‘É pos­sí­vel en­ve­lhe­cer sem do­res e do­en­ça’

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Fá­bio Cas­tal­del­li

fa­bi­o­au­gus­to@odi­a­rio.com

“En­ve­lhe­cer sem fi­car ve­lho”. A frase po­de pa­re­cer con­tra­di­tó­ria em um pri­mei­ro mo­men­to, mas faz to­do sen­ti­do quan­do tra­ta­da e ex­pli­ca­da pe­lo mé­di­co car­di­o­lo­gis­ta e nu­tró­lo­go Lair Ri­bei­ro, que es­te­ve em Ma­rin­gá, on­de mi­nis­trou

O DIÁ­RIO - Em su­as pa­les­tras, o se­nhor diz que é pos­sí­vel en­ve­lhe­cer sem fi­car ve­lho. O que isso sig­ni­fi­ca? LAIR RI­BEI­RO - En­ve­lhe­cer sem fi­car ve­lho é mu­dar o es­ti­lo e a qua­li­da­de de vi­da para en­ve­lhe­cer sem ado­e­cer. Se a pes­soa mu­dar al­guns há­bi­tos que são sim­ples do dia a dia, ela não mor­re de in­far­to, cân­cer, ou der­ra­me e vai vi­ver mais e com mais saú­de. A mor­te co­me­ça quan­do se deixa de ser útil para a hu­ma­ni­da­de. Se vo­cê for em uma pra­ça on­de ido­sos jo­gam do­mi­nó e gra­var a con­ver­sa de­les por du­as ho­ras, vai ver que o ver­bo é con­ju­ga­do no pas­sa­do: “eu fiz isso”, “eu fui aqui­lo”. Isso mos­tra que já per­de­ram pers­pec­ti­va de fu­tu­ro. En­ve­lhe­cer sem fi­car ve­lho é o opos­to dis­so, é fi­car em­pol­ga­do e que­rer con­ver­sar so­bre o ama­nhã. Exem­pli­fi­que uma mu­dan­ça que é sim­ples, mas está ao al­can­ce de to­dos e po­de tra­zer gran­des be­ne­fí­ci­os para a saú­de? Dor­mir com a luz ace­sa, por exem­plo, é al­go que faz mui­to mal. Na ho­ra de dor­mir a pes­soa de­ve co­lo­car a pal­ma da mão na fren­te do ros­to. Se ela en­xer­gá-la é si­nal de que está mui­to cla­ro. O ser hu­ma­no pre­ci­sa do es­cu­ro to­tal du­ran­te o so­no. Se exis­tir uma lu­zi­nha ace­sa co­mo as dos apa­re­lhos de te­le­vi­são ou de DVD já se­rá al­go pre­ju­di­ci­al por­que es­sa pe­que­na luz blo­queia a pro­du­ção de me­la­to­ni­na, que é o hormô­nio da ju­ven­tu­de, pre­vi­ne o cân­cer e é an­ti­o­xi­dan­te. Hoje há uma gran­de pre­o­cu­pa­ção, prin­ci­pal­men­te das mu­lhe­res, em cui­dar da pe­le para que ela não te­nha en­ve­lhe­ci­men­to pre­co­ce. En­tre os cui­da­dos bá­si­cos está o uso de fil­tro so­lar diariamente. O que o se­nhor acha dis­so? Sua avó usa fil­tro so­lar? Pro­va­vel­men­te ela nem se pre­o­cu­pa com isso. Hoje o pes­so­al fo­ge do sol e, quan­do isso é fei­to, não é pro­du­zi­do o hormô­nio mais im­por­tan­te que exis­te no cor­po, e que foi er­ra­da­men­te cha­ma­do de vi­ta­mi­na D. A in­dús­tria do fil­tro so­lar con­ven­ceu a so­ci­e­da­de de que o pro­du­to de­la é ne­ces­sá­rio e faz bem. Na ver­da­de é exa­ta­men­te o con­trá­rio, pois o fil­tro so­lar tem ele­men­tos que são tó­xi­cos, que en­gor­dam, que cau­sam ce­lu­li­te e até cân­cer.

uma pa­les­tra para pro­fis­si­o­nais da área mé­di­ca e tam­bém para to­dos que pro­cu­ram di­cas para che­gar à ter­cei­ra ida­de li­vre de do­en­ças. Para ele, é pos­sí­vel dei­xar as la­men­ta­ções de la­do e che­gar à ve­lhi­ce com au­to­no­mia, li­vre de do­en­ças, com boa qua­li­da­de de de vi­da. Au­tor de 35 li­vros de au­to­co­nhe­ci­men­to que es­tão dis­po­ní­veis em mais de 40 paí­ses e de cer­ca de

