Cen­tro e Zo­na 7 têm mai­o­res ín­di­ces de rou­bos a pe­des­tres

Ca­sos ocor­rem com mais frequên­cia du­ran­te a noi­te. Le­van­ta­men­to mos­tra tam­bém que ave­ni­das Co­lom­bo e Bra­sil são as mais pe­ri­go­sas

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Le­o­nar­do Fi­lho

le­o­nar­do­fi­lho@odi­a­rio.com An­dar pe­las ru­as do Cen­tro e Zo­na 7 tem si­do mais ar­ris­ca­do que nos de­mais pon­tos da ci­da­de. Isso por­que mais de 42% dos ca­sos de rou­bos a pe­des­tres re­gis­tra­dos de ja­nei­ro a agos­to des­te ano pe­la Po­lí­cia Mi­li­tar (PM) de Ma­rin­gá, acon­te­ce­ram nes­sas du­as áre­as. O ho­rá­rio de mai­or in­ci­dên­cia dos as­sal­tos se con­cen­tra en­tre 18h e 0h. Ao to­do, 45% dos cri­mes ocor­ri­dos nes­te ano fo­ram nes­ta fai­xa de ho­rá­rio.

As vi­as mais pe­ri­go­sas são Co­lom­bo e Bra­sil, por isso, pe­des­tres ne­ces­si­tam de aten­ção re­do­bra­da Os da­dos fo­ram ob­ti­dos com ba­se em re­la­tó­ri­os en­vi­a­dos pe­lo 4º Ba­ta­lhão de Po­lí­cia Mi­li­tar (BPM) à im­pren­sa. Os nú­me­ros são ex­clu­si­va­men­te de ocor­rên­ci­as aten­di­dos pe­la PM. Há si­tu­a­ções em que mui­tas ví­ti­mas pro­cu­ram di­re­ta­men­te à de­le­ga- cia da Po­lí­cia Ci­vil, que não con­ta­bi­li­za se­pa­ra­da­men­te es­se ti­po de de­li­to.

Na­da es­ca­pa da co­bi­ça dos cri­mi­no­sos. Des­de ce­lu­la­res, car­tei­ras, bi­ci­cle­tas e tê­nis, que são co­mu­men­te le­va­do pe­los ban­di­dos, até ob­je­tos pou­co vi­sa­dos co­mo, por exem­plo, pe­ru­ca. O cri­me em que o la­drão ‘vai­do­so’ op­tou em le­var os ca­be­los pos­ti­ços da ví­ti­ma ocor­reu por vol­ta das 22h do dia 3 de ju­nho, na Ave­ni­da Pru­den­te de Mo­ra­es, Zo­na 7. Mes­mo sem co­nhe­ci­men­to das es­ta­tís­ti­cas, quem pas­sa por es­ses lo­cais, já sa­be dos ris­cos.

“Dá me­do, por­que a gen­te sem­pre ou­ve his­tó­ri­as de as­sal­tos aqui. Pro­cu­ro não an­dar com mui­ta coi­sa e sem­pre ser rá­pi­da para não mais uma a ser as­sal­ta­da. A gen­te pre­ci­sa­va de mais se­gu­ran­ça nes­sa re­gião”, co­men­ta a es­tu­dan­te Maya­ra Ro­dri­gues, que mo­ra com ami­gas na Zo­na 7. A jo­vem faz um cur­so pre­pa­ra­tó­rio para in­gres­sar na Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al de Ma­rin­gá (UEM). No tra­je­to que ela faz, está cru­zar a Ave­ni­da Co­lom­bo to­dos os dias, sem­pre por vol­ta das 19h e 23h.

Para o tam­bém es­tu­dan­te Daniel Mo­rei­ra, a si­tu­a­ção é ain­da mais pe­ri­go­sa. O jo­vem nun­ca foi as­sal­ta­do, mas tem re­ceio de es­pe­rar pe­lo ôni­bus em um pon­to na Co­lom­bo, mo­men­to em que se sen­te mais ex­pos­to ao pe­ri­go. “Sem­pre fi­co aten­to e evi­to mos­trar ce­lu­lar e tam­bém trans­por­tar al­gu­ma coi­sa de va­lor na mo­chi­la. Não é bom ar­ris­car”, diz.

Po­lí­cia

A ori­en­ta­ção da Po­lí­cia Mi­li­tar é jus­ta­men­te que as pes­so­as evi­tem os­ten­tar qual­quer ti­po de ob­je­to que pos­sa des­per­tar o in­te­res­se dos cri­mi­no­sos. No ca­so das mu­lhe­res, o cui­da­do co­me­ça ao trans­por­tar a bol­sa. “É im­por­tan- “Dá me­do, por­que a gen­te sem­pre ou­ve his­tó­ri­as de as­sal­tos aqui. Pro­cu­ro não an­dar com mui­ta coi­sa” te evi­tar trans­por­tar a bol­sa sol­ta ao la­do do cor­po. Sem­pre que es­ti­ver tran­si­tan­do an­dar com ela abra­ça na fren­te do cor­po”, des­ta­cou o ofi­ci­al de co­mu­ni­ca­ção do 4º BPM, te­nen­te Cláudio Rocha.

No ca­so de apa­re­lhos de te­le­fo­ne ce­lu­lar, por exem­plo, os mo­de­los no­vos são os mais vi­sa­dos. “Du­ran­te a noi­te, a gen­te re­co­men­da que as pes­so­as pro­cu­rem vi­as mais ilu­mi­na­das e mo­vi­men­ta­das. Se isso não é pos­sí­vel, uma di­ca é que o ci­da­dão evi­te em ru­as es­cu­ras e de pou­co mo­vi­men­to que evi­tem fa­zer o uso de apa­re­lho”, ori­en­tou Rocha. Ain­da se­gun­do o te­nen­te, é im­por­tan­te que as ví­ti­mas não re­a­jam, mes­mo quan­do o as­sal­tan­te não mos­tra ne­nhum ti­po de ar­ma.

“Ge­ral­men­te quem co­me­te es­se ti­po de cri­me não usa ar­ma de fo­go. Mui­tas ve­zes ele si­mu­la es­tar ar­ma­do com re­vól­ver ou pis­to­la ou uti­li­zan­do fa­cas. Mes­mo se a ví­ti­ma não vê na­da, o ide­al é não re­a­gir, até para não cor­rer o ris­co de ser agre­di­do pe­lo cri­mi­no­so”, com­ple­tou o ofi­ci­al de co­mu­ni­ca­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.