Fiu,

As can­ta­das mas­cu­li­nas so­bre as mu­lhe­res es­tão na ber­lin­da. Es­pe­ci­a­lis­tas con­si­de­ram a ati­tu­de uma ca­rac­te­rís­ti­ca do com­por­ta­men­to ma­chis­ta Tí­pi­co dos bra­si­lei­ros

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Rú­bia Pi­men­ta

ru­bia@odi­a­rio.com Pas­sar na fren­te de um bar. Uma ta­re­fa que ape­nas as mu­lhe­res sa­bem co­mo é di­fí­cil. Quan­to mais mas­cu­li­no for o bo­te­co, pi­or. É a cer­te­za de ou­vir mui­tos “elo­gi­os” não es­pe­ra­dos, além de ter o cor­po, mi­nu­ci­o­sa­men­te, es­miu­ça­do por to­dos os pre­sen­tes. Para evi­tar cons­tran­gi­men­tos, mui­tas mu­lhe­res atra­ves­sam a rua.

Tal ati­tu­de, já in­cor­po­ra­da à cul­tu­ra na­ci­o­nal, é ti­da co­mo nor­mal para a mai­o­ria das pes­so­as. Es­pe­ci­a­lis­tas no as­sun­to, no en­tan­to, cri­ti­cam as can­ta­das. Eles as con­si­de­ram um com­por­ta­men­to, ti­pi­ca­men­te, ma­chis­ta. Para a psi­có­lo­ga, pós­dou­to­ra e co­or­de­na­do­ra do Nú­cleo de Pes­qui­sa de Di­ver­si­da­de Se­xu­al da Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al de Ma­rin­gá (UEM), Elai­ne Maio, can­ta­das, pro­fe­ri­das por ho­mens ou mu­lhe­res, são “um as­sé­dio gros­sei­ro”.

A as­sis­ten­te ad­mi­nis­tra­ti­vo que se iden­ti­fi­cou ape­nas co­mo Camila, 25 anos, re­la­ta uma si­tu­a­ção que con­si­de­rou “hor­rí­vel”. “Es­ta­va em um ro­deio, com uma ami­ga, quan­do um ho­mem pas­sou e dis­se ‘me cha­ma de sal, me jo­ga no po­ço (sic) e me lam­be to­di­nho, sua va­ca’. A grosseria foi tan­ta, que mi­nha ami­ga jo­gou uma la­ta de cer­ve­ja ne­le”, re­cor­da.

Des­res­pei­to­sas co­mo as des­cri­tas aci­ma, ou ape­nas um “oi, lin­da”, can­ta­das são “elo­gi­os”, que, mui­tas ve­zes, pro­vo­cam cons­tran­gi­men­to, por ter uma co­no­ta­ção se­xu­al, par­tin­do, com om frequên­cia, de uma pes­soa des-des­co­nhe­ci­da. “Tem al­gu­mas can­tan­ta­das que não são ofen­si­vas, mas­mas in­de­pen­den­te­men­te dis­so, são to­das des­ne­ces­sá­ri­as. Fi­co se­mem­pre mor­ren­do de ver­go­nha”, de-de­cla­ra a ins­tru­to­ra de Pi­la­tes Jés­siés­si­ca De­na Al­va­rez, 23.

A re­por­ta­gem de O Diá­rio ário acom­pa­nhou Jés­si­ca em uma vol­ta pe­lo Cen­tro da ci­da­de du-du­ran­te meia ho­ra. Nes­se pe­río­río­do, di­ver­sos fo­ram os ho­mens ens que pa­ra­ram para olhá-la pas-pas­sar. “Mui­tos as­so­bi­a­ram, te­ve umum gru­pi­nho que fi­cou me cha­man­man­do”, con­ta.

Mas, qual ho­mem nun­ca as-as­so­bi­ou para uma mu­lher? O re-re­pre­sen­tan­te co­mer­ci­al K.S., 33, con­fir­ma. “To­do mun­do me­xe. exe. Eu gos­to de brin­car de den­troo do car­ro. É do ins­tin­to do ho­mem, em, além de ser uma for­ma de cha-cha­mar a aten­ção da mu­lher que de-de­se­ja­mos”, des­ta­ca.

Para a pós-dou­to­ra Eli­a­ne ane Maio, o ob­je­ti­vo das can­ta­das não é con­quis­tar a “pre­sa”, mas exi-exi­bir ao mun­do a “mas­cu­li­ni­dai­da­de”. “Há um in­cen­ti­vo para que­que os ho­mens com­pro­vem que são ‘ma­chões’. As­sim, é ne­ces­sá­rio ário ser agres­si­vo, se­du­tor, exi­bin­do­do a vi­ri­li­da­de”, res­sal­ta.