O se­nhor tam­bém é nu­tró­lo­go e de­fen­de a im­por­tân­cia do con­su­mo de ali­men­tos da for­ma cor­re­ta para a um en­ve­lhe­ci­men­to mais sau­dá­vel. Quais são os me­lho­res ali­men­tos do mun­do? O me­lhor de to­dos é sem dú­vi­da o lei­te ma­ter­no. Es­se ali­men­to que sai do pei­to da mu­lher nas pri­mei­ras 72 ho­ras res­sus­ci­ta até mo­ri­bun­do. É im­pres­si­o­nan­te o va­lor de­le. Exis­te até um mer­ca­do ne­gro na Eu­ro­pa que o co­mer­ci­a­li­za . Em se­gui­da, des­ta­que para o ovo. Afi­nal de con­tas, tu­do que a vi­da pre­ci­sa está no ovo, tan­to que é de lá que sai um pin­ti­nho. Os mé­di­cos di­zem que co­mer ovo au­men­ta o co­les­te­rol. Há 20 anos que eu fa­lo: se me trou­xe­rem um es­tu­do mos­tran­do isso eu ras­go meu di­plo­ma de me­di­ci­na. Ovo faz mal e au­men­ta o co­les­te­rol se for con­su­mi­do fri­to em óle­os que com­pra­mos nos su­per­mer­ca­dos. Já o ovo fri­to na água ou co­zi­do po­de ser con­su­mi­dor à von­ta­de. Eu in­gi­ro de 5 a 8 por dia. O se­nhor men­ci­o­nou que o ovo fri­to em óle­os que com­pra­mos no su­per­mer­ca­do faz mal. Quais pro­ble­mas que eles cau­sam? Os an­ti­gos pre­pa­ra­vam seus ali­men­tos na gor­du­ra de por­co. Hoje vo­cê com­pra óleo e le­va o ve­ne­no pra ca­sa. O pri­mei­ro in­far­to foi des­co­ber­to em 1925. Em 1930 mor­re­ram nos Es­ta­dos Uni­dos 3 mil pes­so­as por cau­sa do co­ra­ção. Em 1960, o nú­me­ro de mor­te já che­ga­va a 300 mil. Tu­do isso por­que co­lo­ca­ram os óle­os ve­ge­tais no su­per­mer­ca­do, co­mo o de gi­ras­sol, so­ja, amen­doim e, prin­ci­pal­men­te o de ca­no­la, que é o pi­or de to­dos. Ca­no­la é uma si­gla que sig­ni­fi­ca Ca­na­di­an Oil Low Acid e é de­sen­vol­vi­da a par­tir de uma plan­ta cha­ma­da col­za, que se a va­ca co­mer ela mor­re. Co­mo ela foi mo­di­fi­ca­da, acre­di­to que é pre­ci­so co­zi­nhar com ca­no­la por uns 20 anos para que ela fa­ça mal. Atu­al­men­te, pa­re­ce que a aler­gia a glú­ten é mais co­mum. Isso é por­que os di­ag­nós­ti­cos são mais pre­ci­sos e a iden­ti­fi­ca­ção do pro­ble­ma é mais fá­cil, ou é re­sul­ta­do de al­gum há­bi­to ali­men­tar que está er­ra­do? O tri­go que Je­sus fa­zia o pão de­le não é o que vo­cê co­me em Ma­rin­gá. Nos úl­ti­mos 30 anos, o tri­go au­men­tou em 400% a con­cen­tra­ção de glú­ten. O estô­ma­go e o or­ga­nis­mo não aguen­tam isso.

cor­re­to ( na água, ao in­vés de no óleo). O es­pe­ci­a­lis­ta re­co­men­da ain­da que as pes­so­as dei­xem de co­mer pães pe­la al­ta con­cen­tra­ção de glú­ten que apre­sen­tam; que não usem fil­tro so­lar e co­mam sal gros­so de chur­ras­co para com­ba­ter o au­men­to da pres­são ar­te­ri­al. Leia a se­guir os prin­ci­pais tre­chos da en­tre­vis­ta con­ce­di­da por Lai Ri­bei­ro em vi­si­ta a O Diá­rio:

