Flo­ra­da é bo­ni­ta, mas dá tra­ba­lho

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES -

Des­de seu nas­ci­men­to, Ma­rin­gá foi pla­ne­ja­da para ser uma “ci­da­de jar­dim”, con­cei­to in­glês que agra­da­va mui­to o ur­ba­nis­ta pau­lis­ta Jor­ge de Ma­ce­do Vi­ei­ra, que as­si­nou o pro­je­to do mu­ni­cí­pio em 1943. E bas­ta an­dar um pou­co pe­la ci­da­de em setembro, pe­río­do de flo­ra da Si­bi­pi­ru­na, para per­ce­ber que o con­cei­to foi de­sen­vol­vi­do com su­ces­so. Mas to­da es­sa be­le­za tem seu pre­ço. Em­bo­ra o am­bi­en­te ar­bo­ri­za­do de Ma­rin­gá se­ja agra­dá­vel, as pe­que­nas flo­res ama­re­las des­se exem­plar da ma­ta atlântica pa­re­cem es­tar em to­dos os lu­ga­res: nos car­ros, cal­ça­das, ja­ne­las, até mes­mo dentro de ca­sa e, al­gu­mas ve­zes, ema­ra­nha­do nos ca­be­los de pe­des­tres dis­traí­dos.

Es­sas fo­lhas e flo­res que se acu­mu­lam pe­las ru­as e cal­ça­das, se jun­tan­do com a fo­lha­gem das ou­tras vá­ri­as es­pé­ci­es, au­men­tan­do o tra­ba­lho dos mo­ra­do­res. “É com­pli­ca­do, a gen­te tem que var­rer, var­rer, var­rer. For­ma es­sa mon­ta­nha aqui pe­la ma­nhã e, a tar­de tem que var­rer tu­do de no­vo”, re­cla­ma a do­na de ca­sa Ce­li­na Negri, en­quan­to apon­ta para o amon­to­a­do de fo­lhas e flo­res que reu­niu pe­la se­gun­da vez no dia. Ce­li­na tem uma be­la si­bi­pi­ru­na bem em fren­te de, na Vi­la Mo­ran­guei­ra.

Pró­xi­mo da­li, a do­na de ca­sa La­ris­sa Fan­ti so­fre com ou­tra ár- vo­re não tão fá­cil de en­con­trar na ci­da­de, o sal­guei­ro-cho­rão. “Vo­cê não ima­gi­na a dor de ca­be­ça. O cho­rão que fi­ca na es­qui­na e ao re­dor da ca­sa en­cheu de abe­lha. Ele dá uma flor lin­da, bem chei­ro­sa, mas que atrai um mon­te de abe­lha. Hoje eu fi­quei com me­do e ti­ve que dei­xar tu­do fe­cha­do em ca­sa”, con­ta. La­ris­sa tam­bém sen­te o au­men­to do tra­ba­lho nes­sa épo­ca do ano. “No res­to do ano, dá para var­rer uma vez por se­ma­na, mas ago­ra tem que ser to­do o dia. E às ve­zes, mes­mo as­sim, não é su­fi­ci­en­te”.

A pre­fei­tu­ra tam­bém tem ser­vi­ço ex­tra. Se­gun­do o se­cre­tá­rio de Ser­vi­ços Pú­bli­cos, Vag­ner Mus­sio, nes­ta épo­ca do ano são re­co­lhi­das cer­ca de 30 to­ne­la­das de fo­lhas e flo­res diariamente. Para se ter uma ideia do au­men­to do vo­lu­me, ao lon­go do ano os fun­ci­o­ná­ri­os da pre­fei­tu­ra re­ti­ram em mé­dia 18 to­ne­la­das por dia.

Para dar con­ta do tra­ba­lho, o mu­ni­cí­pio au­men­ta o efe­ti­vo nas ru­as. Se­gun­do Mus­sio, a ci­da­de tem con­ta­do nes­ses me­ses com mais 50 var­re­do­res tra­ba­lhan­do no tur­no da noi­te, além dos 50 que tra­ba­lham nor­mal­men­te du­ran­te do dia. “Além de­les con­ta­mos com mais 7 var­re­dei­ras me­câ­ni­cas aten­den­do os bair­ros. Ca­da uma de­las com ca­pa­ci­da­de equi­va­len­te à de 100 ho­mens”, diz.

Ape­sar de to­do o tra­ba­lho, nin­guém abre mão da “ci­da­de jar­dim”. “Se de­pen­des­se do meu ma­ri­do até pe­dia para cor­tar, mas eu acho que ain­da é me- lhor com elas do sem. Ma­rin­gá é mui­to quen­te, ima­gi­na o que se­ria sem to­das es­sas ár­vo­res? Além do que, é mui­to bonito”, afir­ma La­ris­sa. Ce­li­na tam­bém con­cor­da. “Dá tra­ba­lho, mas é bonito”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.