A água é um di­rei­to hu­ma­no?

O Diario do Norte do Parana - - OPINIÃO -

Cu­ri­o­so co­mo exis­tem coi­sas que dão uma enor­me vol­ta du­ran­te anos e vol­tam ao pon­to de par­ti­da. Di­go is­to por­que, des­de 2005, que o en­tão pre­si­den­te da Nes­tlé, o aus­tría­co Pe­ter Bra­beck, de­fen­de a te­se que a água de­ve­ria ser pri­va­ti­za­da, pois, des­ta for­ma, ha­ve­ria mai­or cons­ci­en­ti­za­ção so­bre sua im­por­tân­cia.

Ele ale­ga que mui­ta gen­te não dá va­lor, pois a água é de gra­ça. Para ele a água não é um di­rei­to do ser hu­ma­no e de­ve­ria ser tra­ta­da co­mo um com­bus­tí­vel ou ou­tra mer­ca­do­ria qual­quer, com pre­ços su­jei­tos às flu­tu­a­ções de mer­ca­do.

Du­ran­te a sua ges­tão, a Nes­tlé se con­so­li­dou co­mo líder mundial de ven­da de água en­gar­ra­fa­da e tem in­ves­ti­do pe­sa­do na aqui­si­ção de pe­que­nas em­pre­sas ex­plo­ra­do­ras de água mi­ne­ral e áre­as com ma­nan­ci­ais. Ago­ra, du­ran­te uma en­tre­vis­ta em 2013 ao In­ter­na­ti­o­nal Ins­ti­tu­te for Ma­na­ge­ment De­ve­lop­ment (IMD), es­te em­pre­sá­rio, que con­ti­nua co­mo pre­si­den­te do Con­se­lho da Nes­tlé, vol­ta ao as­sun­to e diz que os go­ver­nos de to­do o mun­do de­vem ava­li­ar es­sa pri­va­ti­za­ção com ur­gên­cia. Tam­bém aler­ta que o mes­mo com os ali­men­tos e de­fen­de o uso de ali­men­tos ge­ne­ti­ca­men­te mo­di­fi­ca­dos co­mo uma so­lu­ção.

Por ou­tro la­do, te­mos a opi­nião de es­pe­ci­a­lis­tas con­trá­ri­os aos ali­men­tos mo­di­fi­ca­dos, que de­fen­dem que o pro­ble­ma é o mo­de­lo de uma agri­cul­tu­ra trans­for­ma­da em in­dús­tria, on­de se bus­ca o lu­cro a qual­quer cus­to, além da má dis­tri­bui­ção e uti­li­za­ção dos ali­men­tos.

Vol­tan­do às águas, te­mos o exem­plo da atu­a­ção da Nes­tlé, na ci­da­de de São Lou­ren­ço (MG), on­de exis­ti­am as águas mi­ne­rais fa­mo­sas por su­as pro­pri­e­da­des me­di­ci­nais. De­pois que com­pra­ram o Par­que das Águas e re­ce­be­ram a con­ces­são de ex­plo­rar o sub­so­lo, mudaram as ca­rac­te­rís­ti­cas das águas, re­bai­xa­ram em vá­ri­os me­tros os po­ços e pas­sa­ram a ex­trair quan­ti­da­des enor­mes de água. Tam­bém fi­ze­ram mo­di­fi­ca­ções quí­mi­cas e trans­for­ma­ram uma ex­ce­len­te água mi­ne­ral em uma água “pu­ri­fi­ca­da”.

Di­ver­sas or­ga­ni­za­ções da ci­da­de vêm com­ba­ten­do es­sa prá­ti­ca há anos, mas, cu­ri­o­sa­men­te, es­sa bri­ga con­tra a empresa em São Lou­ren­ço tem mui­to mais di­vul­ga­ção na Eu­ro­pa e na pró­pria Suí­ça do que no Bra­sil. Atu­al­men­te es­ses gru­pos de de­fe­sa das águas mi­ne­rais so­li­ci­ta­ram ao Mi­nis­té­rio Pu­bli­co a aber­tu­ra de inqué­ri­to con­tra a Nes­tlé e a cas­sa­ção de sua con­ces­são.

A ques­tão da água tem du­as abor­da­gens: uma fo­ca­da no mer­ca­do e ou­tra no ser­vi­ço público. Se­rá que fi­ca­re­mos nas mãos de pou­cas gran­des em­pre­sas, do­nas das ver­ten­tes, das fon­tes e que vão di­tar quan­ta água po­de­mos be­ber, qual o ti­po de água e a que pre­ço? Afi­nal de con­tas, a água é um di­rei­to hu­ma­no ou não? Para a Nes­tlé, não é.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.