A mi­nha re­co­men­da­ção é: não co­ma o pão por­que ele te faz mal. Ima­gi­ne uma cor­ren­te. Se vo­cê es­ti­cá-la ela ar­re­ben­ta­rá no elo mais fra­co. No or­ga­nis­mo de uma pes­soa o elo mais fra­co po­de ser o pul­mão, o co­ra­ção, o cé­re­bro, o fí­ga­do, etc... Acon­te­ce que o glú­ten pu­xa es­sa cor­ren­te e faz com que pro­ble­mas de saú­de se­jam de­sen­ca­de­a­dos. Os mé­di­cos di­zem para que o con­su­mo de sal se­ja re­du­zi­do. Que ava­li­a­ção faz des­sa ori­en­ta­ção? A fal­ta de io­do, que está pre­sen­te no sal, oca­si­o­na pro­ble­mas de ti­reói­de, que é de 10 a 15 ve­zes mais co­mum na mu­lher do que no ho­mem e faz ela en­gor­dar. Fal­ta io­do nos ali­men­tos e mes­mo as­sim o go­ver­no faz cam­pa­nhas para a di­mi­nui­ção da con­cen­tra­ção de­le no sal. O sal re­fi­na­do, pe­la quan­ti­da­de de clo­re­to de só­dio que apre­sen­ta é pre­ju­di­ci­al, mas, o sal in­te­gral não. Se vo­cê pe­gar o sal gros­so de chur­ras­co, ra­lar ele e co­mer, ga­ran­to que sua pres­são vai cair, pois sal gros­so tem mag­né­sio, que con­tro­la a pres­são. Há al­gum re­ci­pi­en­te mais acon­se­lhá­vel para o pre­pa­ro dos ali­men­tos? Sim. As pa­ne­las do ti­po te­flon são res­pon­sá­veis pe­lo sur­gi­men­to até mes­mo de in­far­tos do mi­o­cár­dio de­vi­do às subs­tân­ci­as quí­mi­cas que se sol­tam e in­cor­po­ram aos ali­men­tos du­ran­te o pro­ces­so de co­zi­men­to. Já as pa­ne­las de alu­mí­nio oca­si­o­nam pro­ble­mas no cé­re­bro e as de fer­ro no fí­ga­do. O ide­al é pre­pa­rar os ali­men­tos em pa­ne­las de ce­râ­mi­ca. Um jo­go com­ple­to cus­ta, em mé­dia, R$ 2.800, no en­tan­to, ele du­ra a vi­da to­da e não faz mal para a saú­de. Além da ali­men­ta­ção, o que mais re­co­men­da para que o ser hu­ma­no te­nha uma óti­ma saú­de? Há um tri­pé que pre­ci­sa ser se­gui­do: ati­vi­da­de fí­si­ca, nu­tri­ção cer­ta e mo­du­la­ção hor­mo­nal. Os hormô­ni­os vão aca­ban­do, prin­ci­pal­men­te no ho­mem. Co­nhe­ço gen­te de 30 anos que já não tem ere­ção por fal­ta de hormô­nio, o que ocor­re por­que se co­me er­ra­do e se dor­me er­ra­do. O hormô­nio tes­tos­te­ro­na, que é fa­bri­ca­do pe­lo tes­tí­cu­lo, faz o co­ra­ção ba­ter me­lhor, o pul­mão res­pi­rar me­lhor, o mús­cu­lo e os os­sos fi­ca­rem mais for­tes e faz o cé­re­bro pen­sar me­lhor. Quan­do ho­mem per­de a tes­tos­te­ro­na ele não per­de só a vi­da se­xu­al. Se cor­re­ta­men­te acom­pa­nha­do por um mé­di­co ele vol­ta a ser jo­vem. Um ca­ra com 90 anos vol­ta a ter vi­da se­xu­al. O se­nhor se­gue à ris­ca to­das es­sas ori­en­ta­ções? Sim e es­tou óti­mo. Se sou­ber que Lair Ri­bei­ro mor­reu te­nha a cer­te­za de que não foi de mor­te na­tu­ral. Te­nho 69 anos e tra­ba­lho no mes­mo rit­mo que eu tra­ba­lha­va aos 30 anos. Não te­nho na­da de do­en­ça e não to­mo re­mé­dio ne­nhum. Por isso re­for­ço: se sou­ber que Lair Ri­bei­ro mor­reu é me­lhor sus­pei­tar, pois po­dem ter ma­ta­do ele. Re­ce­bo vá­ri­as li­ga­ção man­dan­do eu ca­lar a mi­nha bo­ca. Co­mo as in­dús­tri­as de pro­du­tos que o se­nhor cri­ti­ca e os mé­di­cos re­a­gem às su­as pes­qui­sas ? As in­dús­tri­as não fi­cam mui­to sa­tis­fei­tas co­mi­go. Por ou­tro la­do, os co­le­gas que me as­sis­tem nas pa­les­tras sa­em em­pol­ga­dos por­que quan­do se es­cu­ta a ver­da­de ela res­soa.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.