Ven­da­val atin­ge 38 mu­ni­cí­pi­os

En­tre sex­ta-fei­ra e on­tem, ven­to for­te e chu­va de gra­ni­zo pro­vo­ca­ram es­tra­gos e mais de 48,3 mil pes­so­as fo­ram afe­ta­das com per­das ma­te­ri­ais

O Diario do Norte do Parana - - REGIÃO -

Um ba­lan­ço pre­li­mi­nar di­vul­ga­do, no fim da tar­de de on­tem, pe­la De­fe­sa Ci­vil do Es­ta­do, in­for­ma que 38 mu­ni­cí­pi­os pa­ra­na­en­ses fo­ram atin­gi­dos pe­las chu­vas e ven­da­vais re­gis­tra­dos des­de sex­ta-fei­ra no Pa­ra­ná. De acor­do com o le­van­ta­men­to, mais de 48,3 mil pes­so­as fo­ram afe­ta­das com per­das ma­te­ri­ais; 2.450, de­las es­tão de­sa­lo­ja­das, em ca­sas de pa­ren­tes ou ami­gos. Há 18 de­sa­bri­ga­dos, as­sis­ti­dos em lo­cais co­mu­ni­tá­ri­os. Trin­ta e oi­to pes­so­as fi­ca­ram fe­ri­das. A mai­o­ria, por cau­sa de que­das ao ten­tar im­pro­vi­sar co­ber­tu­ra para a re­si­dên­cia. Há 10.140 ca­sas da­ni­fi­ca­das, gran­de par­te com des­te­lha­men­to pro­vo­ca­do­pe­lo­ven­to­for­te­e­gra­ni­zo.

No nor­te e no­ro­es­te do Es­ta­do, os re­gis­tros mais gra­ves fo­ram em Lon­dri­na, Pa­ra­na­city, San­ta Inês, Cru­zei­ro do Sul e Cam­po Mourão. A Co­pel in­for­ma, no en­tan­to, que, des­car­gas at­mos­fé­ri­cas, pro­vo­ca­ram rom­pi­men­tos de ca­bos e der­ru­ba­ram de­ze­nas de pos­tes na área que abran­ge 108 mu­ni­cí­pi­os do no­ro­es­te, in­cluin­do Ma­rin­gá, Cam­po Mourão, Pa­ra­na­vaí e Umu­a­ra­ma. Pe­lo me­nos 90 mil uni­da­des con­su­mi­do­ras ti­ve­ram o for­ne­ci­men­to de ener­gia elé­tri­ca in­ter­rom­pi­do.

Em Lon­dri­na, o pre­fei­to Ale­xan­dre Ki­re­eff (PSD) con­vo­cou reu­nião de emer­gên­cia e dis­po­ni­bi­li­zou 48 ser­vi­do­res, en­tre De­fe­sa Ci­vil, Gu­ar­da Mu­ni­ci­pal, Com­pa­nhia Mu­ni­ci­pal de Trân­si­to e Ur­ba­ni­za­ção e se­cre­ta­ri­as de Obras, Am­bi­en­te e Agri­cul­tu­ra para tra­ba­lhar na re­cu­pe­ra­ção das áre­as atin­gi­das. Tam­bém par­ti­ci­pa­ram 50 bom­bei­ros e 78 fun­ci­o­ná­ri­os da Co­pel.

R$ 150 mil

Em Pa­ra­na­city o ven­da­val du­rou cer­ca de três mi­nu­tos, mas foi su­fi­ci­en­te para ar­ran­car ár­vo­res, der­ru­bar pos­tes de ener­gia e da­ni­fi­car te­lha­dos de ca­sas e em­pre­sas. “O ven­to che­gou gi­ran­do em re­de­moi­nho, tor­cia as ár­vo­res e ar­ran­ca­va com raiz e tu­do”, dis­se o pi­o­nei­ro Jo­sé Duarte, que está em Pa­ra­na­city des­de 1951 e dis­se que “nun­ca vi uma coi­sa des­sas”.

O ven­to cor­reu do sul para o nor­te e atin­giu uma fai­xa de cer­ca de 200 me­tros de lar­gu­ra, on­de ar­ran­cou te­lha­dos de ca­sas de du­as vi­las ru­rais, na sequên­cia uma área in­dus­tri­al e en­trou na ci­da­de, ar­ran­can­do te­lhas da Vi­la Pro­gres­so, a mais po­bre da ci­da­de, e a Rua Pe­dro Pau­lo Ve­ne­ro, on­de der­ru­bou ár­vo­res, pos­tes e uma tor­re de co­mu­ni­ca­ção da ga­ra­gem da pre­fei­tu­ra.

