O amor dói

O Diario do Norte do Parana - - OPINIÃO -

Nin­guém vi­ve sem amor, e nin­guém ama sem sen­tir dor. O amor é um mis­té­rio, um se­gre­do que se vi­ve sem es­pe­rar na­da em tro­ca. Na di­nâ­mi­ca da vi­da de­se­ja­mos ser ama­dos, com­pre­en­di­dos, res­pei­ta­dos, va­lo­ri­za­dos, con­si­de­ra­dos.

Tu­do co­me­ça com sor­ri­sos e ter­mi­na em lá­gri­mas, e sem elas a vi­da per­de o sen­ti­do. Co­mo amar e sen­tir a dor da traição, da des­con­fi­an­ça, da men­ti­ra, da fal­si­da­de, do si­lên­cio, da so­li­dão, do aban­do­no, do re­co­nhe­ci­men­to?

Não exis­te amor sem dor. Na me­di­da em que a dor é ama­da, ime­di­a­ta­men­te é su­pe­ra­da. “Só quem pas­sa pe­lo fo­go da dor, che­ga ao in­cên­dio do amor”. Sa­ber amar é sa­ber su­pe­rar gra­tui­ta­men­te ca­da pe­que­no ou gran­de de­sen­con­tro, sem es­pe­rar na­da em tro­ca, a não ser a for­ça de re­co­me­çar. Di­an­te dos con­fli­tos da vi­da co­ti­di­a­na, a ten­ta­ção é sa­ber quem tem ra­zão, quem er­rou. A so­lu­ção nos in­te­res­sa, e não o cul­pa­do.

O pa­pa Fran­cis­co no do­min­go pas­sa­do di­zia: “Su­po­mos ser­mos jus­tos, e jul­ga­mos os ou­tros. Jul­ga­mos até Deus, por­que pen­sa­mos que de­ve­ria pu­nir os pe­ca­do­res, con­de­nan­do-os à mor­te, em vez de per­do­ar. Ago­ra sim cor­re­mos o ris­co de per­ma­ne­cer fo­ra da ca­sa do Pai! Co­mo aque­le ir­mão mais ve­lho, em vez de se ale­grar por­que seu ir­mão re­tor­nou, ele fi­ca com rai­va de seu pai que o aco­lhe e faz festa. Se em nos­sos corações não há mi­se­ri­cór­dia, ale­gria do per­dão, não es­ta­mos em co­mu­nhão com Deus, mes­mo ob­ser­van­do to­dos os pre­cei­tos, pois é o amor que sal­va, não ape­nas a prá­ti­ca dos pre­cei­tos. É o amor por Deus e pe­lo pró­xi­mo que re­a­li­za to­dos os man­da­men­tos. E es­te é o amor de Deus, a sua ale­gria: per­do­ar. Nos es­pe­ra sem­pre! Tal­vez al­gum de vo­cês te­nha al­go pe­sa­do em seu co­ra­ção: “Mas, eu fiz isso, eu fiz aqui­lo...” Ele te es­pe­ra! Ele é pai: sem­pre es­pe­ra por nós!

Se vi­ve­mos de acor­do com a lei “olho por olho, den­te por den­te”, ja­mais sai­re­mos da es­pi­ral do mal. O ma­lig­no é in­te­li­gen­te, e nos ilu­de que com a nos­sa jus­ti­ça hu­ma­na po­de­mos nos sal­var e sal­var o mun­do. Na re­a­li­da­de, so­men­te a jus­ti­ça de Deus po­de nos sal­var! E a jus­ti­ça de Deus se re­ve­lou na Cruz: a Cruz é o jul­ga­men­to de Deus so­bre to­dos nós e so­bre es­te mun­do. Mas co­mo Deus nos jul­ga? Dan­do a vi­da por nós! Eis o ato su­pre­mo de jus­ti­ça que der­ro­tou, uma vez por to­das, o Prín­ci­pe des­te mun­do; e es­se ato su­pre­mo de jus­ti­ça é tam­bém ato su­pre­mo de mi­se­ri­cór­dia. Je­sus cha­ma to­dos a se­gui­rem es­te ca­mi­nho: ‘Sede mi­se­ri­cor­di­o­sos, co­mo o vos­so Pai é mi­se­ri­cor­di­o­so’ (Lc 6:36)”.

O que acon­te­ceu com aque­le que amou a to­dos, que aco­lheu os pe­ca­do­res, fez re­fei­ção com eles? O que acon­te­ceu com aque­le que cu­rou os do­en­tes, res­ta­be­le­ceu os pa­ra­lí­ti­cos, fez os sur­dos ou­vi­rem e os ce­gos ve­rem? Co­mo ter­mi­nou a vi­da da­que­le que fez mi­la­gres mul­ti­pli­cou cin­co pães e dois pei­xes ma­tan­do a fo­me de uma mul­ti­dão? Qual foi o fim da­que­le que ar­ras­tou mul­ti­dões e foi acla­ma­do co­mo Rei? O fim foi a so­li­dão, o aban­do­no, a con­de­na­ção e a mor­te. Não exis­te amor ver­da­dei­ro sem cruz e so­fri­men­to. O amor dói. É doí­do amar sem es­pe­rar na­da, a não ser amar. Foi na en­tre­ga por amor do ho­mem de Na­za­ré, o Fi­lho úni­co do Pai, que hoje so­mos ca­pa­zes de amar, mes­mo quan­do o amor dói.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.