Ca­cha­ças ar­te­sa­nais fa­zem su­ces­so na re­gião

Boa par­te dos pro­du­to­res de ca­cha­ça ar­te­sa­nal na re­gião de Ma­rin­gá está mais in­te­res­sa­da em man­ter tra­di­ções fa­mi­li­a­res do que no lu­cro; qua­li­da­de é re­co­nhe­ci­da

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Luiz de Car­va­lho

car­va­lho@odi­a­rio.com Branquinha ou ama­re­li­nha, em gar­ra­fas sim­ples ou so­fis­ti­ca­das, as ca­cha­ças ar­te­sa­nais vêm ga­nhan­do es­pa­ço na pre­fe­rên­cia dos apre­ci­a­do­res e su­as ven­das cres­cem uma mé­dia de 7% a ca­da ano e já são res­pon­sá­veis por qua­se 30% dos cer­ca de 1,4 bi­lhão de li­tros de aguar­den­te pro­du­zi­dos por ano no Bra­sil.

Em­bo­ra na le­gis­la­ção não ha­ja dis­tin­ção en­tre os pro­du­tos fi­nais das gran­des des­ti­la­ri­as in­dus­tri­ais e dos alam­bi­ques de chá­ca­ras e fa­zen­das, na prá­ti­ca exis­tem mui­tas di­fe­ren­ças e são elas que atra­em os en­ten­di­dos em ca­cha­ça. “A co­me­çar pe­lo chei­ro”, diz Gilmar Man­so­lel­li, um ma­rin­ga­en­se que atu­al­men­te mo­ra em Re­ci­fe (PE) e é ca­paz de gran­des vol­tas em su­as vi­a­gens para pas­sar por alam­bi­ques fa­mo­sos en­tre os de­gus­ta­do­res de bo­as ca­cha­ças. Ele co­nhe­ce os mais con­cei­tu­a­dos de Mi­nas Ge­rais, na re­gião de Sa­li­nas, e elo­gia o ní­vel de al­gu­mas ca­cha­ças pro­du­zi­das na re­gião de Ma­rin­gá.

As ca­cha­ças in­dus­tri­ais são pro­du­zi­das por gran­des em­pre­sas e a ca­na é cul­ti­va­da em gran­des áre­as, en­quan­to a pin­ga ar­te­sa­nal ge­ral­men­te tem to­do seu pro­ces­so de fa­bri­ca­ção fei­to pe­lo pró­prio do­no do alam­bi­que. A ca­na é cul­ti­va­da em pe­que­na es­ca­la, não re­ce­be pro­du­tos quí­mi­cos, co­mo adu­bo e de­fen­si­vos, a co­lhei­ta é ma­nu­al. O pro­ces­so de mo­a­gem, fil­tra­gem, fer­men­ta­ção, des­ti­la­ção, ar­ma­ze­na­men­to, en­ve­lhe­ci­men­to, en­va­se e ro­tu­la­gem ocu­pa o mí­ni­mo de mão de obra, ge­ral­men­te da pró­pria fa­mí­lia.

Os alam­bi­quei­ros da re­gião de Ma­rin­gá não es­tão preocupados com lu­cro e di­zem que fa­zem ca­cha­ça de ca­be­ça “por pra­zer” ou para dar con­ti­nui­da­de a uma tra­di­ção de fa­mí­lia. É o ca­so das ir­mãs Ra­quel e Sa­ra de Brito Bo­ni­con­tro, de Jan­daia do Sul, que des­de 1994 co­lo­ca­ram no mer­ca­do a mar­ca Com­pa­nhei­ra. O pai de­las, que ti­nha apren­di­do com o pai de­le, fa­zia pin­ga por di­ver­são, mas as fi­lhas de­ci­di­ram re­gis­trar a mar­ca Com­pa­nhei­ra e no ano pas­sa­do a ca­cha­ça de Jan­daia foi pre­mi­a­da na Ex­po­ca­cha­ça, re­a­li­za­da no Mer­ca­do Mu­ni­ci­pal de São Pau­lo, fa­tu­ran­do uma me­da­lha de pra­ta com a Ex­tra Pre­mium e uma de bron­ze na mo­da­li­da­de Bran­ca.

