20% dos me­no­res pa­ram tra­ta­men­to

O Diario do Norte do Parana - - ZOOM - Flá­via Al­bu­quer­que

Um le­van­ta­men­to fei­to pe­lo Ins­ti­tu­to de In­fec­to­lo­gia Emí­lio Ribas, re­fe­rên­cia no tra­ta­men­to de HIV/aids, mos­tra que um em ca­da cin­co dos ado­les­cen­tes com aids acom­pa­nha­dos pe­lo hos­pi­tal aban­do­nou o tra­ta­men­to no ano pas­sa­do. Fo­ram ava­li­a­dos 581 ado­les­cen­tes, de 12 a 17 anos, dos quais 131 es­tão há pe­lo me­nos 6 me­ses sem ir ao mé­di­co ou sem vol­tar ao con­sul­tó­rio para no­va ava­li­a­ção. Dos jo­vens ava­li­a­dos, 71 são do se­xo mas­cu­li­no e 60, do fe­mi­ni­no. A mai­o­ria foi in­fec­ta­da pe­la mãe du­ran­te o par­to (trans­mis­são ver­ti­cal).

De acor­do com o in­fec­to­lo­gis­ta Je­an Go­rin­ch­teyn, do Emí­lio Ribas, du­ran­te o pe­río­do de ob­ser­va­ção, os jo­vens em tra­ta­men­to de­ve­ri­am ter com­pa­re­ci­do a pe­lo me­nos du­as con­sul­tas, nas quais sua saú­de se­ria ava­li­a­da e o re­cei­tuá­rio for­ne­ci­do, para que os me­di­ca­men­tos fos­sem re­ti­ra­dos gra­tui­ta­men­te na pró­pria far­má­cia do ins­ti­tu­to. “As ava­li­a­ções clí­ni­cas de­vem ser fei­tas a ca­da 3 me­ses. Se ele não vem para a con­sul­ta, não re­ce­be a re­cei­ta e não re­ti­ra o re­mé­dio. Por­tan­to, está in­ter­rom­pen­do o tra­ta­men­to. Nor­mal­men­te, são ad­mi­nis­tra­das de três a cin­co dro­gas an­tir­re­tro­vi­rais, al­gu­mas com­bi­na­das, mas es­te nú­me­ro po­de ser re­du­zi­do a um com­pri­mi­do só, fa­vo­re­cen­do mui­to a ade­são”, ex­pli­cou o mé­di­co.

Go­rin­ch­teyn res­sal­tou que, uma vez ini­ci­a­do o tra­ta­men­to, ele ja­mais po­de ser in­ter­rom­pi­do, e os ho­rá­ri­os têm de ser se­gui­dos com ri­gor. Se­gun­do ele, a in­ter­rup­ção do tra­ta­men­to po­de tor­nar o ví­rus re­sis­ten­te à me­di­ca­ção, ou se­ja, “o ví­rus deixa de ser sen­sí­vel ao re­mé­dio e o or­ga­nis­mo não res­pon­de ao tra­ta­men­to”.

O in­fec­to­lo­gis­ta in­for­mou que o Emí­lio Ribas tem uma es­tra­té­gia para bus­car os pa­ci­en­tes, ca­so dei­xem de com­pa­re­cer aos re­tor­nos mé­di­cos. A con­vo­ca­ção é sem­pre di­re­ta, por te­le­fo­ne ou por te­le­gra­ma. É pre­ci­so ava­li­ar que, ape­sar de se­rem me­no­res de ida­de, que te­o­ri­ca­men­te te­ri­am um adul­to res­pon­sá­vel por eles, a mai­o­ria des­ses ado­les­cen­tes con­traiu o HIV por trans­mis­são ver­ti­cal, na ges­ta­ção da mãe con­ta­mi­na­da. “Isso quer di­zer que mui­tas das mães es­tão do­en­tes, ou já não es­tão mais vi­vas para cui­dar des­sas cri­an­ças. São jo­vens que po­dem es­tar sob cui­da­dos de tu­to­res ou res­pon­sá­veis que, even­tu­al­men­te, des­co­nhe­cem o não com­pa­re­ci­men­to de­les ao am­bu­la­tó­rio. Mui­tas ve­zes, quan­do es­ses res­pon­sá­veis fo­ram ques­ti­o­na­dos dis­se­ram acre­di­tar que as cri­an­ças iam às con­sul­tas.”

Para Go­rin­ch­teyn, a in­ter­rup­ção do tra­ta­men­to po­de ocor­rer pe­lo fa­to de jo­vens des­sa fai­xa etá­ria te­rem di­fi­cul­da­de para en­ca­rar uma do­en­ça que pre­ci­sa de acom­pa­nha­men­to cons­tan­te e que já é tra­ta­da des­de o nas­ci­men­to. “Eles tam­bém re­ce­bem uma car­ga de pre­con­cei­to, por es­ta­rem con­ta­mi­na­dos, mas sem ter a re­al cul­pa por isso. As­sim, cria-se a di­fi­cul­da­de de acei­ta­ção da do­en­ça e das di­fi­cul­da­des de in­ser­ção so­ci­al”, res­sal­tou o mé­di­co. “Eles tam­bém re­ce­bem car­ga de pre­con­cei­to, por es­ta­rem con­ta­mi­na­dos, mas sem ter a re­al cul­pa por isso”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.