Mais Mé­di­cos ou mais saú­de?

O Diario do Norte do Parana - - OPINIÃO -

O go­ver­no fe­de­ral in­sis­te em ele­var o Pro­gra­ma Mais Mé­di­cos ao pa­ta­mar de re­mé­dio mi­la­gro­so para a saú­de pú­bli­ca, a des­pei­to das inú­me­ras fa­lhas apre­sen­ta­das des­de que foi anun­ci­a­do pe­la pre­si­den­te Dil­ma Rous­seff, em ju­lho, na for­ma da Me­di­da Pro­vi­só­ria 621/2013. A MP pre­vê, en­tre ou­tros itens, a vin­da de pro­fis­si­o­nais for­ma­dos fo­ra do Bra­sil sem um exa­me para com­pro­var a ca­pa­ci­ta­ção, e a cri­a­ção de ser­vi­ço ci­vil obri­ga­tó­rio para os aca­dê­mi­cos de Me­di­ci­na, equí­vo­cos que são ame­a­ças ao bem-es­tar da so­ci­e­da­de ci­vil.

Em uma equa­ção em que o in­te­res­se po­lí­ti­co é pri­o­ri­da­de, a qua­li­da­de do aten­di­men­to à po­pu­la­ção fi­ca em úl­ti­mo pla­no. Quem tra­ba­lha ou é aten­di­do no SUS sa­be que não há in­fra­es­tru­tu­ra mí­ni­ma para as­sis­tên­cia hu­ma­nís­ti­ca. La­men­ta­vel­men­te, nos­sos go­ver­nan­tes es­tão cri­an­do du­as Me­di­ci­nas no Bra­sil, uma para os po­bres e ou­tra para os ri­cos.

A úni­ca coi­sa que os ide­a­li­za­do­res do pro­gra­ma pre­ci­sam en­ten­der é que mé­di­co so­zi­nho não faz má­gi­ca. Exa­mes, me­di­ca­men­tos, ins­tru­men­tos, equi­pe mul­ti­dis­ci­pli­nar são in­dis­pen­sá­veis. Para os que di­zem que é me­lhor meio mé­di­co do que ne­nhum, va­le o aler­ta de que um pro­fis­si­o­nal mal preparado é um gran­de pe­ri­go a saú­de, sig­ni­fi­ca cu­ran­dei­ris­mo, char­la­ta­nis­mo. É por isso que as en­ti­da­des mé­di­cas tem se mo­bi­li­za­do na de­fe­sa do Re­va­li­da. Por que tan­to me­do que o go­ver­no tem de que os for­ma­dos no ex­te­ri­or pres­tem a pro­va?

Além de des­per­di­çar di­nhei­ro público, em vez de in­ves­tir em in­fra­es­tru­tu­ra e po­lí­ti­cas pú­bli­cas de saú­de efe­ti­vas, o Mais Mé­di­cos pre­ten­de de­for­mar a re­si­dên­cia mé­di­ca obri­gan­do os re­si­den­tes a pres­tar ser­vi­ço obri­ga­tó­rio du­ran­te dois anos, sem a ga­ran­tia de su­per­vi­são ade­qua­da, o que é mais uma vez pre­o­cu­pan­te. O en­si­no da Me­di­ci­na co­mo co­nhe­ce­mos nos mol­des atu­ais foi es­ta­be­le­ci­do des­sa for­ma para não com­pro­me­ter a es­pe­ci­a­li­za­ção pos­te­ri­or.

As au­to­ri­da­des es­tão trans­for­man­do o mé­di­co em um vi­lão para en­co­brir as ter­rí­veis con­di­ções em que se en­con­tram di­ver­sas uni­da­des de saú­de pú­bli­cas es­pa­lha­das pe­lo país, on­de a si­tu­a­ção é de­ses­pe­ra­do­ra tan­to para o pa­ci­en­te quan­to para o pro­fis­si­o­nal de me­di­ci­na. Se hou­ves­se es­tru­tu­ra e se to­dos os di­rei­tos tra­ba­lhis­tas fos­sem res­pei­ta­dos, não fal­ta­ri­am pro­fis­si­o­nais em ne­nhum can­to do Bra­sil.

O Pro­gra­ma Mais Mé­di­cos na­da mais é que um en­go­do elei­to­rei­ro lan­ça­do por pes­so­as com ex­clu­si­va co­bi­ça pe­lo plei­to de 2014. Por­tan­to, não se en­ga­nem com uma so­lu­ção sim­ples para uma ques­tão tão com­ple­xa co­mo a saú­de pú­bli­ca bra­si­lei­ra.

Os mé­di­cos bra­si­lei­ros que­rem uma saú­de de qua­li­da­de para a po­pu­la­ção e fi­ca­rão fe­li­zes se vi­e­rem de fo­ra bons pro­fis­si­o­nais para aju­dar na as­sis­tên­cia. Aliás, não exis­te país para aco­lher tão bem quan­to o nos­so. Tra­ba­lha­mos com mui­tos co­le­gas for­ma­dos fo­ra que com­pro­va­rão com­pe­tên­cia e agre­gam va­lor ao sis­te­ma de saú­de.

Os mé­di­cos es­tran­gei­ros e os bra­si­lei­ros for­ma­dos fo­ra da­qui me­re­cem res­pei­to e dig­ni­da­de, e não fi­car con­fi­na­dos em con­ven­tos e/ou ba­ses mi­li­ta­res sem pas­sa­por­te, sem con­di­ções de tra­ba­lho e a fa­mí­lia ao la­do, co­mo pro­põe o Pro­gra­ma Mais Mé­di­cos. Até nis­so se ob­ser­va a vi­são mío­pe da­que­les que de­fen­dem o pro­gra­ma. In­fe­liz­men­te a vin­da des­ses pro­fis­si­o­nais cu­ba­nos é mais es­tra­té­gia para que o di­nhei­ro público do Bra­sil se­ja de­li­be­ra­da­men­te pas­sa­do para Cu­ba.

O que la­men­ta­mos é o fa­to de o go­ver­no não es­tar bem pre­o­cu­pa­do com a saú­de, e sim com as ur­nas. Se­gue sem in­ves­tir na es­tru­tu­ra, não tem uma po­lí­ti­ca con­sis­ten­te para in­te­ri­o­ri­zar mé­di­cos e ou­tros pro­fis­si­o­nais da equi­pe mul­ti­dis­ci­pli­nar, não va­lo­ri­za os re­cur­sos hu­ma­nos nem se co­mo­ve com tris­te re­a­li­da­de en­fren­ta­da por quem ne­ces­si­ta do SUS.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.