Mi­nei­ri­nha

O zo­o­tec­nis­ta Fran­cis­co de As­sis Fon­se­ca de Ma­ce­do, um mi­nei­ro que faz car­rei­ra co­mo pro­fes­sor da Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al de Ma­rin­gá (UEM), man­tém no Sí­tio Ge­ra­es, em Man­da­gua­ri, um alam­bi­que cons­truí­do por seu avô há 120 anos, na re­gião das bo­as ca­cha­ças de Mi­nas Ge­rais. To­do o pro­ces­so é ma­nu­al e As­sis não “Nes­ses to­néis, que fi­cam no es­cu­ro, a ca­cha­ça re­pou­sa en­tre 5 e 10 anos e só en­tão vai para en­gar­ra­fa­men­to” ser­ve ou ven­de uma gar­ra­fa da Mi­nei­ri­nha D’Ou­ro an­tes de três anos de des­can­so em bar­ris de bál­sa­mo, car­va­lho ou am­bu­ra­na. Co­mo o alam­bi­que e o gos­to são he­ran­ça dos avós mi­nei­ros, ele faz sua ca­cha­ça da mes­ma ma­nei­ra, com as mes­mas téc­ni­cas usa­das há 120 anos. O te­or al­coó­li­co fi­ca en­tre 40% e 42%.

Pa­gan­do para des­ti­lar

O em­pre­sá­rio Antonio Emi­li­a­no Le­al Cu­nha, de fa­mí­lia pi­o­nei­ra de Ma­rin­gá, é ou­tro que faz ca­cha­ça por pra­zer. Há 12 anos ele com­prou um alam­bi­que fa­bri­ca­do na re­gião das bo­as ca­cha­ças de Mi­nas Ge­rais e até hoje não re­cu­pe­rou o in­ves­ti­men­to. A pro­du­ção é va­ga­ro­sa e ele faz ques­tão de se­guir a tra­di­ção do en­ve­lhe­ci­men­to por anos em to­néis de ma­dei­ras es­pe­ci­ais, on­de a ca­cha­ça ga­nha sa­bor e co­lo­ra­ção di­fe­ren­ci­a­das. “Nes­ses to­néis, que fi­cam to­tal­men­te no es­cu­ro, a ca­cha­ça re­pou­sa en­tre 5 e 10 anos e só en­tão vai para en­gar­ra­fa­men­to”, diz. Mes­mo de­pois de en­gar­ra­fa­da, a ca­cha­ça con­ti­nua em am­bi­en­te de pou­ca lu­mi­no­si­da­de.

Emi­li­a­no faz sua ca­cha­ça na fa­zen­da on­de mo­ra, a San­ta Ju­li­a­na, no li­mi­te de Ma­rin­gá com Sarandi, área co­nhe­ci­da co­mo Va­le Azul. Ele diz que ape­nas dá con­ti­nui­da­de a uma tra­di­ção de fa­mí­lia. Seu pai, Jo­sé Cu­nha, que che­gou on­de hoje é Ma­rin­gá em 1942, era apai­xo­na­do por en­ge­nhos e mon­tou o pri­mei­ro alam­bi­que de Ma­rin­gá, que cer­ta­men­te foi o res­pon­sá­vel pe­los pri­mei­ros por­res na épo­ca do des­bra­va­men­to da re­gião.

Da Re­for­maA­grá­ria

A ca­cha­ça ar­te­sa­nal mais fa­mo­sa do no­ro­es­te do Pa­ra­ná é a Cam­po­ne­ses, pro­du­zi­da no As­sen­ta­men­to San­ta Ma­ria, do Mo­vi­men­to dos Tra­ba­lha­do­res Sem Ter­ra (MST) em Pa­ra­na­city, on­de vi­vem cer­ca de 70 pes­so­as de 22 fa­mí­li­as tra­ba­lhan­do em sis­te­ma de co­o­pe­ra­ti­va. Em­bo­ra se­ja fa­mo­sa, qua­se nin­guém por aqui a co­nhe­ce, já que pra­ti­ca­men­te to­da a pro­du­ção de 15 mil li­tros por sa­fra é ex­por­ta­da para a Eu­ro­pa.

O as­sen­ta­men­to já plan­ta­va ca­na or­gâ­ni­ca para pro­du­zir açú­car mas­ca­vo e me­la­ço, quan­do Jac­ques Pel­lenz de­ci­diu pro­du­zir tam­bém ca­cha­ça, que no co­me­ço era ven­di­da so­men­te em Pa­ra­na­city, mas pe­las qua­li­da­des de­gus­ta­ti­vas lo­go cha­mou a aten­ção de apre­ci­a­do­res de ou­tras re­giões e, por en­co­men­das, che­gou a to­dos os Es­ta­dos.

Hoje, só quem com­pra pe­la in­ter­net, fre­gue­ses an­ti­gos ou quem vai ao acam­pa­men­to po­de com­prar a Cam­po­ne­ses, já que os eu­ro­peus le­vam to­da a pro­du­ção, in­clu­si­ve pa­ga­men­to me­lhor.

Dou­glas Mar­çal

Os 15 mil li­tros pro­du­zi­dos por ano no as­sen­ta­men­to do MST em Pa­ra­na­city são ven­di­dos para a Eu­ro­pa

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.