Na área in­dus­tri­al vá­ri­os bar­ra­ções so­fre­ram da­nos na co­ber­tu­ra, ge­ral­men­te de zin­co. A empresa Bar­ri­plass, que fa­bri­ca equi­pa­men­tos para usi­nas e des­ti­la­ri­as, te­ve cer­ca de 80% da cons­tru­ção das no­vas ins­ta­la­ções des­truí­dos em me­nos de um mi­nu­to. O ven­da­val re­tor­ceu o bar­ra­cão, que­bran­do 12 co­lu­nas de con­cre­to, fer­ra­gem e co­ber­tu­ra. So­bra­ram so­men­te as pa­re­des do es­cri­tó­rio, na par­te da fren­te. Se­gun­do o pro­pri­e­tá­rio da empresa, An­dré Bis­po, “por bai­xo, o pre­juí­zo é de no mí­ni­mo R$ 150 mil, mas o pi­or é que vou ter que co­me­çar to­da a cons­tru­ção no­va­men­te”.

Até on­tem à tar­de, par­te de Pa­ra­na­city con­ti­nu­a­va sem ener­gia elé­tri­ca. Se­gun­do o se­cre­tá­rio mu­ni­ci­pal de Ad­mi- “O ven­to che­gou gi­ran­do em re­de­moi­nho, tor­cia as ár­vo­res e ar­ran­ca­va com raiz e tu­do. Nun­ca ha­via vis­to al­go igual” nis­tra­ção, Thi­a­go Bu­chi Ba­tis­ta, ain­da não dá para ter uma ideia da ex­ten­são do pre­juí­zo, pois acon­te­ce­ram da­nos tam­bém na zo­na ru­ral, in­clu­si­ve, com que­da de pon­te.

Des­con­ge­la­men­to

Es­ta­be­le­ci­men­tos co­mer­ci­ais ao lon­go da Ave­ni­da Eid e da Rua Pe­dro Pau­lo Ve­ne­ro con­ti­nu­a­vam sem ener­gia elé­tri­ca até on­tem à tar­de e mo­ra­do­res re­cla­ma­vam que equi­pes da Co­pel “nem apa­re­ce­ram”. Pos­tes, a fi­a­ção de ener­gia elé­tri­ca e de te­le­fo­ne im­pe­di­am a pas­sa­gem de veí­cu­los e pe­des­tres evi­ta­vam as ru­as com me­do de ter fio li­ga­do.

“A Co­pel não apa­re­ce e nós é que fi­ca­mos com o pre­juí­zo”, dis­se o co­mer­ci­an­te Ale­xan­dre Festa, pro­pri­e­tá­rio de uma piz­za­ria na Ave­ni­da Eid. Ele não po­de aten­der a cli­en­te­la no do­min­go à noi­te, mas sua pre­o­cu­pa­ção era com o ris­co de per­der o es­to­que de car­nes, pei­xes e por­ções pre­pa­ra­das, já que, por fal­ta de ener­gia, os fre­e­zers es­ta­vam des­con­ge­lan­do.

A re­por­ta­gem de O Diá­rio ten­tou fa­lar com a Co­pel em Pa­ra­na­city, mas nin­guém aten­deu ao te­le­fo­ne.

Cor­bé­lia

Nas ou­tras re­giões, os mu­ni­cí­pi­os mais atin­gi­dos fo­ram Co­ro­nel Vi­vi­da, Dois Vi­zi­nhos, Cor­bé­lia, Mar­qui­nho, Pru­den­tó­po­lis e Sal­to do Lon­tra. Em Cor­bé­lia e em Pru­den­tó­po­lis, lo­cais on­de fo­ram re­gis­tra­dos os mai­o­res pre­juí­zos, o go­ver­no do Es­ta­do de­ve de­cre­tar es­ta­do de emer­gên­cia. Até o mo­men­to, o go­ver­no en­tre­gou 300 bo­bi­nas de lo­na para es­sas lo­ca­li­da­des.

Com o de­cre­to, a pre­fei­tu­ra pas­sa­rá a con­tra­tar ser­vi­ços emer­gen­ci­ais com me­nos trâ­mi­tes bu­ro­crá­ti­cos e te­rá fa­ci­li­da­de no aces­so a re­cur­sos para a re­cu­pe­ra­ção da ci­da­de e ao re­pas­se de te­lhas, co­ber­to­res, col­chões, col­cho­ne­tes. As fa­mí­li­as mais ne­ces­si­ta­das têm pri­o­ri­da­de no aten­di­men­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.