Ma­rin­gá re­ce­be no­ta má­xi­ma em re­la­ção aos in­ves­ti­men­tos

Ín­di­ce Fir­jan de Ges­tão Fis­cal co­lo­ca o mu­ni­cí­pio na pri­mei­ra co­lo­ca­ção no Es­ta­do e na 12ª po­si­ção no País; 84 ci­da­des apre­sen­tam al­to grau de efi­ci­ên­cia

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Mu­ri­lo Gat­ti com agências

mgat­ti@odi­a­rio.com Ma­rin­gá tem a me­lhor ges­tão fis­cal do Pa­ra­ná. É o que mos­tra o Ín­di­ce Fir­jan de Ges­tão Fis­cal (IFGF) de 2013, da Fe­de­ra­ção das In­dús­tri­as do Es­ta­do do Rio de Ja­nei­ro (Fir­jan) . En­tre as 5.164 ci­da­des ava­li­a­das em to­do País, ape­nas 84 apre­sen­ta­ram al­to grau de efi­ci­ên­cia e o mu­ni­cí­pio con­quis­tou a 12ª co­lo­ca­ção.

Se­gun­do a Fir­jan, Ma­rin­gá con­quis­tou no­ta má­xi­ma no que­si­to re­la­ci­o­na­do aos in­ves­ti­men­tos com re­cur­sos pró­pri­os e, além dis­so, apre­sen­tou evo­lu­ção em ou­tras três, das cin­co va­riá­veis ana­li­sa­das no IFGF 2013, em re­la­ção ao IFGF de 2012.

O se­cre­tá­rio de Ges­tão e Fa­zen­da, Jo­sé Luiz Bo­vo, co­me­mo­ra a po­si­ção de Ma­rin­gá. “Al­can­ça­mos con­cei­to de ex­ce­lên­cia nos prin­ci­pais itens, de­mons­tran­do que a ges­tão fis­cal do mu­ni­cí­pio é fei­ta com pla­ne­ja­men­to, con­tro­le, trans­pa­rên­cia e res­pon­sa­bi­li­da­de”, des­ta­cou.

Os da­dos do IFGF 2013 são re­la­ti­vos a 2011 e na ava­li­a­ção do pre­fei­to Car­los Ro­ber­to Pu­pin (PP) , Ma­rin­gá só não foi me­lhor ava­li­a­da por­que o IFGF Cus­to da Dí­vi­da, que ava­lia o com­pro­me­ti­men­to do or­ça­men­to com o pa­ga­men­to de ju­ros e amor­ti­za­ções de em­prés­ti­mos con­traí­dos em exer­cí­ci­os an­te­ri­o­res, ain­da não ha­via si­do atu­a­li­za­do.

“Na ques­tão do cus­to da dí­vi­da é pre­ci­so es­cla­re­cer que nes­ta ava­li­a­ção ain­da é le­va­do em con­ta o dé­bi­to do mu­ni­cí­pio ale­ga­do pe­la Cai­xa Econô­mi­ca Fe­de­ral, já re­du­zi­da ju­di­ci­al- men­te e aguar­dan­do ape­nas de­fi­nir o va­lor que caiu dras­ti­ca­men­te”, des­ta­ca.

O ín­di­ce de Ma­rin­gá evo­luiu dos 0,8684 em 2012, para os atu­ais 0,8784, com con­cei­to de ex­ce­lên­cia em re­cei­ta pró­pria, in­ves­ti­men­tos e li­qui­dez. Nos de­mais itens, gas­tos com pes­so­al e cus­to da dí­vi­da, o mu­ni­cí­pio apa­re­ce com con­cei­to de boa ges­tão.

Se­gun­do a Fir­jan, o IFGF é uma fer­ra­men­ta de con­tro­le so­ci­al que tem co­mo ob­je­ti­vo es­ti­mu­lar a cul­tu­ra da res­pon­sa­bi­li­da­de ad­mi­nis­tra­ti­va, pos­si­bi­li­tan­do mai­or apri­mo­ra­men­to da ges­tão fis­cal dos mu­ni­cí­pi­os, bem co­mo o aper­fei­ço­a­men­to das de­ci­sões dos ges­to­res pú­bli­cos na alo­ca­ção dos re­cur­sos.

No do Pa­ra­ná, o IFGF ana­li­sou 393 dos 399 mu­ni­cí­pi­os. Os da­dos apon­tam que 63,4% das ci­da­des apre­sen­tam ges­tão fis­cal di­fí­cil ou crí­ti­ca e dez in­te­gram a lis­ta dos 500 pi­o­res re­sul­ta­dos.Ao mes­mo tem­po, 34 mu­ni­cí­pi­os in­te­gram a re­la­ção dos 500 me­lho­res de­sem­pe­nhos do País. A pre­pon­de­rân­cia dos re­sul­ta­dos ne­ga­ti­vos se de­ve, so­bre­tu­do, ao ele­va­do cus­to da dí­vi­da e aos bai­xos in­ves­ti­men­tos.

Na qu­ar­ta po­si­ção no Es­ta­do, se­gun­da en­tre as ca­pi­tais e 71º do ran­king na­ci­o­nal, Curitiba se des­ta­ca pe­las ele­va­das re­cei­tas pró­pri­as, pe­los bai­xos gas­tos com pes­so­al e pe­la boa ad­mi­nis­tra­ção de res­tos a pa­gar. O re­sul­ta­do bai­xo do IFGF In­ves­ti­men­tos (0,3284 pon­tos) foi o em­pe­ci­lho para que a ca­pi­tal não ob­ti­ves­se um re­sul­ta­do me­lhor.

Na lis­ta dos 10 pi­o­res de­sem­pe­nhos, a fal­ta de li­qui­dez é o prin­ci­pal pro­ble­ma, já que se­te mu­ni­cí­pi­os apre­sen­ta­ram re­sul­ta­dos iguais a ze­ro nes­te in­di­ca­dor, ou se­ja, ter­mi­na­ram o ano de 2011 com mais res­tos a pa­gar do que re­cur­sos em cai­xa. Os úl­ti­mos co­lo­ca­dos fo­ram: Pre­si­den­te Cas­te­lo Bran­co, Uraí, Ka­lo­ré, Lu­pi­o­nó­po­lis, Con­se­lhei­ro Mai­rinck, São Se­bas­tião da Amo­rei­ra, Fa­rol, Mi­ra­sel­va, São Jerô­ni­mo da Ser­ra e Ser­ta­ne­ja.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.