Po­e­tas vão para o tron­co

MOS­TRA No Dia da Ár­vo­re, pro­je­to Um Po­e­ma em Ca­da Ár­vo­re reú­ne ver­sos de au­to­res ma­rin­ga­en­ses; obras se­rão ex­pos­tas em ár­vo­res da pra­ça Na­po­leão Mo­rei­ra da Sil­va

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Wi­la­me Prado

wi­la­me@odi­a­rio.com Em uma das cenas mais be­las da no­ve­la “Sa­ra­man­daia” (adap­ta­ção de Ricardo Li­nha­res ins­pi­ra­da em tex­to de Dias Go­mes), em exi­bi­ção na Re­de Glo­bo, os cor­pos de Can­di­nha (Fernanda Montenegro) e Ti­bé­rio (Tar­cí­sio Mei­ra) se trans­for­mam em tron­co, os bra­ços vi­ram ga­lhos e eles se tor­nam uma úni­ca ár­vo­re. Po­e­sia pu­ra. Ár­vo­res com­bi­nam com po­e­mas. E po­e­mas ca­em bem em ár­vo­res. Por que não jun­tar am­bos, en­tão? Isso acon­te­ce no pro­je­to Um Po­e­ma em Ca­da Ár­vo­re, cu­ja se­gun­da edi­ção acon­te­ce hoje, o Dia da Ár­vo­re, em 70 mu­ni­cí­pi­os bra­si­lei­ros, in­cluin­do Ma­rin­gá – sem­pre mui­to elo­gi­a­da co­mo sen­do uma ci­da­de das mais ar­bo­ri­za­das do País.

Sob co­or­de­na­ção lo­cal do es­cri­tor e pro­fes­sor Mar­co Hrus­ch­ka, 27 anos, 36 ár­vo­res da Pra­ça Na­po­leão Mo­rei­ra da Sil­va (co­nhe­ci­da co­mo a Pra­ça das Per­nam­bu­ca­nas), no Cen­tro, pro­por­ci­o­na­rão mais do que som­bra e ar pu­ro, das 8h às 18h des­te sá­ba­do: ofe­re­ce­rão ain­da li­ris­mo com os po­e­mas fi­xa­dos em seus tron­cos para quem pas­sar por ali po­der ler o que es­cri­to­res ma­rin­ga­en­ses têm a di­zer so­bre amor, na­tu­re­za, pre­con­cei­tos, mor­te e ou­tros te­mas .

“Um po­e­ma em uma ár­vo­re por si só já é al­go poé­ti­co. To­da­via, a po­e­sia e ar­te em ge­ral de­vem ser pro­pa­ga­das não im­por­ta por qual meio se­ja. De ma­nei­ra es- cri­ta ou pe­la ora­li­da­de, co­mo se fa­zia an­ti­ga­men­te, a po­e­sia tem o po­der de trans­for­mar as pes­so­as. É a mais pro­fun­da ex­pres­são sen­ti­men­tal do ser hu­ma­no ou a sua crí­ti­ca pe­ran­te aqui­lo que o in­co­mo­da. Faz re­fle­tir, faz sen­tir. O fa­to de a po­e­sia es­tar em con­ta­to com a na­tu­re­za, im­pres­sa em pa­pel re­ci­cla­do, pen­du­ra­da em uma ár­vo­re e em uma pra­ça pú­bli­ca faz com que ela se apro­xi­me ain­da mais das pes­so­as”, diz Hrus­ch­ka.

Au­tor de “Ten­ta­ção” (2010) – li­vro de es­treia que reú­ne di­ver­sos po­e­mas –, o or­ga­ni­za­dor do pro­je­to em Ma­rin­gá mos­tra­rá em uma das ár­vo­res o po­e­ma “A Na­tu­re­za Con­tra-Ata­ca”, tex­to crí­ti­co ao mo­do co­mo o ser hu­ma­no age com re­la­ção à na­tu­re­za.

Hrus­ch­ka diz que a he­te­ro­ge­nei­da­de no per­fil dos po­e­tas par­ti­ci­pan­tes mar­ca es­ta edi­ção do pro­je­to. “Há po­e­mas de es­cri­to­res com li­vros pu­bli­ca­dos, os imor­tais da Aca­de­mia (Ma­rin­ga­en­se de Le­tras), pas­san­do pe­los no­vos es­cri­to­res, até che­gar a pes­so­as que nun­ca ha­vi­am pu­bli­ca­do ou até mes­mo es­cri­to um po­e­ma. Tem um alu­no meu que vai par­ti­ci­par, o Bruno, ele tem ape­nas 14 anos. É a pri­mei­ra vez que al­guém o in­cen­ti­va a es­cre­ver e a pu­bli­car. A opor­tu­ni­da­de está aí para to­dos.”

Com a es­pe­ran­ça de que não cho­va co­mo no ano pas­sa­do (as fo­lhas com os po­e­mas ti­ve­ram que ser pro­te­gi­das por en­ve­lo­pes plás­ti­cos trans­pa­ren­tes, na oca­sião), Hrus­ch­ka anun­cia no­vas ati­vi­da­des para o Um Po­e­ma em Ca­da Ár­vo­re ma­rin­ga­en­se: além dos po­e­mas pre­ga­das em ár­vo- res, de­cla­ma­ção de po­e­sia e do­a­ção de li­vros. “O po­e­ta po­de le­var seus li­vros para do­ar para os lei­to­res/pas­san­tes. Al­guns, co­mo eu, a Lu Oli­vei­ra e a Ve­ra Mar­gut­ti, já re­ser­va­mos al­guns exem­pla­res. Além dis­so, o es­cri­tor que es­ti­ver pre­sen­te po­de­rá reu­nir pes­so­as e re­ci­tar o seu po­e­ma. No fi­nal, só o fa­to de os es­cri­to­res se reu­ni­rem para um ba­te-papo en­tre si e com os lei­to­res já se­rá mui­to le­gal.”

Rocky Bal­boa

Pres­tes a lan­çar o seu se­gun­do li­vro, “Po­e­mas Para Quem Não Me Quer” (Edi­to­ra Mul­ti­fo­co), o es­cri­tor ma­rin­ga­en­se Nel­son Ale­xan­dre par­ti­ci­pa pe­la se­gun­da vez do Um Po­e­ma em Ca­da Ár­vo­re. As­sim co­mo no ano pas­sa­do, quan­do es­co­lheu ho­me­na­ge­ar na po­e­sia um de seus he­róis dos qua­dri­nhos – o Ho­mem Ara­nha – es­te ano é a vez do he­rói do cinema Rocky Bal­boa.

O po­e­ma “Vo­cê Sa­be Quem Vo­cê É”, nes­te mo­men­to dis­po­ní­vel em al­gu­ma das ár­vo­res da Pra­ça Na­po­leão Mo­rei­ra da Sil­va, foi es­cri­to em 2003 por Nel­son Ale­xan­dre e só ago­ra foi ofe­re­ci­do aos lei­to­res. O tex­to é ini­ci­a­do com a ci­ta­ção de uma das fra­ses cé­le­bres do per­so­na­gem cri­a­do e in­ter­pre­ta­do por Syl­ves­ter Stal­lo­ne: “A úl­ti­ma coi­sa que en­ve­lhe­ce é o co­ra­ção.”

Di­vul­ga­ção

Ga­ro­to lê po­e­ma ex­pos­to em ár­vo­re na pri­mei­ra edi­ção do Um Po­e­ma em Ca­da Ár­vo­re, no ano pas­sa­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.