48% dos ma­rin­ga­en­ses es­tão aci­ma do peso, diz pes­qui­sa

SAÚ­DE Obe­si­da­de, que au­men­ta o ris­co de apa­re­ci­men­to de uma sé­rie de do­en­ças, está re­la­ci­o­na­da ao se­den­ta­ris­mo, ali­men­ta­ção e ge­né­ti­ca. No País, 51% da po­pu­la­ção está com so­bre­pe­so

O Diario do Norte do Parana - - ZOOM - Car­la Gu­e­des

car­la@odi­a­rio.com Quan­do os pri­mei­ros mo­ra­do­res, os ca­ça­do­res-co­le­to­res, che­ga­ram à re­gião, há 8 mil anos, vi­vi­am em um mun­do es­cas­so de co­mi­da. Co­mo ins­tin­to de so­bre­vi­vên­cia, o cor­po ar­ma­ze­na­va gor­du­ra, para ca­so não en­con­tras­sem ali­men­to a tem­po. Do tem­po das ocas para cá, a ofer­ta de co­mi­da dis­pa­rou, mas a ca­pa­ci­da­de das cé­lu­las em guar­dar ener­gia, vi­tal para os pré-his­tó­ri­cos, con­ti­nua a mes­ma.

O or­ga­nis­mo não se adap­tou à mo­der­ni­da­de e ain­da não con­se­gue me­ta­bo­li­zar ra­pi­da­men­te os nu­tri­en­tes. O re­sul­ta­do des­sa ma­te­má­ti­ca de­si­gual é o que ve­mos to­do dia nas ru­as e con­fir­ma­mos nas es­ta­tís­ti­cas: há mais gen­te com so­bre­pe­so.

Pe­la pri­mei­ra vez, mais da me­ta­de dos bra­si­lei­ros está aci­ma do peso. O por­cen­tu­al de adul­tos com so­bre­pe­so au­men­tou de 48,5% em 2011, para 51%, em 2012. A ta­xa de obe­sos sal­tou de 15,8% para 17,4% no mes­mo pe­río­do. Os da­dos es­tão na pes­qui­sa Vi­gi­lân­cia de Fa­to­res de Ris­co e Pro­te­ção para Do­en­ças Crô­ni­cas por Inqué­ri­to Te­lefô­ni­co (Vi­gi­tel).

Na re­gião, pes­qui­sa iné­di­ta so­bre fa­to­res de ris­co para do­en- ças car­di­o­vas­cu­la­res, que ou­viu 1.227 adul­tos de 20 a 59 anos em Ma­rin­gá, Pai­çan­du e Sarandi, apon­ta que 56,5% dos en­tre­vis­ta­dos têm ex­ces­so de peso. O re­sul­ta­do mais as­sus­ta­dor foi ob­ti­do em Sarandi, on­de 64,7% dos par­ti­ci­pan­tes têm so­bre­pe­so. Em Pai­çan­du, a ta­xa foi de 58,5% e, em Ma­rin­gá, de 48,2%. “Te­mos fast fo­od e pra­tos fei­tos que co­me­mos de ma­nei­ra rá­pi­da, exa­ge­ra­da e com gran­de quan­ti­da­de de lí­qui­do, fa­zen­do com que o ba­lan­ço ener­gé­ti­co do or­ga­nis­mo fi­que com­pro­me­ti­do. Co­me­mos mais e quei­ma­mos me­nos ca­lo­ri­as”, diz o car­di­o­lo­gis­ta Mar­cus Ro­ber­to An­dreuc­ci, do Pron­to-So­cor­ro Car­di­o­ló­gi­co do Hos­pi­tal San­ta Rita. A pes­qui­sa foi fi­nan­ci­a­da pe­la Fun­da­ção Arau­cá­ria e de­ve ser con­cluí­da es­te mês.

Em Sarandi, on­de os pes­qui­sa­do­res en­con­tra­ram a mai­or ta­xa de so­bre­pe­so, se­te em ca­da dez en­tre­vis­ta­dos eram das clas­ses C e D. “Quan­to mais bai­xa a con­di­ção econô­mi­ca, pi­or é a ali­men­ta­ção, que é ri­ca em car­boi­dra­to, com ar­roz, ba­ta­ta e ma­car­rão”, afir­ma a pro­fes­so­ra da Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al de Ma­rin­gá (UEM) So­nia Sil­va Mar­con, dou­to­ra em En­fer­ma­gem e co­or­de­na­do­ra do es­tu­do. “Pas­sa­mos a ad­qui­rir re­fri­ge­ran­tes, lan­ches e fast fo­od, in­clu­si­ve pe­lo sur­gi­men­to de mar­cas po­pu­la­res; ali­men­tos ri­cos em ca­lo­ri­as e po­bres em nu­tri­en­tes. Che­ga­mos ao pon­to que além de co­mi­da de­ve­mos for­ne­cer in­for­ma­ção”, diz o en­do­cri­no­lo­gis­ta Sid­ney Se­nho­ri­ni Ju­ni­or.

