Te­lha­do ver­de traz be­ne­fí­ci­os

O Diario do Norte do Parana - - CLASSIDIÁRIO - Ju­li­a­na Fon­ta­nel­la ju­fon­ta­nel­la@odi­a­rio.com

A Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal de Curitiba dis­cu­te um pro­je­to de lei que po­de tor­nar obri­ga­tó­ria a cons­tru­ção de te­lha­dos ver­des nas edi­fi­ca­ções com três ou mais uni­da­des agru­pa­das ver­ti­cal­men­te. O ve­re­a­dor Pro­fes­sor Gal­di­no (PSDB) é o au­tor da pro­pos­ta, já apro­va­do por to­das as co­mis­sões per­ma­nen­tes.

De acor­do com o as­ses­sor ju­rí­di­co do ve­re­a­dor, Je­an Si­ri­ga­te, o ob­je­ti­vo é apro­var o pro­je­to de lei até o fi­nal des­se ano. Para isso o pró­prio ga­bi­ne­te con­vo­cou uma equi­pe de es­pe­ci­a­lis­tas para ana­li­sar o tex­to e cor­ri­gir pos­sí­veis fa­lhas. O pri­mei­ro de­sa­fio foi acer­tar a de­fi­ni­ção de te­lha­do ver­de para en­tão ava­li­ar com pre­ci­são de­sa­fi­os e be­ne­fí­ci­os do sis­te­ma para a ci­da­de de Curitiba. “Nós en­ten­de­mos que a lei de­ve ser al­go de­fi­ni­ti­vo e de­ci­di­mos con­vo­car con­sul­to­res para evi­tar as fa­lhas”, diz.

Co­moéo­sis­te­ma

O te­lha­do ver­de, de acor­do com a ar­qui­te­ta pai­sa­gis­ta ma­rin­ga­en­se Va­lé­ria Bor­ges Yo­ne­gu­ra, é o plan­tio de qual­quer ve­ge­ta­ção em ade­qua­da quan­ti­da­de de so­lo (subs­tra­to) so­bre um te­lha­do. Há vá­ri­os sis­te­mas, al­guns com re­ci­pi­en­tes para o so­lo que po­dem ser ins­ta­la­dos in­clu­si­ve so­bre te­lha­dos in­cli­na­dos, ou­tros são plan­ta­dos di­re­ta­men­te so­bre a la­je. Os te­lha­dos ver­des po­dem ser usa­dos ape­nas co­mo­co­ber­tu­ra­ouá­re­a­de­la­zer.

O sis­te­ma po­de ser ins­ta­la­do tan­to em edi­fí­ci­os co­mo em re­si­dên­ci­as com be­ne­fí­ci­os ter­mo­a­cús­ti­cos e es­té­ti­cos. “O te­lha­do ver­de di­mi­nui o ca­lor que se­ria pro­pa­ga­do pe­la la­je, ame­ni­zan­do a tem­pe­ra­tu­ra in­ter­na e cria um mi­cro­cli­ma agra­dá­vel no en­tor­no, além de au­men­tar o tem­po de vi­da da man­ta de im­per­me­a­bi­li­za­ção sem tan­tas mu­dan­ças de tem­pe­ra­tu­ra”, diz.

An­tes de ins­ta­lar o te­lha­do ver­de é im­pres­cin­dí­vel con­sul­tar um en­ge­nhei­ro es­tru­tu­ral, para ve­ri­fi­car se a es­tru­tu­ra su­por­ta­rá o peso des­te jar­dim mes­mo quan­do es­ti­ver sa­tu­ra­do, de­vi­do à chu­va ou ir­ri­ga­ção. O sis­te­ma exi­ge boa im­per­me­a­bi­li­za­ção e dre­na­gem. Obri­ga­to­ri­a­men­te as cons­tru­ções já de­vem cum­prir as nor­mas re­fe­ren­tes à dre­na­gem e im­per­me­a­bi­li­za­ção, e is­to con­tri­bui na ins­ta­la­ção do te­lha­do ver­de, pois ne­las es­tão es­pe­ci­fi­ca­dos da­dos im­por­tan­tes co­mo a in­cli­na­ção mí­ni­ma para o es­co­a­men­to de água plu­vi­al.

