A du­ra es­co­lha de Ste­ve

Em car­taz nos ci­ne­mas da ci­da­de, “Jobs”; ci­ne­bi­o­gra­fia do fun­da­dor da Ap­ple, Ste­ve Jobs, re­ve­la os dois la­dos da ob­ses­são

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Wi­la­me Prado

wi­la­me@odi­a­rio.com As es­co­lhas es­tão aí em nos­sa cur­ta vi­da, es­pa­lha­das pe­lo ar, im­preg­na­das nas re­la­ções hu­ma­nas. Di­fi­cil­men­te não ha­ve­rá es­co­lha. Tal­vez, me­nos em uma do­en­ça fa­tal, em um aci­den­te de trân­si­to (foi aci­den­te mes­mo ou im­pru­dên­cia?); mas aí as es­co­lhas já co­me­çam a de­ban­dar para o pla­no me­ta­fí­si­co.

O que es­tou que­ren­do di­zer é que po­de­mos ser tu­do nes­ta vi­da lou­ca. Po­de­mos ser um an­da­ri­lho que se ali­men­tar de man­gas que ca­em de gran­di­o­sas man­guei­ras plan­ta­das por pas­sa­ri­nhos na bei­ra da ro­do­via. Co­mo po­de­mos tam­bém ser o fun­da­dor da Ap­ple e res­pon­sá­vel por gran­des des­co­ber­tas e fei­tos re­la­ci­o­na­dos à tec­no­lo­gia e à cri­a­ção de ob­je­tos que ten­dem a fa­ci­li­tar a vi­da das pes­so­as.

“Jobs”, ci­ne­bi­o­gra­fia di­ri­gi­da por Joshua Mi­cha­el Stern, com ro­tei­ro de Matt Whi­te­ley, faz um re­cor­te bi­o­grá­fi­co de Ste­ve Jobs (com in­ter­pre­ta­ção elo­gi­a­da de Ash­ton Kut­cher), o as­tu­to ca­ra da ma­çã­zi­nha dos ado­ra­dos iPods, iPho­nes e iMacs da vi­da. Fil­me re­co­men­da­do até mes­mo para aque­les que sen­tem oje­ri­za por ques­tões en­vol­ven­do tec­no­lo­gia. Não é so­bre nerds, não. É, sim, so­bre um ca­ra ma­nía­co, per­fec­ci­o­nis­ta, de­ter­mi­na­do, in­te­li­gen­te e dis­pos­to a fa­zer o me­lhor, a cri­ar a ro­da do sé­cu­lo 20. En­fim, um fil­me so­bre quem es­co­lheu ser o fun­da­dor da Ap­ple e não o an­da­ri­lho co­me­dor de man­gas (na­da con­tra os li­vres, le­ves e sol­tos an­da­ri­lhos; gos­to mui­to de man­ga, por si­nal).

“Jobs” pa­re­ce li­vro de au­to­a­ju­da trans­pos­to para a te­la gran­de. Mas va­le o in­gres­so. É in­te­res­san­te a his­tó­ria de co­mo sur­giu a Ap­ple no fi­nal da dé­ca­da de 1970. É cu­ri­o­so ver re­ve­la­dos al­guns dos mi­lhões de tre­jei­tos e ma­ni­as do ím­par Jobs, que odi­a­va cal­çar sa­pa­tos e chei­ra­va mal. Ao sair da sa­la do cinema, o sen­ti­men­to é de re­vol­ta por ser­mos tão bur­ros. To­dos so­mos bur­ros per­to de Jobs que, além de ter si­do efi­caz no cam­po da in­for­má­ti­ca, sa­bia tam­bém ne­go­ci­ar co­mo nin­guém e ti­nha o po­der da ora­tó­ria para con­ven­cer que tu­do o que fa­zia era bus­can­do o inal­can­çá­vel, pe­lo me­nos o inal­can­çá­vel apa­ren­te aos olhos hu­ma­nos.

Ao “es­co­lher” a per­fei­ção, Jobs abre mão de mui­ta coi­sa. Aos olhos aten­tos na te­lo­na dos fal­sos mo­ra­lis­tas de plan­tão, ele se re­ve­la um ca­lhor­da. Abre mão das pes­so­as pró­xi­mas pe­los seus ide­ais. Em um jo­go de eter­no re­tor­no de re­jei­ção, o fi­lho ado­ti­vo Jobs não quer re­co­nhe­cer a pa­ter­ni­da­de de Li­sa, sua pri­mei­ra fi­lha.

O en­gra­ça­do em Jobs são as iro­ni­as do des­ti­no. Ele que­ria apro­xi­mar as pes­so­as com a tec­no­lo­gia e, sem en­trar no mé­ri­to das pseu­do re­la­ções hu­ma­nas via Ipho­ne, con­se­guiu ta­ma­nha pro­e­za. No en­tan­to, para isso, “es­co­lheu” o seu ne­ces­sá­rio afas­ta­men­to hu­ma­no. Acei­tou ser en­ca­ra­do co­mo um vi­lão ego­cên­tri­co e de­su­ma­no para dei­xar um enor­me le­ga­do à hu­ma­ni­da­de.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.