A ci­ên­cia sa­be que a obe­si­da­de é con­sequên­cia de três fa­to­res: se­den­ta­ris­mo, ali­men­ta­ção ruim e ge­né­ti­ca, mas nem to­dos apon­tam para o mes­mo pon­tei­ro na ba­lan­ça. Se­gun­do o en­do­cri­no­lo­gis­ta, a ge­né­ti­ca con­tri­bui com me­nos de 50% do ris­co de obe­si­da­de. “O exer­cí­cio fí­si­co é mui­to im­por­tan­te em fa­ci­li­tar a per­da de peso e é o prin­ci­pal fa­tor de su­ces­so em não dei­xar o pa­ci­en­te ga­nhar peso após ema­gre­cer, mas o há­bi­to ali­men­tar é o gran­de vi­lão”, ex­pli­ca. Gor­du­ras e açú­ca­res são os mai­o­res cau­sa­do­res de so­bre­pe­so e obe­si­da­de, o pro­ble­ma é que ge­ral­men­te eles só são des­co­ber­tos com a lei­tu­ra aten­ta do ró­tu­lo. Es­ses in­gre­di­en­tes, se­gun­do o mé­di­co, es­tão “ocul­tos” em re­fri­ge­ran­tes, do­ces, sal­ga­dos in­dus­tri­a­li­za­dos, co­mi­da pron­ta e em­bu­ti­dos.

Está pro­va­do que a obe­si­da­de au­men­ta o ris­co de cân­cer de in­tes­ti­no e ma­ma, di­a­be­tes, pla­cas de co­les­te­rol, in­far­to e aci­den­te vas­cu­lar ce­re­bral. Tam­bém cau­sa ap­neia do so­no, gor- du­ra no fí­ga­do, pro­ble­ma no pân­cre­as e mai­or in­ci­dên­cia de cál­cu­lo na ve­sí­cu­la. Me­ta­de dos hi­per­ten­sos se­ria cu­ra­do se per­des­se peso. “As es­ta­tís­ti­cas pre­o­cu­pam por­que a obe­si­da­de tem do­en­ças as­so­ci­a­das que vão tra­zer im­pac­to fi­nan­cei­ro não só para o pla­no de saú­de ou para o mu­ni­cí­pio, mas vai ge­rar mais afas­ta­men­to no tra­ba­lho e li­mi­ta­ções fun­ci­o­nais”, aler­ta o car­di­o­lo­gis­ta.

Se­gun­do o mé­di­co, os pa­ci­en­tes ra­ra­men­te en­ca­ram o ex­ces­so de peso co­mo um pro­ble­ma que pre­ci­sa de uma so­lu­ção já. “O peso é um fa­tor li­mi­tan­te e a pes­soa acha que não tem na­da além da­qui­lo. A pes­soa não per­ce­be a che­ga­da das do­en­ças, que são si­len­cio- sas, mas lá na fren­te vai co­lher as con­sequên­ci­as.” A pre­o­cu­pa­ção com o que se cha­ma de epi­de­mia da obe­si­da­de é tão gran­de que so­ci­e­da­des de en­do­cri­no­lo­gia e car­di­o­lo­gia co­me­çam a fa­zer cam­pa­nhas pre­ven­ti­vas para os ado­les­cen­tes.

An­dreuc­ci co­men­ta que nas emer­gên­ci­as dos hos­pi­tais, a in­ci­dên­cia de pa­ci­en­tes obe­sos que che­gam com pres­são al­ta e do­en­ças co­ro­na­ri­a­nas é ca­da vez mais al­ta. “A gen­te no­ta a pre­o­cu­pa­ção dos mé­di­cos em tra­ba­lhar o pa­ci­en­te na per­da de peso e sem­pre ori­en­tan­do que o pro­ble­ma da obe­si­da­de não é só o peso, mas as do­en­ças as­so­ci­a­das.”

Gor­du­ra ab­do­mi­nal

A pes­qui­sa co­or­de­na­da por So­nia mos­tra que mais da me­ta­de da po­pu­la­ção de Ma­rin­gá, Pai­çan­du e Sarandi tem a cha­ma­da obe­si­da­de cen­tral, que é o acú­mu­lo de gor­du­ra no abdô­men.

“Nem é pre­ci­so che­gar à obe­si­da­de por­que es­sa gor­du­ra já é in­di­ca­dor de ris­co car­di­o­me­ta­bó­li­co”, cha­ma a aten­ção o pro­fes­sor-dou­tor em Edu­ca­ção Fí­si­ca, Nel­son Nar­do Ju­ni­or, co­or­de­na­dor do Nú­cleo de Es­tu­dos Mul­ti­pro­fis­si­o­nal da Obe­si­da­de (Ne­mo) da UEM.

Para es­ca­par dos ris­cos provocados pe­lo acú­mu­lo de gor­du­ra na bar­ri­ga, mu­lhe­res pre­ci­sam ter até 88 cen­tí­me­tros de cir­cun­fe­rên­cia da cin­tu­ra e, ho­mens, até 102.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.