Des­car­te de li­xo ele­trô­ni­co é res­pon­sa­bi­li­da­de de to­dos

En­ti­da­des de re­pre­sen­ta­ção em­pre­sa­ri­al, Pro­con e pre­fei­tu­ra co­me­çam a de­ba­ter as saí­das para a co­le­ta ide­al dos pro­du­tos que dei­xa­ram de ter uti­li­da­de

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Eder­son Hi­sing

Com o avan­ço tec­no­ló­gi­co, o no­vo se tor­na ve­lho em ques­tão de me­ses. As no­vi­da­des tem um cur­to pra­zo de va­li­da­de. Os apa­re­lhos ele­trô­ni­cos mais ven­di­dos em um es­ta­ção, na ou­tra po­dem ser con­si­de­ra­dos ul­tra­pas­sa­dos. Es­se rit­mo alu­ci­nan­te, pro­vo­ca um pro­ble­ma na ho­ra de des­fa­zer do equi­pa­men­to an­ti­go. Uma das per­gun­tas do mo­men­to é: qual é a des­ti­na­ção ade­qua­da para es­se ti­po de ma­te­ri­al? Ou­tra é: on­de des­car­tar pi­lhas, ba­te­ri­as, lâm­pa­das flu­o­res­cen­tes?

A re­por­ta­gem de O Diá­rio vi­si­tou cin­co lo­jas de gran­des re­des de ven­das de ele­trô­ni­cos para ve­ri­fi­car se exis­te al­gum ti­po de pro­gra­ma de co­le­ta dos ma­te­ri­ais, que não têm mais uti­li­da­de, e que fo­ram com­pra­dos na­que­les es­ta­be­le­ci­men­tos.

Em to­das, a res­pos­ta foi ne­ga­ti­va, mes­mo sen­do, a lo­gís­ti­ca re­ver­sa, uma obri­ga­ção pre­vis­ta na Lei nú­me­ro 12.305/10, para fa­bri­can­tes, im­por­ta­do­res, dis­tri­bui­do­res e co­mer­ci­an­tes de pi­lhas, ba­te­ri­as, pneus, óle­os lu­bri­fi­can­tes, lâm­pa­das flu­o­res­cen­tes, ele­tro­e­le­trô­ni­cos e os com­po­nen­tes de­les.

De acor­do com o co­or­de­na­dor do Pro­con de Ma­rin­gá, João Luiz Ag­ner Re­gi­a­ni, a Po­lí­ti­ca Na­ci­o­nal de Re­sí­du­os Só­li­dos, pratica- men­te, não saiu do pa­pel; o pra­zo es­ti­pu­la­do pe­lo go­ver­no fe­de­ral ter­mi­na em agos­to de 2014. Ele afir­ma que o te­ma pre­ci­sa de par­ti­ci­pa­ção da so­ci­e­da­de ci­vil e de uma am­pla dis­cus­são na ci­da­de.

“Te­mos a in­ten­ção de en­vol­ver to­da a ca­deia pro­du­ti­va nes­se pro­ces­so, até mes­mo por­que os res­pon­sá­veis não são ape­nas as lo­jas que ven­dem”, ex­pli­ca. “É mui­to di­fí­cil con­tro­lar es­sa des­ti­na­ção. De­pen­de mui­to da cons­ci­ên­cia do con­su­mi­dor e acre­di­to que se­ja nis­so que pre­ci­sa­mos tra­ba­lhar, na ques­tão do con­su­mo cons­ci­en­te”, des­ta­ca Re­gi­a­ni.

O co­or­de­na­dor adi­an­ta que, no mês que vem, ocor­re­rá uma reu­nião en­tre o Pro­con, a As­so­ci­a­ção Co­mer­ci­al e Em­pre­sa­ri­al (Acim) e o Sin­di­ca­to do Co­mér­cio Va­re­jis­ta (Si­va­mar) para dis­cu­tir o te­ma. “Pre­ci­sa­mos de mais en­ti­da­des e pes­so­as dis­pos­tas a abra­çar es­sa cau­sa com a gen­te”, res­sal­ta.

Se­gun­do da­dos do Mi­nis­té­rio do Meio Am­bi­en­te, 70% dos mu­ni­cí­pi­os bra­si­lei­ros ain­da não ela­bo­ra­ram um Pla­no Mu­ni­ci­pal de Re­sí­du­os. Em Ma­rin­gá, a Se­cre­ta­ria de Meio Am­bi­en­te in­for­ma que os ter­mos que tra­tam do as­sun­to es­tão pre­sen­tes no Pla­no Mu­ni­ci­pal de Sa­ne­a­men­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.