João Gil­ber­to sai na fren­te

Vi­o­lo­nis­ta, can­tor e mi­to da mú­si­ca bra­si­lei­ra de­ci­de re­mas­te­ri­zar a seu gos­to e co­lo­car no mer­ca­do, em for­ma de CD, seus qu­a­tro pri­mei­ros LPs, al­vo de dis­pu­ta ju­di­ci­al

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Ju­lio Ma­ria

João Gil­ber­to não quer es­pe­rar mais. Aos 82 anos, de­ci­diu re­mas­te­ri­zar co­mo bem en­ten­der e re­co­lo­car no mer­ca­do o quan­to an­tes seus dis­cos “Che­ga de Sau­da­de” (1959), “O Amor, o Sor­ri­so e a Flor” (1960) e “João Gil­ber­to” (1961), além de “João Gil­ber­to Can­tan­do as Mú­si­cas do Fil­me Or­feu do Car­na­val” (1961). To­dos eles es­tão no cen­tro de uma dis­pu­ta ju­di­ci­al en­vol­ven­do o ar­tis­ta e sua gravadora, a EMI, des­de os anos 80. João acu­sa­va a gravadora de ter su­mi­do com su­as gra­va­ções ori­gi­nais e su­ca­te­a­do­su­a­o­bra, ma­sum­lau­do­téc­ni­co ela­bo­ra­do a pe­di­do da Jus­ti­ça pe­lo pro­du­tor Mar­co Maz­zo­la mos­trou que as gra­va­ções são mes­mo ori­gi­nais, que as fi­tas não se de­te­ri­o­ra­ram com o tem­po e que não fo­ram adul­te­ra­das. Em ma­té­ria pu­bli­ca­da no dia 24 de ju­lho, o jor­nal O Es­ta­do de S Pau­lo an­te­ci­pou que as pri­mei­ras con­clu­sões téc­ni­cas ab­sol­vi­am a gravadora de adul­te­ra­ção­do­ma­te­ri­al.

Em­bo­ra o pro­ces­so não te­nha che­ga­do ao fim, João já pro­vi­den­cia, se­gun­dos seus re­pre­sen­tan­tes, o re­lan­ça­men­to de seus dis- cos, que não fo­ram mais para o mer­ca­do des­de o fim dos anos 80, quan­do a bri­ga co­me­çou. Os três ál­buns for­mam aqui­lo que é co­nhe­ci­do co­mo a ‘san­tís­si­ma trin­da­de’ du­ran­te o pro­ces­so de for­ma­ção da bos­sa no­va, no iní­cio dos anos 60. Di­an­te da no­tí­cia, a gravadora EMI faz um aler­ta: “Se eles fi­ze­rem isso (lan­ça­rem o ma­te­ri­al), es­ta­rão to­man­do uma de­ci­são pro­vi­só­ria da Jus­ti­ça co­mo de­ci­são de­fi­ni­ti­va. E aí vão ter de pa­gar in­de­ni­za­ções para a gravadora”, diz Rapha­el Miranda, ad­vo­ga­do da com­pa­nhia. Flá­vio Gal­di­no, ad­vo­ga­do de João, rebate: “E va­mos fa­zer o quê? Es­pe­rar o João Gil­ber­to mor­rer para de­pois psi­co­gra­far­mos a for­ma co­mo ele quer lan­çar seus dis­cos? João quer de­di­car seus úl­ti­mos anos de vi­da à sua obra, quer dei­xá-la in­tac­ta para a pos­te­ri­da­de da for­ma que a cul­tu­ra bra­si­lei­ra me­re­ce, não da for­ma su­ca­te­a­da co­mo a EMI per­mi­tiu que fi­cas­se.”

Mes­mo de­pois de a pe­rí­cia ter apon­ta­do o bom es­ta­do das fi­tas ori­gi­nais, as con­tes­ta­ções de João não ter­mi­na­ram. A dú­vi­da ago­ra é so­bre um quar­to dis­co, o com­pac­to “João Gil­ber­to Can­tan­do as Mú­si­cas do Fil­me Or­feu do Car­na­val”, não apre­sen­ta­do pe­la gravadora EMI à pe­rí­cia, con­for­me de­ter­mi­na­ção da Jus­ti­ça. Em vez das qu­a­tro mú­si­cas que apa­re­cem no ori­gi­nal, ha­via ape­nas três na có­pia re­ce­bi­da por Maz­zo­la. E uma ano­ta­ção na fi­cha téc­ni­ca di­zen­do “re­cu­pe­ra­ção de vi­nil” não dei­xou dú­vi­das de que não se tra­ta­va do ma­te­ri­al ori­gi­nal. Miranda, da EMI, diz que “a Jus­ti­ça não pe­diu a en- tre­ga des­se ma­te­ri­al es­pe­cí­fi­co. En­tão, re­pro­du­zi­mos as fai­xas e en­vi­a­mos. Os mas­ters em ques­tão di­zem res­pei­to àque­les que João pe­diu e ga­nhou tu­te­la an­te­ci­pa­da, seus três pri­mei­ros dis­cos. Mas te­mos o ori­gi­nal com a empresa”. Gal­di­no fi­ca ir­ri­ta­do com a co­lo­ca­ção: “Ele está men­tin­do para a im­pren­sa. A Jus­ti­ça de­ter­mi­nou sim que en­tre­gas­sem es­se ál­bum, o que não ocor­reu. Eles de­vem ter pe­di­do isso, des­truí­do para sem­pre”.

Di­vul­ga­ção

João: aos 84 anos, mú­si­co “quer de­di­car seus úl­ti­mos anos de vi­da à sua obra”, diz seu ad­vo­ga­do

Di­vul­ga­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.