O com­por­ta­men­to se re­for­for­ça, quan­do os ho­mens es­tão emem gru­pos. O mú­si­co Wil­li­am Ca-Ca­lix­to afir­ma que não dá can­tan­ta­das em mu­lhe­res na rua por­por achar gros­sei­ro, mas já viu mui-mui­tos ami­gos fa­ze­rem isso quan­do ndo es­tão reu­ni­dos. “Pen­so ser uma ma ques­tão de au­to­con­fi­an­ça. Ge-Ge­ral­men­te, em grupo, um quer uer mos­trar que é mais ho­mem que o ou­tro”, opi­na.

Para a Eli­a­ne, não exis­te fun­da­men­to ci­en­tí­fi­co em di­zer que é um ins­tin­to mas­cu­li­no. “É cul­tu­ral, não bi­o­ló­gi­co. O que de­ve­ria exis­tir é uma edu­ca­ção pa­ra­o­res­pei­to”, aler­ta.

O me­câ­ni­co Fá­bio Lu­cas, 28, con­fes­sa que gos­ta de pas­sar can­ta­das. A pi­or que ele já deu, se­gun­do ele, foi cha­mar uma me­ni­na de “va­ca for­te”. “Mas foi um elo­gio. Quis di­zer que ela tem um cor­po mui­to bonito”, ale­ga. Para ele, em­bo­ra mui­tas mu­lhe­res re­cla­mem, a mai­o­ria gos­ta. “Elas se sen­tem va­lo­ri­za­das”, acre­di­ta.

Mui­tas são as mu­lhe­res que con­cor­dam com Lu­cas. A em­pre­sá­ria, iden­ti­fi­ca­da ape­nas co­mo Patrícia, 34, in­te­gra es­se grupo. “Não li­go mais. Quan­do é al­go ape­nas co­mo ‘oi, gos­to­sa’, sem ser ofen­si­vo, dou até ‘tchau­zi­nho’. Acho en­gra­ça­do”, co­men­ta.

Eli­a­ne Maio ava­lia es­te com­por­ta­men­to fe­mi­ni­no tam­bém co­mo um re­fle­xo do ma­chis­mo.“Para se sen­ti­rem va­lo­ri­za­das e fi­ca­rem bem com a au­to­es­ti­ma de­las, as mu­lhe­res se su­jei­tam a es­tas si­tu­a­ções de des­res­pei­to”, fri­sa. Se­rá que a cul­tu­ra de me­xer com as mu­lhe­res é uni­ver­sal? A ci­ên­cia diz que não. Um jo­vem de 33 anos, que não quis se iden­ti­fi­car, dei­xou o Pa­ra­ná para tra­ba­lhar na Inglaterra há pou­co mais de um ano. Ele con­se­guiu ser­vi­ço na cons­tru­ção ci­vil e es­tra­nhou o com­por­ta­men­to dos co­le­gas. “Quan­do pas­sa­va uma mu­lher bo­ni­ta na rua só eu olha­va. Os ou­tros acha­vam es­tra­nho eu fi­car ob­ser­van­do-as”, des­ta­ca.

Re­la­ta se­me­lhan­te foi da­do pe­la en­fer­mei­ra Amanda Mo­ra­es, que mo­ra na Itá­lia. “Os ho­mens aqui têm fa­ma de se­du­to- res, mas, na ver­da­de, são bas­tan­te tí­mi­dos, es­pe­ci­al­men­te, na ho­ra de abor­dar as mu­lhe­res. Eles não têm a ou­sa­dia dos bra­si­lei­ros”, res­sal­ta.

Para a psi­có­lo­ga Eli­a­ne Maio, pas­sar can­ta­das é mais co­mum no Bra­sil, por uma tra­di­ção de es­ti­mu­lar os me­ni­nos, des­de cri­an­ça, a com­pro­va­rem a vi­ri­li­da­de de­les e a se por­ta­rem co­mo “do­nos” dos cor­pos das mu­lhe­res. “São si­tu­a­ções que fo­ram es­ti­mu­la­das por uma edu­ca­ção ma­chis­ta e não por uma con­di­ção bi­o­ló­gi­ca, por ter nas­ci­do com ór­gão se­xu­al mas­cu­li­no”, opi­na.

Ra­fa­el Sil­va

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.