tor de um pu­nha­do de hits da Ma­ri­na Li­ma (“Full­gás”, “Virgem”), de quem é ir­mão, Ci­ce­ro é um le­tris­ta solitário. Um dos ra­ros mo­men­tos de pausa des­sa so­li­dão foi ter es­cri­to em par­ce­ria com o tam­bém po­e­ta Waly Sa­lo­mão to­das as can­ções do ál­bum “Zo­na de Fron­tei­ra”, de João Bos­co. O que dá mais tra­ba­lho, po­e­sia ou le­tra? As du­as coi­sas.

“Tu­do dá tra­ba­lho, mas fa­zer um po­e­ma ou es­cre­ver uma le­tra é um tra­ba­lho que ora se con­fun­de com uma lu­ta, ora com fa­zer amor. O po­e­ma, nor­mal­men­te, não dá di­nhei­ro ne­nhum. A le­tra, se fi­zer su­ces­so, po­de ser que dê. Mas não es­cre­vo po­e­sia ou le­tra por di­nhei­ro, e sim por amor”, diz. En­tre a lu­ta e o amor, a fi­lo­so­fia e a li­te­ra­tu­ra, Ci­ce­ro fa­la mais so­bre seu fa­zer li­te­rá­rio hoje à noi­te, ao la­do do po­e­ta e le­tris­ta ca­ri­o­ca Cha­cal ( Quem sa­be, no Sesc, a me­mó­ria de Ci­ce­ro re­cor­de al­gu­mas his­tó­ri­as an­to­ló­gi­cas, pe­lo me­nos com Phi­lip Glass. A Cia Fan­to­kids, de Ma­rin­gá, apre­sen­ta o es­pe­tá­cu­lo “Di­ga Não”, às 20h30, no Te­a­tro Bar­ra­cão. O te­a­tro de bo­ne­cos con­ta a his­tó­ria de um me­ni­no que se per­de no ca­mi­nho para a es­co­la.Um es­tra­nho ten­ta le­var o ga­ro­to a con­su­mir e ven­der dro­gas. “Di­ga Não” tem co­mo ob­je­ti­vo com­ba­ter o trá­fi­co de dro­gas por me­no­res. A apre­sen­ta­ção faz par­te do Con­vi­te ao Te­a­tro. Os in­gres­sos, grátis, de­vem ser re­ti­ra­dos com meia ho­ra de an­te­ce­dên­cia na bi­lhe­te­ria do te­a­tro.

(Ariá­diny Ri­nal­di)

Di­vul­ga­ção

Antonio Ci­ce­ro, que par­ti­ci­pa da Se­ma­na Li­te­rá­ria: fi­na­lis­ta do Ja­bu­ti

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.