Cur­rí­cu­lo em for­ma­to de ví­deo po­de ser di­fe­ren­ci­al

O Diario do Norte do Parana - - CLASSIDIÁRIO - Fernanda Ber­to­la su­ple­men­tos@odi­a­rio.com

Os cur­rí­cu­los em ví­deo são a mais no­va fer­ra­men­ta de re­cru­ta­men­to no mer­ca­do de tra­ba­lho e têm si­do uti­li­za­dos pe­los can­di­da­tos para se dis­tan­ci­ar dos de­mais – afi­nal, a ori­gi­na­li­da­de e cri­a­ti­vi­da­de po­dem ca­ti­var o re­cru­tan­te no mo­men­to da ava­li­a­ção. Nes­te ca­so, o can­di­da­to faz um ví­deo, fa­lan­do de si mes­mo, ou me­lhor, das su­as qua­li­da­des pro­fis­si­o­nais, se mos­tran­do in­te­res­sa­do na va­ga.

Es­sa no­va fer­ra­men­ta ali­a­da do tra­ba­lha­dor se di­fe­ren­cia das en­tre­vis­tas fei­tas por vi­de­o­con­fe­rên­cia por não ser ao vi­vo. E, jus­ta­men­te por es­se mo­ti­vo, ser­ve co­mo uma pré-se­le­ção à va­ga. O can­di­da­to po­de des­per­tar o in­te­res­se do en­tre­vis­ta­dor e, de ca­ra, con­quis­tar o em­pre­go se con­ven­cer.

Só que para fa­zer um ví­deo cur­rí­cu­lo in­te­res­san­te há que se to­mar cui­da­dos para não sair do cam­po da cri­a­ti­vi­da­de e en­trar no do ri­dí­cu­lo. É pre­ci­so ter ob­je­ti­vos cla­ros e se­ri­e­da­de.

Se­gun­do Pris­cil­la Va­nes­ca Am­bo­ni, co­or­de­na­do­ra de uma empresa de re­cru­ta­men­to e es­pe­ci­a­lis­ta em Re­cur­sos Hu­ma­nos, as in­for­ma­ções que de­vem con­ter no ví­deo são es­tri­ta­men­te pro­fis­si­o­nais - as­sim co­mo as que cons­tam no cur­rí­cu­lo im­pres­so.

Tra­ta-se de um ma­te­ri­al para se con­quis­tar uma en­tre­vis­ta pes­so­al­men­te. Ela ex­pli­ca que, no ví­deo, é im­por­tan­te res­pon­der às per­gun­tas an­te­ci­pa­da­men­te, co­mo por exem­plo o mo­ti­vo pe­lo qual a pes­soa quer tra­ba­lhar na­que­la empresa.

Cui­da­dos

No en­tan­to, para ade­rir à prá­ti­ca as­ser­ti­va­men­te o pri­mei­ro pas­so é se cer­ti­fi­car de que a empresa para a qual o can­di­da­to quer en­trar é adep­ta des­se ti­po de fer­ra­men­ta. Po­de ser que a or­ga­ni­za­ção se­ja mais tra­di­ci­o­nal e não con­si­de­re es­se ti­po de ini­ci­a­ti­va.

Cer­to dis­so, é ho­ra de o can­di­da­to pen­sar no lo­cal on­de se­rá gra­va­do o ví­deo. “Pre­ci­sa ser um am­bi­en­te sé­rio, apro­pri­a­do, sem ba­ru­lho e bem ilu­mi­na­do”, diz. Se for em ca­sa, é bom fi­car lon­ge dos ani­mais de es­ti­ma­ção. Cui­da­do com a ba­gun­ça, que po­de cau­sar uma pés­si­ma im­pres­são.

O equi­pa­men­to que se­rá uti­li­za­do para gra­var a ce­na tam­bém de­ve ser bom. “Um ví­deo de qua­li­da­de ruim cau­sa­rá efei­to con­trá­rio”, com­ple­ta.

Pris­cil­la res­sal­ta que por meio do ví­deo o en­tre­vis­ta­dor con­se­gue cap­tar a per­so­na­li­da­de do pre­ten­den­te à va­ga, o que não é pos­sí­vel atra­vés do pa­pel. “Mas se a pes­so­as não sou­ber o que co­lo­car no ví­deo, po­de se pre­ju­di­car bas­tan­te”, re­for­ça. Ela ex­pli­ca que o can­di­da­to tem que sa­ber o que fa­lar e se apre­sen­tar bem. Além dis­so, aler­ta que ler o cur­rí­cu­lo em fren­te à câ­me­ra é um er­ro que não de­ve acon­te­cer.