Aná­li­se

Um dos con­sul­to­res do pro­je­to de lei foi o ad­vo­ga­do es­pe­ci­a­lis­ta em Di­rei­to Am­bi­en­tal Re­nan Es­chi­let­ti Ma­cha­do Gui­ma­rães, se­cre­tá­rio Exe­cu­ti­vo da As­so­ci­a­ção Tec­no­lo­gia Ver­de Bra­sil. O es­pe­ci­a­lis­ta afir­ma que os te­lha­dos ver­des au­men­tam as áre­as ver­des ur­ba­nas e pro­mo­vem a bi­o­di­ver­si­da­de lo­cal. Tam­bém re­têm a água plu­vi­al e lim­pan­do-a an­tes que es­cor­ra para a rua. O pro­ces­so de eva­po­trans­pi­ra­ção da plan­ta é o que ar­re­fe­ce o am­bi­en­te in­ter­no e ex­ter­no, re­du­zin­do a de­man­da de ener­gia elé­tri­ca do pré­dio, bem co­mo o efei­to ilha de ca­lor ur­ba­no. “O te­lha­do ver­de ain­da faz com que a tro­ca de ca­lor en­tre a par­te in­te­ri­or e ex­te­ri­or da edi­fi­ca­ção se tor­ne mais ame­na e gra­du­al, ou se­ja, de­mo­ra mais para uma ca­sa com te­lha­do ver­de es­quen­tar no ve­rão, as­sim co­mo de­mo­ra­rá mais para es­fri­ar no in­ver­no”, ex­pli­ca.

Não se re­co­men­da a ins­ta­la­ção em te­lha­dos com in­cli­na­ção aci­ma de 20º, mais ou me­nos, pois o sis­te­ma po­de não se de­sen­vol­ver de­vi­da­men­te. Te­lha­dos pla­nos são o ide­al. Se­gun­do ele, es­tu­dos com­pro­vam que qual­quer es­pé­cie po­de ser uti­li­za­da no te­lha­do ver­de. As mais ade­qua­das são aque­las com ca­pa­ci­da­de de adap­ta­ção ao cli­ma lo­cal e fa­to­res co­mo lu­mi­no­si­da­de e ir­ri­ga­ção.

Há be­ne­fí­ci­os econô­mi­cos (re­du­ção dos gas­tos com ener­gia elé­tri­ca e, às ve­zes, de água); so­ci­ais (au­tos­su­fi­ci­ên­cia ali­men­tar e in­clu­são so­ci­o­e­conô­mi­ca por meio da agri­cul­tu­ra ur­ba­na, co­e­são/con­vi­vên­cia so­ci­al, prá­ti­ca de es­por­tes, etc). O ad­vo­ga­do acres­cen­ta que o cus­to do te­lha­do ver­de é in­fe­ri­or a 10% do to­tal dis­pen­di­do com a obra. Além dis­so, o sis­te­ma “se pa­ga” na eco­no­mia de ener­gia e de água.

Para quem se in­te­res­sou, Gui­ma­rães tem uma boa no­tí­cia: o trâ­mi­te para apro­va­ção do te­lha­do ver­de nas pre­fei­tu­ras de­pen­de de ca­da ci­da­de, mas em prin­cí­pio, não há na­da de es­pe­ci­al em re­la­ção a isso. Por­to Ale­gre pre­vê o te­lha­do ver­de co­mo for­ma de com­pen­sa­ção de par­te de área per­meá­vel, na vis­to­ria para o ha­bi­te-se, o te­to ver­de pre­ci­sa es­tar pre­sen­te na obra pron­ta, só isso. Quan­do hou­ver me­lhor re­gu­la­men­ta­ção do te­lha­do ver­de, aí a apro­va­ção se­rá um pou­co mais com­ple­xa por­que ha­ve­rá ao me­nos pa­drões mí­ni­mos para cum­prir as fun­ções pre­vis­tas em lei para o te­lha­do ver­de.

Di­vul­ga­ção

DES­COM­PLI­CA­DO O cus­to não ul­tra­pas­sa 10% do va­lor da obra, com o tem­po, o sis­te­ma compensa o in­ves­ti­men­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.