Springs­te­en to­ca Raul em SP

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Tha­les de Me­ne­zes

Du­ran­te mais de três ho­ras na noi­te de qu­ar­ta-fei­ra, o can­tor e com­po­si­tor Bru­ce Springs­te­en mos­trou à pla­teia pau­lis­ta­na o que os nor­te-ame­ri­ca­nos já sa­bem há qu­a­tro dé­ca­das: ele faz ao vi­vo a per­for­man­ce mais ele­tri­zan­te do rock. Para uma mul­ti- dão que não che­gou à lo­ta­ção má­xi­ma de 8.000 lu­ga­res no Es­pa­ço das Amé­ri­cas, Springs­te­en se en­tre­gou to­tal­men­te, com as prin­ci­pais mú­si­cas de sua car­rei­ra, mui­ta sim­pa­tia, brin­ca­dei­ras in­ter­mi­ná­veis com o público e o im­pac­to ful­mi­nan­te de abrir o show can­tan­do “So­ci­e­da­de Al­ter­na­ti­va”, de Raul Sei­xas.

Quan­do ele en­trou no pal­co e can­tou por qu­a­tro ve­zes o re­frão da mú­si­ca, a pla­teia já se ren­deu à es­per­ta ho­me­na­gem. O que nin­guém po­de­ria ima­gi­nar era que ele iria pros­se­guir e can­tar a le­tra in­tei­ra, to­dos os ver­sos em um por­tu­guês bem ra­zoá­vel.

O público ain­da es­ta­va per­ple­xo com a aber­tu­ra quan­do, na qu­ar­ta mú­si­ca do show, Springs­te­en foi até uma pas­sa­re­la es­trei­ta que di­vi­dia as pla­tei­as pre­mium e nor­mal. Can­tou ali, no meio do público, e de­pois pe­diu para ser car­re­ga­do de vol­ta ao pal­co. Dei­tou-se so­bre a mas­sa e, num de­mo­ra­do ri­tu­al, foi trans­por­ta­do por mãos alu­ci­na­das.

A in­te­ra­ção com a au­di­ên­cia foi to­tal. O público man­te­ve uma tra­di­ção dos shows do can­tor, que é le­var car­to­li­nas que exi­bem o no­me das mú­si­cas que de­se­jam ou­vir. E Springs­te­en aten­deu a vá­ri­os pe­di­dos, o que dei­xou a a apre­sen­ta­ção com mui­tas can­ções de seu ál­bum mais po­pu­lar no Bra­sil, “Born in the U.S.A.”, de 1984, com “No Sur­ren­der”, “Bobby Je­an”, “Dar­ling­ton County” e “Wor­king on a Highway”.

Pes­so­as cho­ra­ram quan­do ele can­tou a ba­la­da “The Ri­ver”, aber­ta e en­cer­ra­da com Springs­te­en to­can­do gai­ta. Pes­so­as pu­la­ram com dois hi­nos de 1978, “Ba­dlands” e “The Pro­mi­sed Land”. E pes­so­as su­bi­ram no pal­co, co­mo vá­ri­as ga­ro­tas (en­tre elas uma me­ni­ni­nha que ten­tou can­tar com ele em mo­men­to fo­fo do show).

Pe­di­do de ca­sa­men­to

Ele dei­xou que um ra­paz ame­ri­ca­no na pla­teia su­bis­se ao pal­co com a na­mo­ra­da e fi­zes­se ali um pe­di­do for­mal de ca­sa­men­to. Foi acei­to e aben­ço­a­do pe­lo can­tor. En­so­pa­do de su­or, Springs­te­en re­ser­vou uma sequên­cia ma­ta­do­ra de clás­si­cos para en­cer­rar a noi­te: “Born in the U.S.A.” (1984), “Born to Run” (1975), “Dan­cing in the Dark” (1984) e “Tenth Ave­nue Fre­e­ze-Out” (1975).

Es­ta úl­ti­ma foi uma ho­me­na­gem ao sa­xo­fo­nis­ta Cla­ren­ce Cle­mons (1942-2011). A le­tra fa­la do en­con­tro do can­tor com o mú­si­co que o acom­pa­nhou por dé­ca­das, ago­ra subs­ti­tuí­do por seu fi­lho no sax da E Stre­et Band.

Na saí­da da ca­sa pau­lis­ta­na, a ex­pres­são de sa­tis­fa­ção da pla­teia era evi­den­te. To­dos co­lo­ca­vam fé na pro­mes­sa que Springs­te­en fez, de vol­tar lo­go ao Bra­sil. An­tes des­te show e da apre­sen­ta­ção que fa­rá ama­nhã no Rock in Rio, ele es­te­ve ape­nas uma vez no país, há 25 anos, co­mo par­ti­ci­pan­te da tur­nê da Anis­tia In­ter­na­ci­o­nal, mas sem dar um show com­ple­to. Ele di­vi­diu a pro­gra­ma­ção no es­tá­dio do Palmeiras, em São Pau­lo, com Sting, Tracy Chap­man, Pe­ter Ga­bri­el e ou­tras atra­ções.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.