O tem­po de gra­va­ção tam­bém de­ve ser cur­to, não ul­tra­pas­san­do dois mi­nu­tos. Co­mo em uma en­tre­vis­ta por vi­de­o­con­fe­rên­cia, o can­di­da­to de­ve se por­tar de ma­nei­ra sé­ria, ves­ti­do ade­qua­da­men­te. “A pes­soa tem que pen­sar que es­se ví­deo se­rá o car­tão de vi­si­tas de­le”, diz.

A es­pe­ci­a­lis­ta acre­di­ta que a ideia ain­da não es­te­ja tão dis­se­mi­na­da em Ma­rin­gá, por­que os en­tre­vis­ta­do­res ain­da pre­fe­rem uma con­ver­sa ao vi­vo de­pois de ler o cur­rí­cu­lo, para ter a pri­mei­ra im­pres­são na ho­ra da en­tre­vis­ta. Mas ela des­ta­ca que mui­tas em­pre­sas de fo­ra es­tão abrin­do cam­po na ci­da­de, e que en­vi­ar fun­ci­o­ná­ri­os às ve­zes sai ca­ro.

Por es­sa ra­zão, cur­rí­cu­los em ví­deo po­dem ser acei­tos co­mo um pri­mei­ro con­ta­to, para de­pois pas­sar pe­la eta­pa fi­nal. “As vi­de­o­con­fe­rên­ci­as já são co­muns, fal­tam os ví­de­os gra­va­dos se­rem mais uti­li­za­dos”, acres­cen­ta.

Há si­tes que aju­dam a cri­ar cur­rí­cu­los em ví­deo gra­tui­ta­men­te, que fi­cam dis­po­ní­veis para as em­pre­sas que o can­di­da­to es­co­lher. Nes­se ca­so, o cui­da­do de­ve ser o mes­mo. An­tes de apa­re­cer em fren­te à câ­me­ra para gra­var, é pre­ci­so se aten­tar para a ves­ti­men­ta, pos­tu­ra e es­tar se­gu­ro. De­pois, luz, câ­me­ra e ação! Welthon Fer­nan­do Hel­go­nen, 22, é alu­no de jor­na­lis­mo, mas já re­ce­beu con­vi­tes para tra­ba­lhar em uma pe­ça de te­a­tro gra­ças ao ví­deo que pos­tou no Youtu­be. Ape­sar de não ter gra­va­do as cenas no for­ma­to de um cur­rí­cu­lo em ví­deo, atra­vés de sua apre­sen­ta­ção, ele mos­trou a ca­pa­ci­da­de pro­fis­si­o­nal, já que tem afi­ni­da­de com as ar­tes cê­ni­cas e pre­ten­de atu­ar co­mo co­mu­ni­ca­dor em vá­ri­as áre­as. Ele e mais dois ami­gos pro­du­zi­ram o ví­deo no tra­ba­lho de con­clu­são de cur­so. No ví­deo, ele faz in­ter­pre­ta­ções e mos­tra su­as qua­li­da­des. “Es­sa é uma for­ma de con­quis­tar a vi­si­bi­li­da­de das pes­so­as que gos­tam des­se ti­po de tra­ba­lho. E es­tan­do só na fa­cul­da­de de jor­na­lis­mo isso não se­ria pos­sí­vel, pre­ci­sei fa­zer al­go a mais”, diz o jo­vem. Com mais de 500 vi­su­a­li­za­ções em um dos ví­de­os no Youtu­be, ele con­se­guiu até que uma das pro­du­ções fos­se vei­cu­la­da em um ca­nal de te­le­vi­são, no qual tra­ba­lha hoje. “Mui­tos ami­gos me acon­se­lham a en­vi­ar os ví­de­os a pro­du­to­ras, mas ain­da es­tou ter­mi­nan­do o úl­ti­mo se­mes­tre da fa­cul­da­de e es­tou aguar­dan­do an­tes de dar o pró­xi­mo pas­so”, con­ta. O ví­deo de Hel­go­nen faz par­te de um qua­dro que se cha­ma In­ter­pre­te em Ação, e está dis­po­ní­vel no Youtu­be pe­lo no­me Cân­ti­co Ne­gro – In­ter­pre­te em Ação. Ele tem ou­tras pro­du­ções. A pro­du­ção não te­ve cus­tos, já que eles con­ta­ram com a co­la­bo­ra­ção de par­cei­ros.

Reprodução

De­pois de pro­du­zir um ví­deo ori­gi­nal, o es­tu­dan­te Welthon Fer­nan­des Hel­go­nen re­ce­beu con­vi­te para tra­ba­lho

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.